Menu
2021-04-14T12:11:42-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
decolagem interrompida

Apertem os cintos: recuperação da Gol será mais turbulenta que o esperado

Companhia reduz projeções para receita no primeiro trimestre, dizendo que retomada dependerá de ritmo da vacinação

14 de abril de 2021
12:11
gol
Gol Linhas Aéreas - Imagem: Shutterstock

Quem esperava que a recuperação das companhias aéreas decolasse em 2021, depois da recuperação que elas engataram no final de 2020, percebeu que o poço que a covid-19 cavou é bem mais profundo e difícil de sair.

A segunda onda atrapalhou os planos de retomada, e a perspectiva agora é de mais um ano de dificuldades, cuja superação dependerá do ritmo de vacinação contra o novo coronavírus.

A própria Gol (GOLL4) admitiu a situação na terça-feira (13), quando informou que a crise ainda é severa e que a recuperação ocorrerá num ritmo mais lento que o esperado.

“Tendo em vista que o número de casos de covid-19 no Brasil está em patamares elevados, a administração da Gol continua considerando cenários de recuperação mais conservadores, mantendo iniciativas para redução de custos, preservar equilíbrio do fluxo de caixa e adequação da oferta aos níveis reduzidos de demanda”, diz trecho de comunicado da empresa.

Para enfrentar este cenário de incerteza, a empresa informou que tem liquidez suficiente para administrar e financiar seu capital de giro, despesas e serviços da dívida “nos próximos meses, período de maior impacto no seu fluxo de caixa”, por coincidir com a baixa temporada.

Primeiro trimestre ainda difícil

Por conta da segunda onda de contaminações, que atingiu em cheio o país em março, a Gol registrou uma queda de 25% na busca por passagens aéreas em relação a fevereiro. O volume de vendas diárias caiu 40% durante o mês, levando a empresa a fechar o mês com uma receita bruta consolidada de R$ 300 milhões, queda de 37% na comparação mensal.

A situação resultou numa revisão negativa de algumas projeções para o primeiro trimestre, em relação ao que foi divulgado pela própria Gol no quarto trimestre.

Diante do novo cenário de demanda, a expectativa para a receita líquida no trimestre até março é de R$ 1,6 bilhão, ligeiramente abaixo dos R$ 1,7 bilhão informados inicialmente. O prejuízo por ação deve ser de aproximadamente R$ 2,35.

A receita unitária de passageiro deve ser 12% inferior ao registrado no mesmo período de 2020, enquanto a receita unitária deve ser 9% menor.

A Gol divulgou ainda dados novos, como da margem para o resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês), ajustada para excluir despesas não operacionais e não recorrentes. A expectativa é de que ela fique entre 20% e 22%, uma redução em relação aos 46% do mesmo período de 2020.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

cardápio de balanços

Itaúsa e BTG: os balanços que mexem com o mercado nesta terça

Resultados são do primeiro trimestre de 2021, período ainda marcado pela incerteza por conta da pandemia de covid-19; veja os destaques

AGORA A SEMANA COMEÇA

Ata do Copom, IPCA e expectativa com balanços devem ditar o rumo do pregão

Aversão ao risco no exterior e cena política agitada recomendam cautela

Coronavírus no Brasil

Brasil tem 423,2 mil mortes e 15,2 milhões de casos de covid-19

Ainda há 3.744 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada mesmo após a declaração do óbito

na b3

Leilão de aeroportos regionais de SP terá como destaque bloco de Ribeirão Preto

Segundo o governo, dos 22 aeroportos, seis já contam com serviços de aviação comercial regular e 13 têm potencial de desenvolvimento de novas rotas regulares durante a concessão

IR 2021

Imposto de renda: Posso declarar um plano de saúde internacional como gasto dedutível?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies