Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-04-13T13:50:05-03:00
Estadão Conteúdo
Vilões da inflação

Preços dos combustíveis pressionam todas as faixas de renda em março, diz Ipea

Além da alta de 11,2% nos combustíveis, o reajuste nas passagens de ônibus e trens também pesou para as famílias mais pobres

13 de abril de 2021
13:48 - atualizado às 13:50
Combustível
Combustível mercados - Imagem: Shutterstock

Os preços dos combustíveis exerceram a maior pressão sobre o orçamento das famílias em março, quando houve aceleração nas taxas de inflação para todas as faixas de renda. No acumulado em 12 meses, no entanto, a taxa segue sendo superior para as famílias mais pobres, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Nesse segmento de renda, a inflação acumulou 7,2% em 12 meses, bem acima dos 4,7% observados entre a população mais rica. Contudo, no acumulado do ano até março, a taxa para o segundo grupo ficou em 2,3% - superior à apontada pela classe mais baixa, de 1,6% - repercutindo a desaceleração dos alimentos e a alta dos combustíveis.

O indicador separa entre seis faixas de renda familiar as variações de preços medidas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Os grupos vão desde uma renda familiar de até R$ 1.650,50 por mês,  para a faixa com renda muito baixa, até valores acima de R$ 16.509,66, no caso da renda mais alta.

Os dados do Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostram ainda que, na passagem de fevereiro para março, as maiores variações foram registradas nos segmentos de renda média, com 1,09%, e renda média-alta, de 1,08%. Já as famílias de renda muito baixa e baixa apresentaram o menor aumento inflacionário, com taxas de 0,71% e 0,85%, ante 0,67% e 0,80% em fevereiro.

Outras despesas também puxam alta

O grupo transportes pesa mais para os mais pobres, pois, além dos combustíveis 11,2% mais caros, houve reajustes de 0,11% na passagem de ônibus e de 1,84% do trem, destaca o Ipea.

Na faixa de renda mais elevada, a inflação percebida saiu de 0,98% em fevereiro para 1,00% em março. Para o grupo, "as deflações das passagens aéreas (-2,0%) e dos aplicativos de transporte (-3,4%) atenuaram o aumento dos combustíveis", explicou a técnica do Ipea Maria Andréia Parente Lameiras, na Carta de Conjuntura que trata do indicador, divulgada nesta terça-feira, 13.

Por outro lado, o reajuste de 0,89% da alimentação fora do domicílio explica a pressão exercida pelo grupo de alimentos e bebidas. "Deve-se ressaltar, no entanto, que, mesmo diante desse aumento dos serviços de alimentação, o desempenho dos alimentos no domicílio, que registrou, no IPCA, a primeira desaceleração (-0,17%) desde outubro de 2019, voltou a impedir um aumento ainda maior das taxas de inflação em março", diz a carta.

Em relação aos demais grupos, a segunda maior contribuição à alta da inflação das famílias mais pobres veio da habitação, repercutindo os aumentos de 5,0% do botijão de gás, 1,1% dos artigos de limpeza e 0,76% da energia elétrica. 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin (BTC) se aproxima das máximas históricas após estreia do primeiro ETF em criptomoeda nos EUA; acompanhe

Nos primeiros minutos de negociação, o ETF da ProShares movimentou cerca de US$ 280 milhões de acordo com o analista de fundos de índice da Bloomberg

NA ESTEIRA DA VACINA

Beneficiada por venda de imunizante contra covid-19, Johnson & Johnson lucra mais que o esperado no 3º trimestre

Depois dos grandes bancos, agora é a vez de a J&J surpreender positivamente o mercado, impulsionada por sua divisão farmacêutica

MERCADOS HOJE

Auxílio emergencial ‘turbinado’ e fora do teto pesa e faz Ibovespa perder os 113 mil pontos; dólar avança mesmo com leilão do BC

A agenda local está esvaziada neste início de semana, mas os investidores aguardam ansiosamente por um desfecho para a PEC dos precatórios.

RadioCash

Com cenário macroeconômico instável, não dá pra ser Warren Buffet no Brasil, diz Paolo Di Sora, fundador da RPS Capital

Para o megainvestidor e CEO da Berkshire Hathaway, que compra ações de empresas na maior economia do mundo, é fácil se concentrar na análise microeconômica. Já o investidor brasileiro, por sua vez, está sempre sujeito a instabilidades e crises domésticas

A REFORMULAÇÃO CONTINUA

Em busca de recuperar a credibilidade, IRB anuncia novo CFO

Willy Otto Jordan Neto assumirá a posição assim que sua posse for autorizada pela Susep

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies