Menu
2021-01-25T14:25:04-03:00
Estadão Conteúdo
Operações de crédito

BNDES: desembolsos de 2021 deverão ficar acima de R$ 60 bi, diz Bianca Nasser

“A retomada da economia vem sendo aguardada e esperamos que o BNDES continuará tendo papel contracíclico em 2021”, diz a diretora

25 de janeiro de 2021
14:18 - atualizado às 14:25
BNDES
Imagem: Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deverá desembolsar em 2021 um valor semelhante ao de 2020 para operações de crédito, acima de R$ 60 bilhões, informou nesta segunda-feira a diretora financeira da instituição de fomento, Bianca Nasser.

"Vimos um aumento grande da demanda pelo BNDES de desembolsos. Esperamos que o banco continue tendo um papel importante (em 2021)", afirmou Bianca, em entrevista transmitida ao vivo pelo jornal Valor Econômico. "A retomada da economia vem sendo aguardada e esperamos que o BNDES continuará tendo papel contracíclico em 2021", completou a diretora.

O diretor de Crédito e Garantias do BNDES, Petrônio Cançado, que também participa da entrevista ao vivo, informou que, com as medidas emergenciais para mitigar a crise causada pela covid-19, o banco de fomento voltou a expandir sua carteira de crédito. "Imaginamos que num ambiente de retomada a gente tenha desembolso semelhante a 2020", afirmou Cançado.

Segundo o diretor, parte das ações introduzidas pelo BNDES para enfrentar a crise seguiu formatos que o banco já queria experimentar. Esses formatos deverão ser aplicados de forma permanente em cenários "de mais normalidade", disse Cançado.

É o caso do Programa Emergencial de Acesso ao Crédito (Peac), cujo cerne foi o aporte de R$ 20 bilhões pelo Tesouro Nacional no FGI, o fundo de aval do BNDES. O Peac foi extinto em 31 de dezembro, mas o BNDES estuda lançar do "FGI 4.0". Como já havia antecipado Cançado ao Estadão/Broadcast em dezembro, há potencial de garantir R$ 10 bilhões em empréstimos para empresas de menor porte em 2021. Embora o público seja pequenas empresas, é possível que firmas com faturamento anual de R$ 50 milhões a R$ 300 milhões também sejam contempladas, disse Cançado na entrevista.

Project Finance

O BNDES vai assumir mais risco nos financiamentos no formato de "project finance", tipicamente usado nos investimentos em infraestrutura, reafirmou Bianca Nasser. Com isso, completou a executiva, a tendência é que o BNDES passe a exigir menos fianças bancárias diretas como garantia por parte dos controladores dos projetos que demandam financiamento em "project finance".

A diretoria do BNDES vem sinalizando com mudanças no formato de financiamento via "project finance" desde meados de 2020. Uma das sinalizações é de que o banco de fomento poderia atuar na concessão de garantias, atraindo fontes privadas para as operações de "project finance".

O BNDES tem condições, no cenário atual, de financiar operações no modelo de "project finance" sem exigir fiança bancária, desde que os financiamentos girem em torno de R$ 500 milhões, afirmou o diretor de Crédito e Garantias da instituição de fomento. "A experiência de fazer 'project finance' o BNDES tem. O que a gente acaba fazendo muito, e muito pelo passado, é exigir um volume de garantias que não é exigido em outros países", afirmou Cançado.

Segundo ele, a exigência de garantias em volume superior ao usual nas operações de "project finance" mundo afora, por parte do BNDES, se deve historicamente a dois fatores: o primeiro é o ambiente com juros básicos tradicionalmente elevados, que tende a encurtar o prazo dos financiamentos em geral. O segundo é o fato de o BNDES ser a única fonte de crédito de longo prazo com juros razoáveis no País, o que elevava o risco do banco de fomento, e fazia a exigência de fianças e garantias necessária para evitar perdas excessivas.

Devoluções à União

O prazo de 60 dias que o Tribunal de Contas da União (TCU) deu para o Ministério da Economia entregar um cronograma de devolução ao caixa da União dos empréstimos feitos pelo Tesouro Nacional aos bancos públicos por meio de emissão de títulos da dívida a partir de 2008 é positivo, afirmou Bianca Nasser.

"O cronograma vai trazer maior previsibilidade no mercado de maior transparência no processo", afirmou a executiva. Segundo Bianca, embora tanto o BNDES quanto o governo não se furtassem a prestar informações sobre o processo de devolução dos empréstimos, um cronograma que dê previsibilidade aumenta a transparência.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O melhor do seu dinheiro

O preço do diesel e o cobertor curto

Na briga do presidente Jair Bolsonaro para tentar baixar o preço dos combustíveis e do gás de cozinha no país, não foi só a Petrobras que apanhou. Pode ser que sobre também para os bancos. E na bolsa, as ações das instituições financeiras já sofreram um bocado nesta segunda-feira por causa disso. Tudo ia bem […]

FECHAMENTO

Brasília força Ibovespa a pisar no freio e bolsa quase zera ganhos após avançar mais de 2%; dólar fica estável

No exterior, as bolsas tiveram dias de ganho expressivo, com os mercados repercutindo de forma positiva a aprovação do pacote de estímulos americano e uma nova opção de vacina

Proposta na mesa

Aumento de tributação aos bancos está sendo discutido para compensar a desoneração do diesel

A lógica proposta seria da CSLL subir para compor a compensação dos tributos com o intuito de zerar a tributação do diesel e do gás de cozinha, tendo um custo total de quase R$ 3,6 bilhões.

Concentrado

Foco de Biden é a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhão, diz Casa Branca

O texto foi avalizado pela Câmara dos Representantes no fim de semana e ainda precisa ser analisado pelo Senado.

Casamento do ano?

Fusão de Hapvida e Intermédica deve revolucionar setor de saúde, apontam analistas; ações sobem mais de 5%

Para analistas, união das companhias não deve encontrar grandes dificuldades para conseguir aprovação do Cade, com o ponto mais crítico sendo, possivelmente, Minas Gerais, onde ambas concentram 16% do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies