2022-02-01T09:27:46-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
VAI BRASIL!

Após lançar tokens da seleção brasileira, corretora turca de criptomoedas Bitci pretende lançar fã tokens de 5 times locais

A exchange já lançou 25 fan tokens e pretende dobrar o número até o final de 2022, com investimentos no Brasil, Espanha, Índia, e países da Ásia Central

1 de fevereiro de 2022
9:27
Confira quem são os times escolhidos pela Bitci. Imagem: Shutterstock

O mercado brasileiro de criptomoedas ganhou mais um aliado no jogo dos investimentos. A corretora Bitci, de origem turca, anunciou a intenção de abrir um escritório no Brasil e lançar uma plataforma de negociação no país em março deste ano.

“Mas quem é Bitci?”, você deve estar se perguntando. Relativamente desconhecida, a pequena corretora com sede na Turquia lançou em junho passado os fãs tokens da seleção brasileira em formato de certificados digitais, os NFTs.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Fã tokens: criptomoedas à brasileira

Em entrevista à Reuters, o CEO da Bitci, Onur Altan Tan, comentou que a parceria deve se estender para outros cinco times nacionais. Em sua conta no Twitter, Tan revelou conversas para lançar os fãs tokens do Sport Clube Recife, Fortaleza, Coritiba, Ceará e Vitória. 

Até o momento a Bitci já lançou 25 fã tokens, incluindo da seleção brasileira e espanhola, e de clubes da liga inglesa e escocesa de futebol, mas o objetivo é ter mais de 50 tokens até o final do ano.

Após lançar sua plataforma no Brasil em fevereiro, a Bitci parte para a Espanha em março. Até o final do ano, a corretora também planeja abrir escritórios na Índia, Rússia e em alguns países da Ásia Central.

Turquia X Criptomoedas

A Turquia vive um momento delicado da economia e já baixou diversas leis para proibir a negociação de criptomoedas. O país já proibiu a atuação de exchanges como a Binance, a maior corretora de ativos digitais do mundo, em seu território. 

Os fã tokens são criptomoedas que uniram o mundo dos esportes ao universo dos ativos digitais. Algumas delas permitem que o investidor-torcedor tenha poder na escolha de camisas, preferência na compra de ingressos e, até mesmo, “dividendos” na negociação de jogadores. 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele