2022-04-24T16:10:20-03:00
VITÓRIA DO CENTRO

Le Pen passa perto, mas Emmanuel Macron é reeleito e segue no comando da França, indicam projeções

Macron disputou a preferência dos eleitores com Marine Le Pen, que também foi sua adversária em 2017. Mas as projeções mostram que a vitória não foi tá fácil quando naquela ocasião

24 de abril de 2022
15:39 - atualizado às 16:10
Presidente da França, Emmanuel Macron. - Imagem: Shutterstock

Com uma apuração mais demorada do que estamos acostumados a ver no Brasil, a França elege neste domingo (24) seu novo presidente. E, conforme indicam as pesquisas de boca de urna, Emmanuel Macron, o atual chefe do executivo, é quem levou o páreo.

Macron disputou a preferência dos eleitores com Marine Le Pen, que também foi sua adversária em 2017. Mas as projeções mostram que a vitória não foi tá fácil quando naquela ocasião. Segundo as pesquisas divulgadas pela imprensa francesa, o atual presidente garantiu de 57% a 58% dos votos.

Com isso, o político anota uma conquista que não foi alcançada por seus antecessores mais recentes: é o primeiro presidente a ser reeleito na França desde o conservador Jacques Chirac (1995-2007).

Le Pen, ao contrário de outros candidatos de extrema-direita ao redor do mundo, não deve contestar o resultado das eleições e já admitiu a derrota.

"Estamos mais determinados do que nunca”, declarou ela após conferir as pesquisas. “Nesta derrota, não posso deixar de sentir uma espécie de esperança.”

Vale lembrar que a candidata ficou famosa por seu discurso anti-União Europeia e sua propalada proximidade com Vladimir Putin, presidente da Rússia.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, também reconheceu o resultado e parabenizou Macron. "Estou ansiosa para continuar nossa excelente cooperação", diz em uma postagem no Twitter.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, também utilizou o twitter para enviar suas felicitações. "A França é um dos nossos aliados mais próximos e importantes", escreveu.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Uma repetição das eleições de 2017

Na estrada para o segundo turno, Le Pen obteve 23,1% dos votos no primeiro turno das eleições na França, realizado em 10 de abril. Ela ficou em segundo lugar em uma disputa apertada, tirando do páreo o candidato da extrema-esquerda, Jean-Luc Mélenchon. Macron foi o candidato mais votado na ocasião, com 27,8% dos votos válidos.

O confronto entre Macron e Le Pen é uma repetição da eleição de 2017. Desta vez, as pesquisas de intenção de voto vinham sugerindo que ela teria mais chances agora do que no pleito anterior. Nas últimas semanas, porém, o centrista Macron manteve a dianteira.

O fator Putin ajudou Macron

Mas, mesmo com a vitória de Macron, o avanço dos candidatos de pólos extremos na França vêm alimentando temores sobre o crescimento do sentimento anti-UE no país.

Nesse sentido, o surgimento do fator Putin como potencialmente decisivo emerge como um alívio para os defensores de posições mais moderadas.

Não é de hoje que Le Pen se diz próxima do presidente russo. Em 2017, numa entrevista à BBC, Le Pen enfatizou que suas políticas para a França eram as mesmas do ex-presidente dos EUA, Donald Trump. E de Putin.

No início de 2022, enquanto a Rússia posicionava suas forças armadas perto da fronteira com a Ucrânia, Le Pen disse que via Moscou como uma aliada da França e que não acreditava que a Rússia quisesse invadir a Ucrânia.

Entretanto, a invasão ocorreu, com ela vieram as sanções, Macron emergiu como um incansável negociador e Le Pen tentou fingir que não era com ela.

Panfletos jogados no lixo e empréstimos de bancos russos

A campanha de Le Pen chegou a imprimir - e posteriormente jogar no lixo - milhares de panfletos com uma foto da candidata cumprimentando Putin. A direção de campanha assegura que um erro tipográfico foi a causa do descarte, não a foto em si.

Anteontem, porém, o assunto voltou à tona no decisivo debate entre Macron e Le Pen às vésperas da eleição na França. “Quando você fala com a Rússia, está falando com quem paga suas contas”, disparou Macron no debate de duas horas de duração.

Em 2014, o partido de Le Pen levantou empréstimos junto a bancos russos. “Sou uma mulher completamente livre”, rebateu Le Pen. Segundo ela, os empréstimos ainda estão sendo pagos e foram tomados de bancos russos porque nenhum credor francês quis emprestar dinheiro a seu partido na ocasião.

*Com informações da CNBC

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele