Menu
2021-01-06T18:57:22-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
estimativa

Pátria pode chegar à Nasdaq valendo US$ 1,6 bilhão, diz BTG Pactual

Sem avaliar qualitativamente a operação, BTG Pactual afirma que companhia aproveita crescimento de investimentos alternativos no país

6 de janeiro de 2021
15:43 - atualizado às 18:57
IPO
Imagem: Shutterstock

Uma das principais gestora de ativos do País e da América Latina, o Pátria Investimentos vai abrir seu capital nos Estados Unidos, e o BTG Pactual acredita que ela pode chegar ao mercado avaliada entre US$ 1 bilhão e US$ 1,6 bilhão.

Com US$ 13 bilhões em ativos sob gestão, em áreas como private equity, infraestrutura e agronegócio, a gestora entrou com um pedido de oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) em 30 de dezembro na SEC, a comissão de valores mobiliários dos Estados Unidos.

O documento não traz detalhes sobre quanto a companhia pretende levantar, a destinação que pretende dar aos recursos ou se acionistas irão vender participação.

Uma das poucas informações que ele traz é que os recursos serão utilizados para investir em fundos próprios e expandir as operações via aquisições de outras gestoras e portfólios. As ações serão listadas na Nasdaq, com o símbolo “PAX”.

Para chegar ao valor estimado do Pátria, os analistas Eduardo Rosman e Thomas Peredo consideraram os múltiplos em que seus principais pares, a Blackstone (que detém uma participação de 40% na gestora brasileira) e a Carlyle, são negociados, além dos resultados anualizados de 2020.

No acumulado de 2020 até setembro, o Pátria registrou um lucro de cerca de US$ 45 milhões. Quando anualizado, ele alcança US$ 60 milhões, ficando praticamente estável em relação ao registrado em 2019, mas sobe 30% quando convertido para real, de acordo com o BTG Pactual.

Quem é Pátria?

O Pátria foi fundado em 1988. Ele se chamava anteriormente Patrimônio Planejamento Financeiro e atuava como assessor financeiro e de operações de fusões e aquisições, em parceria com a americana Salomon Brothers.

Ele acabou sendo rebatizado com o nome atual em 2003, depois de formar o negócio de private equity, vender o banco de investimentos fundado em 1994 e entrar na parte de real estate.

Ao longo de 32 anos de história, o Pátria já investiu mais de US$ 17 bilhões em mais de 90 empresas e ativos. Entre as empresas em que possui participação estão a rede de academias BioRitmo e a rede de laboratórios Alliar (AALR3).

No ano passado, em parceria com o fundo soberano de Cingapura, o Pátria venceu a disputa pela maior concessão do país até hoje, o corredor rodoviário Piracicaba-Panorama, em São Paulo, conhecido por Pipa.

Ventos favoráveis

Informando que o banco não está envolvido na operação e que o relatório não visa oferecer qualquer tipo de recomendação a respeito do IPO, os analistas citaram que o atual momento do país, com juros baixos e desintermediação financeira, é favorável ao Pátria, ao estimular aumento das alocações em fundos de private equity.

Eles citam dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) de que o volume de ativos sob gestão de private equities cresceu cerca de 23% ao ano nos últimos dez anos, alcançando R$ 625 bilhões em 2019.

“Nós vemos bastante espaço para o crescimento de investimentos no Brasil, e com mais dinheiro indo a nomes independentes (excluindo bancos) como o Pátria, existe forte impulso para que investimentos alternativos também cresçam”, diz trecho do relatório.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

pandemia

Brasil registra 1.340 mortes por covid-19 em 24h

Resultado ficou atrás apenas do dia 7 de janeiro, quando foram confirmadas 1.524 novos falecimentos

seu dinheiro na sua noite

Tudo caiu – até o forward guidance

Os mercados domésticos ficaram hoje divididos sob a influência de acontecimentos distintos, o que resultou em um comportamento geral incomum: tudo caiu. O Ibovespa perdeu o patamar dos 120 mil pontos e fechou em queda, na contramão das bolsas americanas, animadas pela posse do novo presidente Joe Biden e a nova fornada de estímulos fiscais […]

Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

taxa básica

BC mantém Selic em 2% ao ano, mas retira o ‘forward guidance’

Bolsa pode ter realização de lucros nesta quinta com derrubada de prescrição, diz especialista; decisão de hoje acontece em meio à alta dos preços das commodities e à valorização do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies