⚽️ Brasil e Portugal jogam para se evitar nas oitavas-de-final; veja os jogos de hoje na Copa do Mundo

Cotações por TradingView
2021-02-26T13:59:25-03:00
Rafael Lara
Rafael Lara
Estudante de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Trabalhou em empresas como: TV Gazeta, Suno Research e Portal iG.
Subindo

Insumo no atacado tem forte alta em 12 meses, diz FGV

Em 12 meses, registraram a maior alta da série iniciada em agosto de 1995.

26 de fevereiro de 2021
13:59
soja
Plantação de soja no Brasil - Imagem: Shutterstock

Puxados pelo mercado internacional, os preços em reais das matérias-primas brutas, que incluem soja, minério de ferro, cobre, bovinos, entre outras importantes commodities, deram um galope em janeiro. Em 12 meses, registraram a maior alta da série iniciada em agosto de 1995.

Leia também:

Entre fevereiro de 2020 e o mês passado, a cotação em reais dessas matérias-primas no atacado subiu 71,61%, segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), apurados para o cálculo do Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI). Foi um avanço de mais de dez pontos porcentuais em apenas um mês e uma mudança de tendência. Em dezembro, o ritmo de alta havia perdido força em relação a novembro.

"Os preços em alta dessas commodities, que são a base de muitas cadeias de produção da economia, sobrecarregam vários segmentos", alertou o economista André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor da FGV. "É um impacto difuso, porque, no caso das commodities metálicas, pega boa parte da cadeia industrial", concorda o economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale.

O reflexo direto da escalada das cotações das matérias-primas no dia a dia é mais pressão de custos na indústria, que pode resultar em novos reajustes de preços ao consumidor. O leque de produtos cujos preços podem ser afetados pela escalada das matérias-primas é amplo: vai de insumos usados na construção civil, na indústria química até o carro zero.

Mas o estrago mais visível e imediato é na mesa do brasileiro, no tradicional prato feito. Em 12 meses até janeiro, arroz, feijão preto, carne e ovo subiram 74,14%, 54,24%, 22,82% e 10,13%, respectivamente, segundo dados da inflação oficial, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do IBGE.

Não é de hoje que a comida tem sido a vilã da inflação. Em 12 meses até janeiro, a alimentação no domicílio acumula alta de quase 20% no IPCA. É um resultado quatro vezes maior do que a inflação geral no mesmo período (4,56%).

No mês passado, os preços do grupo alimentação e bebidas no indicador até desaceleraram em relação a dezembro. Mesmo assim, registraram aumento na casa de 1% em apenas um mês. Também em janeiro os alimentos responderam por quase a totalidade da inflação geral do mês (0,22 pontos de 0,25%). "Acima de 1% em um mês na alimentação, preocupa", diz Braz.

Peso no bolso

Na cesta básica da Fundação Procon de São Paulo, os preços de 28 itens que compõem a lista de alimentos também subiram mais de 1% no mês passado. A cesta de comida que custava, em média, R$ 883,28 em dezembro, atingiu R$ 893,37 em janeiro e comprometeu mais de 80% da renda das famílias que vivem com um salário mínimo. Para os mais pobres, o gasto com alimentos consome a maior parte da renda e sobra muito pouco para as demais despesas básicas.

Entre os alimentos que mais contribuíram para alta de preços da cesta básica do Procon, estão aves e embutido. Milho e soja, que ficaram 68,9% e 96,3% mais caros no atacado nos últimos 12 meses, são usados para alimentar os animais.

Diante de tantas pressões, economistas já começam a revisar para cima as projeções de inflação para 2021. No Boletim Focus, do Banco Central, da semana passada o mercado projetava 3,62% para a mediana do IPCA e, nesta semana, subiu para 3,82%. Há um mês a expectativa era de uma alta de 3,50%.

As projeções do mercado estão acima de 3,75%, o centro da meta. "Para mim, 3,75% é piso, a inflação será pressionada não só por alimentos", diz Braz. Por enquanto, ele projeta um IPCA em torno de 4% para este ano.

Mais pessimista, o economista Fábio Silveira, sócio da MacroSector, espera inflação "desconfortável" de 4,5% para 2021, a mesma marca de 2020. Na sua avaliação, o principal motivo é a pressão do câmbio acumulada ao longo de 2020, de mais de 30%. "As empresas estão tentando repassar para o varejo, mesmo com a demanda fraca."

Vale, da MB Associados, é outro economista que está pessimista com a inflação. "É muito provável que veremos as três grandes cadeias de commodities - agropecuárias, metálicas e petróleo - causarem pressão inflacionária ao longo do ano", diz. A consultoria tem a expectativa de que a inflação fique em 3,8% em 2021, mas já considera aumentar essa projeção.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Sextou com Copa: As ‘zebras’ da B3, um ano de Nubank na bolsa, dividendos da Vale e outras notícias que mexem com o seu bolso

2 de dezembro de 2022 - 8:26

As zebras estão à solta nos gramados do Catar — e o Ruy Hungria explica por que apostar no favorito raramente vale a pena, seja na Copa do Mundo ou na bolsa de valores

MERCADOS AGORA

Bolsa agora: Ibovespa futuro abre em leve alta com avanço da produção industrial e opera na contramão do exterior com expectativa sobre payroll; dólar cai

2 de dezembro de 2022 - 7:29

RESUMO DO DIA: As bolsas internacionais operam sem direção única e com menor liquidez. Sem indicadores econômicos, o Ibovespa acompanha os dados da produção industrial, além do exterior. Às 16h, a seleção brasileira entra em campo pela Copa do Mundo, o que resulta em menor movimentação dos negócios. Lá fora, os investidores aguardam os dados […]

LOTERIAS

Quina acumula, mas Lotofácil tem 8 ganhadores; será que você é um deles?

2 de dezembro de 2022 - 7:03

Cada bilhete premiado da Lotofácil dará direito a quase R$ 180 mil. Já a Quina acumulou novamente e oferece prêmio de R$ 1,2 milhão hoje.

ENTRE O DESEJADO E O POSSÍVEL

Penny stock nunca mais? Oi (OIBR3) aprova proposta de grupamento de ações; confira os detalhes

2 de dezembro de 2022 - 6:50

A partir desta sexta-feira (2), os acionistas da Oi poderão ajustar suas posições em lotes múltiplos de 10 ações; o prazo de livre ajuste termina em 6 de janeiro de 2023

SEXTOU COM O RUY

Por que apostar no favorito raramente vale a pena na Copa do Mundo ou na bolsa — e como encontrar as ‘zebras’ da B3

2 de dezembro de 2022 - 6:07

Em ambos os casos, a grande virtude está em encontrar as distorções entre os retornos de cada cenário e a real probabilidade de eles acontecerem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies