Menu
2021-01-06T16:48:31-03:00
Estadão Conteúdo
em recuperação

Banco mundial prevê avanço de 4% no PIB global e de 3% no Brasil em 2021

Para este ano, organismo estima queda de 4,5% da economia brasileira, menos que a contração de 8% projetada anteriormente

6 de janeiro de 2021
7:25 - atualizado às 16:48
pib queda
Imagem: Shutterstock

Sob efeito da pandemia, o Brasil deve registrar queda de 4,5% no Produto Interno Bruto (PIB) de 2020, segundo as projeções do Banco Mundial – número bem distante do recuo de 8% previsto em junho.

Para este ano, a estimativa da instituição multilateral é de crescimento de 3% na atividade econômica do País e de 2,5% em 2022.

De acordo com a edição de janeiro do documento Perspectivas Econômicas Globais, o Banco Mundial espera que a recuperação do consumo privado e do investimento no segundo semestre de 2020 no Brasil continue no início deste ano, apoiados pela melhora da confiança e das condições de crédito benignas, o que ajudará a levar a um resultado positivo do PIB neste ano.

"A recuperação deve ser desigual entre os setores: a indústria e a agricultura estão se expandindo mais rapidamente do que o setor de serviços, devido à persistente aversão ao risco entre os consumidores, afetando viagens, turismo e restaurantes, em particular", apontou documento.

A instituição destaca que o ritmo da recuperação nacional deverá diminuir no decorrer deste ano, em parte "devido à retirada dos estímulos monetários e fiscais".

O mundo

O Banco Mundial destacou que a economia global deverá registrar queda de 4,3% em 2020, resultado um pouco melhor do que a previsão de retração de 5,2% feita em junho.

A previsão é de expansão de 4% em 2021 e de 3,8% em 2022. "A recuperação global, no entanto, foi amortecida no curto prazo por um ressurgimento de novos casos de covid-19."

Contudo, a instituição multilateral destaca que a atividade econômica global deve se firmar no médio prazo com a melhora gradual da confiança de famílias e empresários, o que levará ao aumento de consumo e de investimentos sobretudo com a vacinação internacional contra a covid-19.

Por outro lado, adverte que há riscos para a retomada global, especialmente motivados pelo agravamento da disseminação do coronavírus e atrasos na aquisição e distribuição de imunizantes, bem como "estresse financeiro" gerado por alto nível de endividamento de países.

"Mesmo que a recuperação prossiga conforme previsto no cenário-base, a produção global deverá permanecer 4,4 por cento abaixo das projeções pré-pandemia até 2022."

Maiores economias

O Banco Mundial prevê que o PIB dos EUA deve ter registrado contração de 3,6% em 2020, mas deve exibir alta de 3,5% em 2021 e avanço de 3,3% em 2022.

Segundo a instituição, a China deve ter apresentado crescimento de 2,0% no ano passado, que deverá atingir 7,9% em 2021 e 5,2% no próximo ano.

A zona do euro, segundo o Banco Mundial, deve ter registrado retração de 7,4% em 2020 - as projeções são de alta de 3,6% neste ano e de 4,0% em 2022.

No Japão, depois de ter contabilizado uma queda do PIB de 5,3% em 2020, a estimativa é de crescimento de 2,5% em 2021 e de 2,3% no próximo ano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Prepare o bolso

Petrobras diz que manterá ritmo de reajustes nos preços de combustíveis

Um executivo confirmou que não haverá mudanças na política de preços da estatal, que segue sem frequência definida

Educação

Ações da Cogna avançam, mesmo com prejuízo líquido de R$ 90,975 milhões no 1º trimestre

Confira outros destaques do balanço da empresa, que viu uma queda de 18,1% nos investimentos

Exile on Wall Street

As bolsas deixaram os fundamentos de lado esta semana — mas você não deve!

A semana é de resultados, mas não se fala em outra coisa a não ser na alta de juros, após reunião do Copom que levou a Selic para 3,5% ao ano. Além disso, a inflação americana, que veio acima da expectativa, elevou as estimativas de juros futuros nos Estados Unidos.  Com isso, mesmo empresas com […]

esg

BTG e consórcio de investidores compram ativos florestais da Arauco no Chile por US$ 385,5 milhões

Segundo o banco, a transação do TIG envolve cerca de 80,5 mil hectares de áreas florestais de “alta qualidade e com manejo sustentável”, nas regiões do Centro e Sul do país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies