2022-04-08T20:14:31-03:00
CHOVEU NESTA FESTA

Privatização da Eletrobras (ELET6) vai atrasar? Julgamento sobre estatal fica de fora da pauta do TCU

Vale relembrar que, sem o sinal verde do TCU, não há como prosseguir com a desestatização, prometida pelo governo para até 13 de maio

8 de abril de 2022
20:11 - atualizado às 20:14
Fachada da Eletrobras (ELET3) - Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

O governo estava confiante com o cronograma de desestatização da Eletrobras (ELET6), que prevê a conclusão da venda da companhia em maio. Contudo, uma novidade vinda diretamente do Tribunal de Contas da União (TCU) pode chover na festa da privatização.

A pauta de julgamento da próxima semana foi divulgada nesta sexta-feira (8) e não prevê a análise da segunda etapa do processo. Vale relembrar que, sem o sinal verde do TCU, não há como prosseguir com a privatização, prometida para até 13 de maio.

Mais cedo, fontes do governo ouvidas pelo Broadcast revelaram rumores de uma ligação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para os ministro da Corte sobre a Eletrobras. Com isso, as autoridades disseram que, se a privatização não for julgada, será um caso de interferência política.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

A estatal ainda pode entrar na pauta a qualquer momento se houver um pedido de Aroldo Ceraz, relator do processo. O ministro, porém, não estará em Brasília pelas próximas duas semanas e não deve julgar o assunto virtualmente, já que este é considerado o julgamente mais importe do ano no TCU.

Oferta secundária da Eletrobras (ELET6)

Enquanto aguarda a autorização da Corte, o governo federal já regulamentou, por meio de decreto, uma possível oferta secundária de ações da Eletrobras (ELET6) caso seja necessária para diluir o controle acionário da União durante a privatização

A possibilidade de uma segunda oferta de ações da empresa estava prevista na medida provisória, já convertida em lei, que autoriza a desestatização. 

A privatização será feita por meio de aumento de capital, que é a venda de novas ações no mercado, mas sem a participação da União, que hoje possui 51,82% das ações ordinárias. 

A expectativa é que o volume de ações adquiridas por entes privados seja suficiente para diluir essa participação.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele