Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-14T08:23:23-03:00
Larissa Vitória
Discutindo a relação

Warren Buffett anda traindo o value investing? Entenda porque aporte no Nubank gera dúvidas

Depois do investimento na fintech, mercado começa a rever não só a imagem do bilionário, mas também o próprio conceito que se aplica a empresas mais sólidas

14 de julho de 2021
6:02 - atualizado às 8:23
Warren Buffett Cartão NuBank
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Apesar de alguns negarem veementemente, é difícil encontrar quem não fique interessado quando o assunto é traição. Seja aquela fofoca sobre o parente que anda com a cabeça mais pesada, o vizinho que jogou os pertences do cônjuge pela janela ou aquele casal de famosos que se separou de repente, a repercussão é grande.

Não à toa, a Guerra de Troia supostamente começou com uma pulada de cerca de Helena de Esparta e um dos grandes mistérios da literatura brasileira também está relacionado ao assunto. Afinal, Capitu traiu ou não traiu Bentinho?

Funcionando como uma espécie de microcosmo do mundo em que vivemos, o mercado de capitais também não deixa de ser afetado por traições. Sem o aspecto amoroso, os embustes financeiros não atraem tantas manchetes, mas nem por isso são menos sórdidos.

O caso que discutiremos nesta matéria, por exemplo, tem todo o necessário a uma trama digna de nota: uma relação que já dura cerca de 70 anos é subitamente abalada pela chegada de um elemento muito mais jovem e moderno à jogada.

Poderia ser o enredo de uma novela, mas na verdade trata-se apenas de um aporte financeiro. Há pouco mais de um mês, quando o Nubank anunciou que havia recebido um investimento de US$ 500 milhões da Berkshire Hathaway, empresa de Warren Buffett, o rumor começou a circular.

Estaria o megainvestidor, conhecido por seu casamento duradouro com o value investing e sua aversão a empresas de tecnologia, traindo a filosofia de investimentos criada por seu mentor, Benjamin Graham?

Conversei com dois especialistas para me ajudar a trazer a resposta para essa pergunta, mas, antes de chegarmos a um veredito, é importante saber o que é o value investing e porque essa estratégia costuma entrar em rota de colisão com as empresas de tecnologia.

Esse tal de value investing

O tema é complexo e já rendeu diversos livros e aulas, mas, em linhas gerais, o value investing é uma estratégia que aposta no potencial de valor das empresas a longo prazo em detrimento de seu preço ou volume de transações atual.

O objetivo, como explica o empresário e economista Norberto Zaiet, sócio-fundador da gestora Picea Value Investors, é encontrar companhias com preços “baratos” em relação a seu valor intrínseco. “A grande arte no value investing é buscar oportunidades geradoras de caixa que encontram-se negligenciadas pelo mercado”.

E, para encontrar o ouro escondido, não existe fórmula secreta: é preciso esmiuçar os balanços e colocar em prática os ensinamentos de análise de ações.

Hoje em dia, com as informações a um clique de distância, essa tarefa não é mais tão difícil. Mas, como conta Richard Camargo, analista da Empiricus, na época em que começou a construir seu gigantesco patrimônio, Warren Buffett costumava ir pessoalmente às empresas para conseguir os dados necessários.

Na volta para casa, com o caderno de anotações cheio de informações valiosas, o mago de Omaha se debruçava sobre os cálculos e escolhia suas companhias vencedoras.

E a tecnologia?

Agora que você já conhece um pouco mais sobre a estratégia, é hora de entender porque o value investing não costuma cair bem quando falamos de empresas de tecnologia.

“O value investing está muito ligado a encontrar oportunidades de investimento que são, normalmente, geradoras de caixa. Quando falamos de tecnologia, o que acontece muitas vezes é que essas companhias não têm uma geração de caixa ou, na verdade, estão queimando dinheiro para crescer”, explica Norberto Zaiet.

Além disso, os múltiplos do setor, como o que relaciona preço e lucro, costumam ser elevados, tornando as empresas mais “caras” do que os value investors normalmente consideram razoável.

Segundo o economista, quem investe em ações de tecnologia paga um preço mais alto pela expectativa de crescimento do negócio e pelos chamados ativos “intangíveis”, ou seja, que não existem fisicamente.

O valor da marca, da carteira de clientes, do software desenvolvido e da inovação trazida para o setor são exemplos de itens que não são facilmente incorporados aos cálculos.

“Avaliar qualquer empresa é um exercício de fé. Colocamos premissas para o futuro sem certezas do que irá acontecer. Para a tecnologia, a diferença é que você tem que ser um pouco mais criativo”, aponta Richard Camargo.

Traiu ou não traiu?

O Nubank, por exemplo, candidato a pivô da separação entre Warren Buffett e o value investor, está cheio de intangíveis em seu balanço.

A fintech bateu os 40 milhões de clientes em junho deste ano e sua marca está cada vez mais presente nas finanças dos brasileiros.

Contudo, a empresa operou no vermelho desde sua fundação, em 2013, e registrou seu primeiro resultado positivo apenas no primeiro trimestre de 2021 - um modesto lucro de R$ 6,8 milhões.

Por isso, quando a fintech anunciou o investimento da empresa do mago de Omaha, a pulga se instalou atrás da orelha do mercado financeiro.

Antes disso, a companhia também havia enviado um cheque de US$ 250 milhões para a oferta pública inicial (IPO, da sigla em inglês) da Snowflake, uma empresa norte-americana de armazenamento de dados.

“Quem compra as ações da Berkshire Hathaway pensa que está investindo em value investing, e não em um portfólio de crescimento”, argumenta Zaiet.

O economista, porém, não acredita em traição. “O value investing é uma teoria que não ficou parada no tempo. Atualmente, não só para as empresas de tecnologia, mas em qualquer setor da economia, os intangíveis começam a ter mais valor e a estratégia está se adaptando para acompanhar essa evolução”.

Passando a peteca

Além disso, com Warren Buffett acumulando nove décadas de vida e seu braço-direito na empresa, Charlie Munger, batendo a marca dos 97 anos, a geração mais ortodoxa de value investors pode estar caminhando a passos largos para a aposentadoria.

Na última reunião anual da empresa, em maio, o megainvestidor confirmou que já havia escolhido um provável sucessor para o cargo de CEO da Berkshire. Apesar de não dar indícios de quando pretende deixar a empresa, ele revelou que Greg Abel é seu herdeiro presuntivo.

Não podemos dizer com certeza o que acontece quando fecham-se as portas das reuniões sobre novos investimentos, mas é razoável imaginar que a voz da nova geração de comandantes tenha cada vez mais peso nas decisões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mais uma empreitada

Do espaço para as fazendas: Elon Musk consegue licença para oferecer internet via satélite no Reino Unido

A Starlink, segundo informações do jornal Telegraph, quer chegar a regiões onde a cobertura por fibra e 5G não alcançam, e tem planos mais ambiciosos

Leão faminto

Carga pesada: Impostômetro atinge a marca de R$ 1,5 trilhão

Monitoramento da Associação Comercial de São Paulo mostra que, no ano passado, marca foi atingida somente no dia 28 de setembro

Muita calma nessa hora

Tem Vale Gás? Petrobras diz que não há definição sobre participação em programas sociais

Manifestação vem depois que o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que a estatal tem R$ 3 bilhões em reservas para custear ajuda

Clube do Livro

Batalhas sem arma: Em “Cripto Wars”, Jim Rickards explica guerras cambiais e agora, com criptomoedas

Autor, conhecido também por suas previsões certeiras sobre o bitcoin, fala de como a tecnologia mudou as estratégias financeiras dos países

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies