Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-07T20:00:53-03:00
Ricardo Gozzi
SUPERCONCENTRADO

Para surpresa de absolutamente ninguém, bilionários ficaram ainda mais ricos na pandemia – inclusive no Brasil

Também para espanto de zero pessoa, Brasil segue entre os países mais desiguais do planeta e tem capítulo à parte em relatório coordenado por Thomas Piketty

7 de dezembro de 2021
12:47 - atualizado às 20:00
Desigualdade xadrez dinheiro investimentos
Imagem: Shutterstock

Se o seu desconfiômetro indicava que a pobreza e a concentração de renda haviam aumentado durante a pandemia, a edição de 2022 do Relatório Global de Desigualdade acaba de confirmar o que você já suspeitava depois de voltar a andar pelas ruas da sua cidade.

A fatia do bolo da riqueza das famílias detida pelos bilionários no mundo — incluindo, é claro, os brasileiros — quase dobrou de tamanho e atingiu um valor recorde durante a pandemia.

Antes da chegada do novo coronavírus, no início de 2020, os bilionários acumulavam 2% de toda a riqueza global das famílias. Em 2021, ano de referência para os dados usados no estudo, 3,5% de toda essa riqueza encontrava-se em mãos de bilionários.

Desigualdades mascaradas

Em 2021, a renda global atingiu o equivalente a US$ 122 trilhões, enquanto a riqueza líquida global chega a seis vezes esse montante. Se esses valores fossem igualmente distribuídos entre cada pessoa em idade adulta do planeta, a renda média anual seria de US$ 23.380, ou US$ 1.950 por mês.

Em reais, estaríamos falando em uma renda média anual de mais de R$ 132 mil, ou de um salário mensal de R$ 11 mil.

Nada mal, não é mesmo? Mas...

“Esses valores médios mascaram desigualdades significativas entre países e entre cidadãos”, enfatizam os autores do estudo produzido por uma rede de cientistas sociais e capitaneado pelo economista francês Lucas Chancel, codiretor do Laboratório de Desigualdade Global.

Um dos coordenadores do estudo, aliás, é o economista francês Thomas Piketty, que ganhou notoriedade mundial em 2013, quando lançou o livro “O Capital no Século XXI”.

Brasil segue entre os países mais desiguais do planeta

O Relatório Global de Desigualdade não separa os bilionários por nacionalidade, mas oferece uma análise mais detalhada sobre a situação em diversas nações.

Há décadas figurando entre as sociedades mais desiguais do planeta, o Brasil tem lá seu lugar cativo entre os países analisados.

Quando comparada a renda dos 50% mais pobres e dos 10% mais ricos, os ocupantes dos degraus superiores da pirâmide social brasileira ganham 29 vezes mais do que quem está na base. No detalhe, a metade mais pobre dos brasileiros obteve renda mensal de R$ 733 em 2021, enquanto os 10% mais ricos ganharam mais de R$ 21.300 por mês no ano passado.

“O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo”, enfatizam os autores do estudo. “Os 10% no topo captam 59% da renda nacional total, enquanto a metade inferior da pirâmide fica com apenas cerca de 10%”, prosseguem eles.

Comparações

O relatório pontua ainda que as desigualdades no Brasil são maiores do que nos Estados Unidos, onde os 10% mais ricos capturam 45% da renda nacional total, e na China, onde essa proporção é de 42%.

Mas não para por aí. Uma leitura mais detalhada faz saltar aos olhos que o Chile, volta e meia usado como referência de modelo socioeconômico ideal entre os países latino-americanos, apresenta a mesma proporção de desigualdade de renda do Brasil.

Tanto o Chile quanto o Brasil são países com desigualdade de renda muito superior, por exemplo, à constatada na Argentina, no Uruguai e - agora sim, surpresa - Equador.

Aquele 1%

Os gráficos apresentados no estudo revelam que houve alguma queda na desigualdade de renda no Brasil em alguns momentos dos anos 2000. Nenhum movimento muito brusco, porém.

“Desde a década de 2000, a desigualdade salarial foi reduzida no Brasil e milhões de pessoas saíram da pobreza, em grande parte graças a programas governamentais”, afirmam os autores do estudo, citando nominalmente o aumento do salário mínimo e o programa Bolsa Família.

Em nenhum momento, porém, o Brasil deixou de figurar nos quadros de desigualdade extrema de renda e riqueza. E a situação voltou a se deteriorar nos últimos anos.

No que se refere à riqueza, a metade mais pobre da população brasileira possui menos de 1% da riqueza nacional total (6% na Argentina), enquanto o 1% mais rico da população concentra cerca de metade da riqueza total.

Leia aqui a íntegra do relatório global de desigualdade.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

PRECAUÇÃO EXTRA

Cautela demais atrapalha os negócios? Não para o Bradesco (BBDC4): banco cria nova vice-presidência focada na gestão de riscos

A nova vertical abrangerá as áreas de compliance, conduta, ética e demais setores ligados à gestão de ameaças corporativas

FECHAMENTO DOS MERCADOS

Ibovespa ignora tensão pré-Fed e sobe mais de 2%, fechando no melhor nível desde outubro; dólar volta aos R$ 5,43

O dia tinha tudo para ser como ontem, mas o Ibovespa encontrou forças para voltar aos 110 mil pontos e recuperar as perdas da semana

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) sobe forte e apaga parte da queda brusca na semana; veja como operam as principais criptomoedas do mercado

Como outros ativos do risco, a moeda digital também foi afetada pelas tensões entre entre Ucrânia e Rússia nos últimos dias, mas encontrou fôlego para avançar hoje

INTERRUPÇÃO TEMPORÁRIA

Banco Central suspende sistema para consulta de dinheiro ‘esquecido’ em bancos; veja o que está por trás do bloqueio

O BC precisou interromper o funcionamento do sistema lançado ontem após enfrentar instabilidades geradas pelo grande volume de acessos

NOVA DEBANDADA?

Mais um técnico da área de Orçamento da Economia deixa cargo e expõe novo desgaste na equipe de Paulo Guedes

O movimento de saída é comum no último ano de governo, mas agora tem ocorrido mais cedo, ainda no primeiro mês de 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies