Menu
2021-01-05T19:21:10-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
EXPANDINDO

Creditas compra plataforma digital focada em crédito imobiliário

Aquisição da Bcredi, por valor não informado, visa potencializar atuação da fintech no mercado de empréstimos

5 de janeiro de 2021
12:58 - atualizado às 19:21
sergio-furio
Sergio Furio é CEO da Creditas, que acaba de receber um aporte do Softbank - Imagem: Divulgação

Após uma rodada de investimentos de US$ 255 milhões, ocorrida no final do ano passado, a fintech Creditas iniciou 2021 anunciando a aquisição da Bcredi, uma plataforma digital focada em crédito imobiliário. O valor da transação não foi divulgado.

Fundada em 2017 por Maria Teresa Fornea Caron, a Tete, a Bcredi é especializada produtos empréstimo com garantia de imóvel e financiamento imobiliário. A Creditas iniciou sua trajetória no mercado atuando nesta área, de home equity.

“Agora com a Bcredi, vamos acelerar ainda mais e avançar na criação de um ecossistema imobiliário tanto para os clientes da Creditas quanto para empresas que querem oferecer nosso produto para o consumidor brasileiro”, diz trecho do comunicado.

Com o acordo, Tete assume a vice-presidência da parte de crédito imobiliário, consolidando a parte de home equity da Creditas com o negócio imobiliário da Bcredi. Viviane Sales, que ocupava esse cargo até então, assume a área chamada “Creditas @work”, que agrupa os produtos de benefícios para empresas parceiras.

O acerto prevê ainda que o Banco Bari, atual sócio e cofundador, venderá sua participação na fintech e que o fundo de investimento brasileiro eBricks – agora chamado Igah Ventures – vai se tornar acionista da Creditas.

Valendo US$ 1,75 bilhão

No final do ano passado, a Creditas anunciou o fechamento de uma nova rodada de investimento de US$ 255 milhões, que acabou avaliando a fintech em R$ 1,75 bilhão.

Chamada Series-E, a rodada trouxe novos sócios internacionais, como a Advent International, e contou com a participação de parceiros atuais, caso do SoftBank.

À época, a empresa divulgou que o novo capital ajudará a ampliar a oferta de produtos em três frentes:

  • fintech, com serviços financeiros e produtos de baixo custo;
  • consumer solutions, com oferta de produtos financeiros para os segmentos de imóveis, veículos e salários, e;
  • México, país em que a Creditas começou a operar em julho do ano passado.

Fundada em 2012 por Sergio Furio, a Creditas registrou no acumulado de nove meses até o final de setembro de 2020 um portfólio de crédito de R$ 1,04 bilhão, crescimento de 94,5% em relação aos R$ 534,7 milhões do mesmo período de 2019. A receita, na mesma base de comparação, dobrou, para R$ 232,1 milhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

decisão judicial

Justiça ordena religação de internet do governo do RJ; Oi alega inadimplência

Empresa acusa o governo do Estado de ter uma dívida com a empresa desde 2017 – hoje ela está em R$ 300 milhões

promessa de ipo

Locaweb compra ConnectPlug por R$ 18 milhões e avança em segmento de alimentação

Empresa comprada começou em food services mas hoje também atende outros segmentos, com foco em pequenas e médias empresas

seu dinheiro na sua noite

Mais fácil falar que fazer

Hoje foi um daqueles dias em que as falas dos detentores do poder no cenário doméstico até repercutiram no mercado, mas foram sobrepostas pelos fatos e pelo que aconteceu no exterior. O mercado local começou o dia animado com as apresentações do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, no badalado evento […]

perspectivas

Para Verde e SPX, auxílio emergencial por mais três meses não é preocupante

Luis Stuhlberger e Rogério Xavier dizem que a medida pode ser necessária, caso a vacinação demore demais; ambos veem 2021 positivo para os mercados

FECHAMENTO

Aceno liberal do governo não convence e bolsa fecha o dia no vermelho; na contramão, dólar cai mais de 3%

Em evento do Credit Suisse, Bolsonaro e Guedes reafirmaram o compromisso com o andamento das reformas e das privatizações, mas o mercado espera ações mais concretas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies