O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-24T15:12:55-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
AGENDA SENSÍVEL

Autoridades dos Estados Unidos desembarcam na Ucrânia dois meses após o início da guerra; o que esperar da visita do primeiro escalão norte-americano?

O líder da Ucrânia espera que o presidente dos EUA, Joe Biden, também vá ao país e mostre seu apoio em breve

24 de abril de 2022
13:07 - atualizado às 15:12
Mulher segura um cartaz escrito em inglês Stop War em meio a manifestantes com bandeira da Ucrânia | Rússia
Mulher segura placa com os dizeres "Fim da Guerra. Ajude a Ucrânia" - Imagem: Katie Godowski/Pexels

No dia em que a guerra entre Ucrânia e Rússia completa dois meses, autoridades do primeiro escalão dos Estados Unidos visitam o território invadido por Vladimir Putin pela primeira desde o início do conflito.

Os secretários de Estado, Antony Blinken, e da Defesa, Lloyd Austin, desembarcam em Kiev neste domingo (24) para se encontrar com o presidente Volodymyr Zelensky.

Um dos tópicos a ser discutido pelos líderes é o pedido de armas mais poderosas para a resistência ucraniana. Não há mais detalhes sobre a agenda da viagem, que é considerada "altamente sensível" pelo Pentágono.

Zelensky revelou que espera que o presidente dos EUA, Joe Biden, também vá ao país e mostre seu apoio aos ucranianos "quando a segurança permitir".

A chegada de dois dos principais membros do governo Biden ao país do leste europeu também ocorre no mesmo dia em que é celebrada a Páscoa no território ortodoxo.

Em comunicado especial para o feriado, o presidente da Ucrânia declarou que as "almas" dos cidadãos estão cheias de um ódio feroz" pela invasão e ações de soldados e autoridades russas. "Não vamos deixar a raiva nos destruir por dentro", afirmou Zelensky.

A guerra na Ucrânia até agora

Os ucranianos têm poucos motivos para comemorar o feriado, pois a invasão do território completa dois meses sem perspectivas de um acordo para o fim do conflito.

Os embates entre soldades russos e ucranianos deixam um rastro de destruição e morte no país e já obrigaram milhões de cidadãos a deixarem suas casas.

As sanções não parecem amedrontar o presidente da Rússia. Putin mantém os bombardeios de longa distância e ordena a abertura de novas frentes de conflito em cidades estratégicas do leste europeu.

O último alvo de Putin foi o sul do país. Um míssil enviado a Odessa matou oito civis, incluindo um bebê, segundo informações da Ucrânia.

"Entre os mortos está uma bebê de três meses. Como ela ameaçou a Rússia? Parece que matar crianças é uma nova ideia nacional da Federação Russa", declarou Zelensky.

Outro palco dos ataques mais recentes, Mariupol abriga cerca de 100 mil civis ameaçados pelos bombardeios. A tomada da cidade portuária é essencial para os planos de Putin pois estabeleceria uma ligação terrestre entre a Crimeia, anexada pelos russos em 2014, e o leste ucraniano.

*Com informações da AFP

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

BYE BYE GOVERNO!

Privatização vem aí: conselho do PPI altera regras da capitalização da Eletrobras (ELET3); saiba por que mudou

O TCU aprovou na sessão de quarta-feira (18) o processo de privatização da companhia — a proposta do relator venceu por 7 votos a favor e 1 contra

NOVO SHAPE

Da academia pra carteira: Smart Fit (SMFT3) tem potencial de alta de 34%, diz Itaú BBA — saiba se é hora de comprar

Depois do confinamento provocado pela covid-19, a indústria fitness enfrenta agora um cenário desafiador, com inflação alta, segundo o banco de investimentos

SEM LIMITE

STF nega impor prazo a Lira para análise de pedidos de impeachment de Bolsonaro

O chefe do Executivo é alvo de mais de 140 solicitações de impedimento; entenda a decisão da corte máxima

VAI TER DISNEY?

Dólar acumula desvalorização de 12,59% frente ao real no ano — veja o que mexe com o mercado de câmbio

A moeda norte-americana teve o pior desempenho semanal em quase dois meses, quando levou um tombo de mais de 5%

SOBE E DESCE

IRB (IRBR3) lidera pelotão de altas do Ibovespa e Méliuz (CASH3) vai na direção oposta — veja o que foi destaque na bolsa na semana

Lá fora, as negociações da semana foram marcadas pela entrada do S&P 500 no chamado bear market, ou território de queda; por aqui, o principal índice da B3 acumulou ganhou de 1,46%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies