Insights de investimento, análises de mercado e muito mais! Siga o Seu Dinheiro no Instagram

2021-12-07T20:00:53-03:00
Ricardo Gozzi
SUPERCONCENTRADO

Para surpresa de absolutamente ninguém, bilionários ficaram ainda mais ricos na pandemia – inclusive no Brasil

Também para espanto de zero pessoa, Brasil segue entre os países mais desiguais do planeta e tem capítulo à parte em relatório coordenado por Thomas Piketty

7 de dezembro de 2021
12:47 - atualizado às 20:00
Desigualdade xadrez dinheiro investimentos
Imagem: Shutterstock

Se o seu desconfiômetro indicava que a pobreza e a concentração de renda haviam aumentado durante a pandemia, a edição de 2022 do Relatório Global de Desigualdade acaba de confirmar o que você já suspeitava depois de voltar a andar pelas ruas da sua cidade.

A fatia do bolo da riqueza das famílias detida pelos bilionários no mundo — incluindo, é claro, os brasileiros — quase dobrou de tamanho e atingiu um valor recorde durante a pandemia.

Antes da chegada do novo coronavírus, no início de 2020, os bilionários acumulavam 2% de toda a riqueza global das famílias. Em 2021, ano de referência para os dados usados no estudo, 3,5% de toda essa riqueza encontrava-se em mãos de bilionários.

Desigualdades mascaradas

Em 2021, a renda global atingiu o equivalente a US$ 122 trilhões, enquanto a riqueza líquida global chega a seis vezes esse montante. Se esses valores fossem igualmente distribuídos entre cada pessoa em idade adulta do planeta, a renda média anual seria de US$ 23.380, ou US$ 1.950 por mês.

Em reais, estaríamos falando em uma renda média anual de mais de R$ 132 mil, ou de um salário mensal de R$ 11 mil.

Nada mal, não é mesmo? Mas...

“Esses valores médios mascaram desigualdades significativas entre países e entre cidadãos”, enfatizam os autores do estudo produzido por uma rede de cientistas sociais e capitaneado pelo economista francês Lucas Chancel, codiretor do Laboratório de Desigualdade Global.

Um dos coordenadores do estudo, aliás, é o economista francês Thomas Piketty, que ganhou notoriedade mundial em 2013, quando lançou o livro “O Capital no Século XXI”.

Brasil segue entre os países mais desiguais do planeta

O Relatório Global de Desigualdade não separa os bilionários por nacionalidade, mas oferece uma análise mais detalhada sobre a situação em diversas nações.

Há décadas figurando entre as sociedades mais desiguais do planeta, o Brasil tem lá seu lugar cativo entre os países analisados.

Quando comparada a renda dos 50% mais pobres e dos 10% mais ricos, os ocupantes dos degraus superiores da pirâmide social brasileira ganham 29 vezes mais do que quem está na base. No detalhe, a metade mais pobre dos brasileiros obteve renda mensal de R$ 733 em 2021, enquanto os 10% mais ricos ganharam mais de R$ 21.300 por mês no ano passado.

“O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo”, enfatizam os autores do estudo. “Os 10% no topo captam 59% da renda nacional total, enquanto a metade inferior da pirâmide fica com apenas cerca de 10%”, prosseguem eles.

Comparações

O relatório pontua ainda que as desigualdades no Brasil são maiores do que nos Estados Unidos, onde os 10% mais ricos capturam 45% da renda nacional total, e na China, onde essa proporção é de 42%.

Mas não para por aí. Uma leitura mais detalhada faz saltar aos olhos que o Chile, volta e meia usado como referência de modelo socioeconômico ideal entre os países latino-americanos, apresenta a mesma proporção de desigualdade de renda do Brasil.

Tanto o Chile quanto o Brasil são países com desigualdade de renda muito superior, por exemplo, à constatada na Argentina, no Uruguai e - agora sim, surpresa - Equador.

Aquele 1%

Os gráficos apresentados no estudo revelam que houve alguma queda na desigualdade de renda no Brasil em alguns momentos dos anos 2000. Nenhum movimento muito brusco, porém.

“Desde a década de 2000, a desigualdade salarial foi reduzida no Brasil e milhões de pessoas saíram da pobreza, em grande parte graças a programas governamentais”, afirmam os autores do estudo, citando nominalmente o aumento do salário mínimo e o programa Bolsa Família.

Em nenhum momento, porém, o Brasil deixou de figurar nos quadros de desigualdade extrema de renda e riqueza. E a situação voltou a se deteriorar nos últimos anos.

No que se refere à riqueza, a metade mais pobre da população brasileira possui menos de 1% da riqueza nacional total (6% na Argentina), enquanto o 1% mais rico da população concentra cerca de metade da riqueza total.

Leia aqui a íntegra do relatório global de desigualdade.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

A PARTIR DE JUNHO

Quer um pedacinho da Eletrobras (ELET3)? O trabalhador poderá usar recursos do FGTS para comprar ações

O trabalhador deverá fazer reserva de aquisições entre 3 e 9 de junho. O governo liberou o uso de até 50% do FGTS para compra de ações da Eletrobras

DESINVESTIMENTO

Em meio à turbulências, Petrobras (PETR4) assina mais um contrato de venda de refinaria

A operação ainda deve passar pelo crivo do Cade. A venda da refinaria Lubnor por US$ 34 milhões faz parte do plano de desinvestimento

DIPLOMACIA RUSSA

Bandeira branca? Putin diz que vai viabilizar comércio de grãos ucranianos e fertilizantes

Em conversa com o presidente da França e o chanceler da Alemanha, Putin afirmou que vai aumentar a oferta de grãos e fertilizantes

NÃO VINGOU

Terra 2.0 derrete mais de 60% no dia do lançamento; saiba por quê

A Terra 2.0 já acumula perdas; o renascimento da criptomoeda sofre com a perda de credibilidade, após falhas no protocolo da antiga moeda

NOVA CRIPTO NA ÁREA

Lançamento da Terra 2.0: vale a pena investir em um projeto criado pelos mesmos desenvolvedores da extinta Terra (LUNA)? Especialistas falam sobre nova criptomoeda

A resposta foi quase unânime: os analistas deixaram de acompanhar a Terra (LUNA) e não acreditam mais no projeto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies