Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-05T09:28:17-03:00
Estadão Conteúdo
Crise hídrica

ONS defende liberar mais água em 2 usinas, termelétricas e poupar reservatórios

Na semana passada, o governo emitiu alerta de emergência hídrica para os cinco Estados banhados pelos rios: MG, GO, MS, SP e PR

5 de junho de 2021
9:28
Hidrelétrica Estreito
Imagem: Cleber Magri/Wikimedia Commons

Para atravessar o período seco e manter a segurança do abastecimento de energia, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) quer liberar mais vazão do reservatório de Furnas e Mascarenha de Moraes e segurar água nas cabeceiras dos rios que abastecem a maioria das usinas do País nos próximos meses. O órgão defende ainda o acionamento de todo o parque de termelétricas, que geram energia mais cara, para manter a governabilidade das bacias ao longo do ano.

Mesmo com essas medidas, o ONS prevê paralisar a hidrovia Tietê Paraná em meados de julho, quando os volumes armazenados em Porto Primavera ficarão menores. Porém, a entidade avalia que a operação é a que melhor traduz o uso equilibrado das cascatas e múltiplo das águas.

Nota técnica divulgada pela entidade nesta sexta-feira, 4, aponta uma situação crítica para as hidrelétricas que têm reservatórios atendidos pelas bacias dos rios Paranaíba, Grande, Tietê e Paranapanema, no Sudeste e Centro-Oeste do País.

O plano traçado pelo ONS considera o pior cenário possível, em que as chuvas, que normalmente voltam no fim de setembro e início de outubro, somente chegariam em novembro. É com essa previsão, que pode não se concretizar, que a entidade trabalha para assegurar o abastecimento de energia no País. Assim, em qualquer cenário o abastecimento será garantido.

Se a operação for mantida sem as alterações propostas pelo ONS, haverá "perda do controle hidráulico de reservatórios da bacia do Rio Paraná" no segundo semestre. Isso significa que as usinas teriam de operar como se não tivessem reservatórios, a fio d'água, dependendo de chuvas para manter o funcionamento, arriscando inclusive paralisações.

Sozinha, a Bacia do Paraná responde por 53% da capacidade nacional de geração de energia do País. Hoje, o volume de água armazenada é de 28% de sua capacidade, o segundo pior nível de armazenamento dos últimos 21 anos nesta bacia.

Para evitar o colapso do sistema, o ONS propõe a adoção de ações claras, entre elas liberar mais água em Furnas e Mascarenhas de Morais, que hoje têm 37% e 55,8% de armazenamento, respectivamente, entre junho e novembro, para poupar outros reservatórios em situações mais críticas. Nesta região encontram-se as usinas como Marimbondo (6,6%), Água Vermelha (7,4%), Nova Ponte (16,2%), Emborcação (22,1%), Itumbiara (19%), São Simão (11,3%), Ilha Solteira (47,4%) e Três Irmãos (48,6%).

"Essas usinas e respectivos reservatórios são de extrema importância para a operação do Sistema Interligado Nacional (SIN), pois os recursos neles estocados são capazes de garantir energia nos períodos secos, quando não há contribuições significativas das usinas instaladas na região Norte do País", diz trecho do relatório.

Segundo o ONS, o conjunto de reservatórios localizados na bacia do rio Paraná corresponde a 76% da capacidade máxima de armazenamento do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste e a 53% da capacidade de armazenamento de todo o SIN.

Desde a primeira quinzena de maio, a Cesp e a CTG, responsáveis pelas usinas de Jupiá e Porto Primavera, realizaram os testes de redução das defluências dessas usinas, sendo que a defluência foi de 3.700 metros cúbicos por segundo (m3/s) para 3.200 m3/s, na hidrelétrica Jupiá, e de 4.300 m3/s para 3.800 m3/s, na usina Porto Primavera, com reduções de 100 m3/s por dia.

O objetivo, porém, é recolher ainda mais água nos reservatórios de Jupiá e Porto Primavera a 2.300 metros cúbicos por segundo (m3/s) e 2.700 m3/s a partir de julho. Essa decisão será tomada gradualmente ao longo dos próximos quinze dias, após tratativas com o Ibama e a Agência Nacional de Águas (ANA), além das empresas donas das usinas, Cesp e CTG. As informações foram antecipadas pelo Estadão/Broadcast na semana passada.

O objetivo é monitorar e diminuir os impactos para o turismo, pescadores, fauna e meio ambiente. Além de medidas na região onde a crise hídrica tem mostrado efeitos mais severos, a autarquia pretende guardar mais água também na região Nordeste, e desta maneira despachar mais térmicas.

Na semana passada, o governo emitiu alerta de emergência hídrica para os cinco Estados banhados pelos rios: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. A informação também foi antecipada pelo Broadcast.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

GÁS NA TRAMITAÇÃO

Projeto de lei pode conter alta dos combustíveis, mas precisa ser aprovado ainda este ano, defende relator

A medida, que cria um programa de estabilização do valor do petróleo e derivados, foi a forma encontrada para amenizar a alta dos preços sem interferir na política da Petrobras

CARNE FORTE

Marfrig sobe mais de 5% hoje, mas ainda deve saltar 60% nos próximos meses, projeta Bank of America

O Bank of America recalculou as projeções financeiras para o próximo ano e vê a empresa lucrando muito mais do que o previsto no cálculo anterior

DESTAQUES DO DIA

Varejo abaixo do esperado derruba Magazine Luiza (MGLU3), mas companhias aéreas sobem forte com vacinas eficazes contra a ômicron

Enquanto o Magalu recua mais de 8%, as empresas do setor aéreo aproveitam para engatar uma recuperação

bitcoin (BTC) hoje

O rali de fim de ano do bitcoin (BTC) derrapou. E você, novato em criptomoeda, pode ser o culpado

O movimento de queda do bitcoin das últimas semanas veio dos novos investidores em cripto, chamados de short-term holders, segundo a Glassnode

DE OLHOS BEM FECHADOS

O IPO do cheque em branco chega ao Brasil: Alvarez & Marsal quer fazer oferta pública para lançar Spac na B3

Modalidade existe há mais de 20 anos nos EUA, mas ainda é inédita no Brasil; entenda como funciona

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies