Menu
2021-06-07T19:14:51-03:00
Renato Carvalho
Saúde

Na corrida das aquisições, NotreDame Intermédica paga mais de R$ 1 bi pelo Centro Clínico Gaúcho

Em mais um capítulo da corrida do crescimento no setor de saúde suplementar, empresa ganha força no Rio Grande do Sul, especialmente em Porto Alegre

7 de junho de 2021
11:46 - atualizado às 19:14
ccg saúde
Imagem: Reprodução

O momento é realmente muito interessante para quem acompanha e, mais do que isso, investe em empresas do segmento de saúde suplementar. Hoje é a vez de o Grupo NotreDame Intermédica fazer sua parte para agitar o noticiário.

A empresa anunciou a compra do Centro Clínico Gaúcho (CCG), que atua na região metropolitana de Porto Alegre, por R$ 1,06 bilhão, à vista em dinheiro. O movimento vem depois que três empresas fecharam quatro aquisições em um único dia, na semana passada.

As ações da NotreDame Intermédica (GNDI3) reagiram com moderação ao anúncio, fechando com alta de 0,70%, a R$ 86,70.

Segundo as informações da companhia, o CCG, que tem entre seus investidores o fundo de private equity Kinea, é um dos principais operadores de serviços verticalizados de saúde do Rio Grande do Sul. Ou seja, oferece desde planos até serviços hospitalares.

A companhia tem cerca de 175 mil beneficiários em planos de saúde, dos quais 80% via parcerias corporativas. Este ano, o CCG inaugurou o Hospital Humaniza, em Porto Alegre, com 110 leitos, e potencial de expansão para 220 leitos.

O CCG conta ainda com 4,7 mil beneficiários de planos odontológicos, 20 centro clínicos e 13 unidades de coleta de análises clínicas, com a marca Laboratório Marques D’Almeida.

A companhia registrou faturamento líquido consolidado de R$ 371 milhões em 2020, com sinistralidade caixa (fator de utilização dos planos pelos usuários) de 70,3%.

Além dos números, a Intermédica destaca principalmente o seu posicionamento no mercado gaúcho de saúde. A participação da empresa na região de Porto Alegre vai chegar em 13,6% após a aquisição.

Na visão de Vitor Pini, analista de saúde da XP, o movimento da empresa é positivo não só pela expansão geográfica, mas também pelo preço da aquisição.

“Os resultados de curto prazo devem continuar pressionados pela sinistralidade mais alta, mas continuamos otimistas sobre as perspectivas de crescimento da empresa com maior consolidação do mercado de forma orgânica e inorgânica”, afirma Pini.

Para Leo Monteiro, analista de research da Ativa Investimentos, a aquisição vai permitir a expansão em um mercado importante como o de Porto Alegre, sem elevar de forma significativa o nível de endividamento da NotreDame Intermédica, com a relação dívida líquida/Ebitda passando para 0,93 vez.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies