Menu
2021-04-23T17:56:55-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Paraíso dos criptos

Como um estado norte-americano virou a terra prometida do bitcoin

As leis amigáveis de um território no oeste dos EUA têm atraído investidores e empresas ligadas às moedas digitais

23 de abril de 2021
17:56
Bitcoin
Imagem: Shutterstock

A economia do Wyoming, estado menos populoso dos Estados Unidos, é movida por algumas das indústrias mais tradicionais da história humana, como a mineração, agricultura, turismo e… criptomoedas

Não, você não leu errado. Graças a uma série de novas leis favoráveis a moedas digitais, o território do oeste americano se destacou entre os fãs e usuários do sistema blockchain, responsável pela mineração dos criptoativos.

A mudança na jurisdição está levando até mesmo grandes empresas do meio, como a corretora Kraken e a plataforma Cardano, a abandonarem o tradicional reduto tecnológico no Vale do Silício pelas planícies de Cheyenne, a capital do estado.

Quando o juridiquês se une aos criptos

Mas o que a lei do oeste tem de tão diferente afinal? A resposta está em legislações criadas entre 2018 e 2019 que esclarecem o tratamento dado aos ativos digitais pela lei comercial.

A mudança criou uma base legal para uma prática conhecida como “contratos inteligentes”, transações automaticamente executadas por códigos de computadores na blockchain.

Além disso, o movimento também facilitou a formação de empresas por meio das quais investidores de outros locais podem armazenar seus ativos digitais no estado para propósitos legais. 

Por fim, os bancos do Wyoming também passaram a poder custodiar criptos sob uma estrutura legal única que permite a investidores institucionais a manutenção da posse direta das moedas digitais através das financeiras.

Olhos no futuro

O motivo por trás da mudança que atraiu tantos entusiastas do bitcoin e companhia é o desejo de diversificar a economia do estado. É o que conta o senador do Wyoming, Chris Rothfuss, que também preside o comitê de blockchain da câmara, em entrevista ao MarketWatch.

“Produzimos bastante carvão, óleo e gás e esses produtos já não tem mais os futuros brilhantes que possuíam no passado. Nós estamos em busca de oportunidades para trazer tecnologias avançadas e emergentes para cá”, declarou.

Segundo o democrata, a mudança nas leis não foi apenas um desejo dos congressistas, mas também dos moradores e empreendedores locais que precisaram deixar o estado em busca de oportunidades melhores em outras partes do país.

Entre esses exilados estava Caitlin Long, fundadora e CEO do Avanti Bank & Trust, uma empresa que presta serviços de custódia para investidores institucionais de criptomoedas. Com duas décadas de experiência em Wall Street, a empresária largou a bolsa em 2016 e tornou-se voluntária da força-tarefa de Blockchain em seu estado natal.

*Com informações do site MarketWatch

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies