🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-05-26T17:03:34-03:00
Guilherme Valle
FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar volta a ser negociado abaixo dos R$ 4,80. Euro também recua e vale R$ 5,10; confira o que movimentou o câmbio nesta quinta-feira

As preocupações com os rumos da economia mundial continuam a ser tema das conversas entre investidores

26 de maio de 2022
17:03
dólar e euro
O dólar perdeu força ante seus pares nesta quinta-feira - Imagem: Shutterstock

Nesta quinta-feira (26), o dólar registrou recuo de 1,23% e vale R$ 4,7614. O euro, seguiu o mesmo caminho e vale R$ 5,1058, desvalorização de 0,80%.

Na comparação entre as duas moedas, o euro ganhou força durante as negociações, fruto da expectativa de que o Federal Reserve se veja obrigado a aumentar o juro com mais cautela, evitando um impacto muito grande na atividade econômica.

O que mexe com o câmbio por aqui

No Brasil, a questão fiscal é assunto frequente nas conversas entre investidores. Duas novidades chamam a atenção nesta frente: a aprovação, pela Câmara, do projeto de lei que fixa um teto de 17% para o ICMS sobre combustíveis e energia elétrica. Se aprovada no Senado e sancionada pela presidência, a lei deve obrigar a União a ressarcir os Estados da federação quando for detectada uma queda superior a 5% na arrecadação do tributo.

Ainda neste tema, a Receita Federal divulgou hoje a arrecadação com impostos e contribuições federais no mês de abril. O resultado, recorde para o período, foi uma arrecadação de R$ 195 bilhões e representa um avanço real de quase 11% na comparação com abril de 2021. Os principais destaques foram o IRPJ e a CSLL, que registraram crescimento superior a 20%.

O setor da construção civil também trouxe novidades. A FGV divulgou o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M), que registrou aceleração ao sair de 0,87% em abril para 1,49% em maio. Contudo, se olharmos para o acumulado nos últimos 12 meses, o índice registra desaceleração — de 11,54% para 11,20%.

Durante o dia, o dólar operou no intervalo entre R$ 4,8439 e R$ 4,7514. Já o euro registrou máxima de R$ 5,1814 e mínima de R$ 5,0949

E lá fora

A agência de classificação de risco Moody's acredita em um crescimento, para as economias desenvolvidas, de 2,6% em 2022. Para os emergentes, a expectativa é de um crescimento mais robusto, de 3,8%.

A revisão para baixo nos números, que estavam em 3,2% e 4,2%, respectivamente, se explica principalmente pela escalada do conflito entre Rússia e Ucrânia e por uma desaceleração mais forte do que se esperava para a economia chinesa.

Mesmo assim, não há previsão de recessão para as economias do G20, exceção feita à Rússia.

Quem não está tão otimista assim é o presidente do Banco Mundial, David Malpass, que afirmou nesta quinta-feira, 25, que a guerra na Ucrânia aumenta o risco de uma recessão mundial, principalmente por pressionar os preços de energia e alimentos. Para Malpass, enquanto os Estados Unidos, Europa e China devem sofrer com um crescimento mais lento, Ucrânia e Rússia devem enfrentar contrações.

E por falar em Rússia, o Banco Central do país decidiu cortar sua taxa básica de juros em uma tentativa de conter o avanço do rublo e assim preservar a economia doméstica. A redução é de 3,0 p.p e leva o juro que era de 14% para os 11%.

Nos Estados Unidos, foi divulgada a segunda estimativa para o PIB do primeiro trimestre deste ano. O indicador revelou que a economia norte-americana encolheu 1,5% no período, na primeira estimativa a queda havia sido ligeiramente menor, de 1,4%.

O PCE, índice de preços de gastos com consumo, medida utilizada pelo Federal Reserve na definição de sua política monetária, também foi divulgado. O indicador confirmou a primeira prévia, que apontava um avanço de 7% nos preços no primeiro trimestre deste ano.

Outra novidade nos Estados Unidos foi a divulgação do número de pedidos de auxílio-desemprego. A soma dos pedidos até o dia 21 de maio, chegou a 210 mil, redução de 8 mil na comparação com a semana anterior.

Neste cenário, o DXY, índice que compara o dólar a outras moedas, com especial ênfase para o euro, registrou recuo. Indicando que o dólar perdeu força na comparação com seus pares.

Acompanhe a nossa cobertura completa de mercados para acompanhar o desempenho de bolsa, dólar e juros hoje. Confira também o fechamento dos principais contratos de DI:

CÓDIGONOME ULT  FEC 
DI1F23DI jan/2313,35%13,43%
DI1F25DI Jan/2512,08%12,29%
DI1F26DI Jan/2611,90%12,10%
DI1F27DI Jan/2711,91%12,09%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Entre 65 e 380 eu compro

7 de julho de 2022

“O que vai acontecer com X?”. É uma pergunta errada e perigosa, que nem sequer deve ser formulada em decisões de investimento; entenda

OS SOBREVIVENTES

Putin vê mais um primeiro-ministro britânico cair, mas ainda precisa comer muita farinha antes de alcançar a rainha Elizabeth II

7 de julho de 2022

Boris Johnson é o quinto primeiro-ministro a cair com Putin na presidência da Rússia, mas a monarca britânica já viu muito mais que isso

FINO EQUILÍBRIO

Bitcoin (BTC) tenta começar o segundo semestre com o pé direito e criptomoedas acumulam altas na semana; confira oportunidades

7 de julho de 2022

Na semana, a maior criptomoeda do planeta acumula avanço de mais de 8%, mas investidores continuam à espera de um milagre

REESTRUTURAÇÃO

TIM anuncia plano de transformação: confira se as mudanças vão atingir os negócios da TIM Brasil (TIMS3)

7 de julho de 2022

A reestruturação tem o objetivo de reduzir a dívida da operadora na Itália; as operações no Brasil não serão afetadas, de acordo com a TIM

RECONECTANDO

Após três semanas fora do ar, Binance volta a negociar criptomoedas em reais; problemas com BC serão resolvidos com nova parceira?

7 de julho de 2022

Em nota enviada à reportagem, a exchange afirma que “atua em total acordo com o cenário regulatório do Brasil”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies