Menu
2021-05-25T18:26:32-03:00
Estadão Conteúdo
Contrariou Powell

Fed poderá começar a debater em breve redução na compra de ativos, diz vice-presidente

Os presidentes das distritais de Dallas e Filadélfia também defenderam o início do debate sobre o programa de QE do banco central norte-americano

25 de maio de 2021
14:46 - atualizado às 18:26
Fed compra de ativos
Imagem: Shutterstock

O vice-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Richard Clarida, reconheceu nesta terça-feira (25) que a autoridade monetária pode começar a debater a redução do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) em breve.

"Poderá haver algum momento nas próximas reuniões em que começaremos a discutir as compras de ativos", disse o dirigente em entrevista ao Yahoo Finance.

Para Clarida, contudo, o momento exato de retirar os estímulos à economia dependerá dos dados que forem divulgados a partir de agora. "Queremos fazer mais progresso substancial no emprego e na estabilidade de preços", afirmou.

O dirigente, que tem direito a voto nas reuniões do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), também disse que a nova "função de reação" do Fed, mais baseada em resultados macroeconômicos, está sendo "bem entendida" pelo mercado.

Recentemente, os presidentes das distritais de Dallas, Robert Kaplan, e Filadélfia, Patrick Harker, defenderam o início do debate sobre a redução das compras de ativos, em meio aos temores de escalada da inflação.

A postura dos dirigentes contraria o discurso capitaneado pelo presidente do Fed, Jerome Powell, de que ainda não é hora de se debater esse assunto.

Inflação transitória

O vice-presidente do Federal Reserve afirmou também nesta terça-feira que seu cenário-base indica inflação "transitória" nos Estados Unidos. "Se a pressão inflacionária se provar mais persistente, temos ferramentas para contê-la", declarou o dirigente em entrevista ao Yahoo Finance.

Segundo Clarida, o Fed olhará "cuidadosamente" os dados de inflação nos próximos meses, já que os indicadores estão "especialmente confusos" no momento.

No entanto, ele argumentou que a pressão sobre o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) é causada principalmente pela reabertura da economia, após a crise gerada pela pandemia de covid-19.

O dirigente também afirmou que manter as expectativas de inflação ancoradas é "essencial" para a estabilidade de preços.

Na visão de Clarida, a perspectiva para a economia dos EUA é "muito positiva", e o Produto Interno Bruto (PIB) do país deve crescer mais de 6% este ano, "talvez até 7%".

Criptomoedas

O vice-presidente do Federal Reserve afirmou ainda que, em sua visão, as criptomoedas não substituem o dinheiro. Na entrevista ao Yahoo Finance, ele argumentou que esses ativos não funcionam como reserva de valor ou meio de troca, duas das principais características do dinheiro.

Ao ser questionado sobre os riscos atuais à estabilidade financeira, Clarida disse que todos são "gerenciáveis".

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

E a fila aumenta

BR Partners faz registro de IPO que pode movimentar até R$ 620 milhões

Banco de investimentos fundado por Ricardo Lacerda pretende fazer uma oferta pública de Units, com faixa de preço entre R$ 16 e R$ 19

Pedido ao presidente

Instituto Aço Brasil pede a Bolsonaro para não reduzir tarifa de importação

Na visão do presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, não há cenário de excepcionalidade que justifique tal medida

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies