Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-04T10:51:27-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
ipca

Inflação desacelera em abril, mas avança 6,7% em 12 meses

Mediana das estimativas do mercado para abril era de 0,29%; resultado foi influenciado pelo aumento do preço de medicamentos

11 de maio de 2021
9:11 - atualizado às 10:51
desenho mostra dinheiro se desintegrando como metáfora para inflação em alta
Imagem: Shutterstock

A inflação de abril medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,31%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta terça-feira (11).

O resultado representa uma desaceleração, diante do avanço de 0,93% em março. A mediana das estimativas do mercado para abril era de 0,29%, com intervalo de 0,24% até 0,43%, segundo o Projeções Broadcast.

O desempenho reflete a alta no grupo saúde e cuidados pessoais, de 1,19%, com o aumento dos preços dos produtos farmacêuticos (2,69%) - também o principal impacto no índice geral (0,09 p.p.).

No dia 1º de abril, foi concedido o reajuste de até 10,08% no preço dos medicamentos. "Normalmente esse reajuste é dado no mês de abril, então já era esperado", disse o gerente da pesquisa do IBGE, Pedro Kislanov.

Remédios anti-infecciosos e antibióticos aumentaram em 5,20%. Houve alta também nos produtos de higiene pessoal (0,99%), perfumes (3,67%), artigos de maquiagem (3,07%), papel higiênico (2,90%) e produtos para cabelo (1,21%).

Alta de 6,7% em 12 meses

Com o resultado de abril, o índice acumula alta de 2,37% no ano e de 6,76% nos últimos 12 meses, acima do teto da meta do governo.

A meta é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Para 2022, a meta é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto.

O mercado espera que o IPCA termine este ano a 5,06%, segundo a edição mais recente do boletim Focus, do BC. A projeção para o índice em 2022 é de alta de 3,61%.

Queda dos combustíveis e alta das passagens aéreas

Segundo o IBGE, outro destaque no índice de abril foi o grupo dos transportes, que variou -0,08%, influenciado, principalmente, pela queda nos preços dos combustíveis.

Após 10 meses consecutivos de alta, a gasolina recuou 0,44% em abril. Mas a queda mais intensa no grupo veio do etanol (-4,93%).

Houve uma sequência de reajustes entre fevereiro e março na gasolina, mas no fim de março houve duas reduções no preço desse produto nas refinarias.

Ainda nos transportes, os automóveis novos (1,01%) e usados (0,57%) tiveram alta. E os preços das passagens aéreas (6,41%) subiram pela primeira vez no ano.

Carnes acumulam alta de 35% em 12 meses

O aumento no preço de alimentos como as carnes (1,01%), o leite longa vida (2,40%), o frango em pedaços (1,95%) e o tomate (5,46%) tornou a alimentação no domicílio (0,47%) mais cara do que no mês anterior.

De acordo com o pesquisador do IBGE, as carnes, que acumularam uma alta de 35,05% nos últimos 12 meses, tiveram seus preços aumentados em abril devido principalmente à inflação de custos por causa da ração animal.

"Estamos em um momento em que há uma grande alta no preço das commodities. Nesse caso, principalmente a soja e o milho estão impactando os custos do produtor e isso acaba influenciando o preço final do produto no mercado", disse.

Entre os alimentos que tiveram queda no preço, as frutas (-5,21%) foram o principal destaque. A alimentação fora do domicílio desacelerou (0,23%), após subir 0,89% no mês anterior.

Preço do botijão de gás desacelera

Já o aumento menos intenso do grupo habitação (0,22%), em relação ao mês anterior (0,81%), foi impactado pela desaceleração nos preços do gás de botijão (1,15%), que haviam aumentado 4,98% em março, e pelo recuo de 0,04% da energia elétrica.

A bandeira tarifária amarela, que acrescenta R$ 1,343 na conta de luz a cada 100 quilowatts-hora consumidos, foi mantida em abril.

Regiões metropolitanas como Rio de Janeiro (3,63%) e Fortaleza (3,32%) sentiram a alta desse item, ao passo que em outras, como São Paulo (-1,22%) e Porto Alegre (-1,38%), houve redução por causa da diminuição das alíquotas de PIS/COFINS.

Todas as 16 áreas pesquisadas registraram inflação. A maior variação veio de Rio Branco (0,96%), influenciada especialmente pela alta nos produtos farmacêuticos (4,50%). Já o menor índice foi observado em Brasília (0,05%), por conta, principalmente, da queda no preço da gasolina (-1,47%).

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Disposta a competir com as gigantes, Infracommerce (IFCM3) pode ver salto de mais de 70% nas suas ações, diz BofA; papéis sobem mais de 4%

Banco iniciou a cobertura dos papéis da fornecedora de infraestrutura de e-commerce para outras empresas com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 25 por ação

AMPLIANDO A BASE

Em busca do pequeno investidor, BR Partners (BRBI11) fecha preço de oferta de ações; papéis sobem

Banco havia realizado IPO em junho do ano passado em operação que permitia a compra dos papéis nos primeiros 18 meses apenas por investidores que tivessem mais de R$ 1 milhão em aplicações, os chamados investidores qualificados

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) avança para os US$ 38 mil antes da decisão de política monetária do Fed, mas semana ainda é difícil para mercado de criptomoedas

Investidores aguardam maiores informações sobre a retirada de estímulos e alta nos juros por parte do Banco Central americano

EXILE ON WALL STREET

Para triunfar, antes é preciso atravessar: confira três dicas importantes para seguir antes de investir

Antes de tomar qualquer decisão no calor do momento, seja pelo excesso de otimismo ou por um receio em demasia, é necessário ter em mente três lições para investir bem e com prudência

FOME POR EXPANSÃO

BTG Pactual (BPAC11) compra 100% da carteira da Planner Investimentos e acirra disputa com XP por agentes autônomos

Com o negócio, a corretora Planner vai deixar de atuar na corretagem e assessoria de investimentos para pessoas físicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies