Menu
2021-01-08T18:10:23-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
BOAS NOTÍCIAS

Produção industrial tem sétimo mês de alta, crescendo 1,2% em novembro

Resultado vem dentro do esperado pelo mercado, com setor acumulando expansão de 40,7% desde maio de 2020

8 de janeiro de 2021
9:51 - atualizado às 18:10
Produção de Automóveis
Fábrica da Mercedez-Bens em Iracemápolis, SP - Imagem: Epitácio Pessoa/Estadão Conteúdo

A produção industrial registrou crescimento pelo sétimo mês consecutivo, expandindo 1,2% em novembro, na comparação com outubro, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (8) pelo IBGE.

O resultado veio dentro das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde uma queda de 0,56% até crescimento de 2,80%, com mediana positiva de 1,3%.

De acordo com o IBGE, após sete meses de alta, o setor acumulou crescimento de 40,7%, eliminando a perda de 27,1% registrada entre março e abril, quando o agravamento das medidas de isolamento social levou a produção ao nível mais baixo da série histórica.

“Com esses resultados, o setor industrial se encontra 2,6% acima do patamar de fevereiro”, diz trecho do comunicado.

Em relação a novembro de 2019, a indústria avançou 2,8%. Com isso, o setor acumula perda de 5,5% no ano e queda de 5,2% em 12 meses.

Por setores

O avanço de 1,2% da produção industrial entre outubro e novembro alcançou todas as quatro grandes categorias econômicas e 17 dos 26 ramos pesquisados, segundo o IBGE.

O destaque de novembro foi o grupo Veículos automotores, reboques e carrocerias, cuja produção aumentou 11,1%. Com este desempenho, ele acumulou alta de 1.203,2% em sete meses consecutivos de crescimento na produção, superando em 0,7% o patamar de fevereiro. 

Outras contribuições positivas relevantes para a indústria vieram dos segmentos:

  • Outros produtos químicos (5,9%);
  • Confecção de artigos do vestuário e acessórios (11,3%);
  • Máquinas e equipamentos (4,1%);
  • Impressão e reprodução de gravações (42,9%);
  • Couro, artigos para viagem e calçados (7,9%);
  • Bebidas (3,1%);
  • Produtos de metal (3,0%);
  • Outros equipamentos de transporte (12,8%) e;
  • Metalurgia (1,6%)

Por outro lado, entre as nove atividades que tiveram queda, o principal impacto negativo em novembro veio de Produtos alimentícios (-3,1%), que acumula redução de 5,9% em dois meses de queda, eliminando a alta de 4,0% registrada entre julho e setembro.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies