🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Estadão Conteúdo
Entrevista

‘Estados terão de se esforçar mais para não quebrar’, diz líder do Banco Mundial

Martin Raiser defende que Estados adotem medidas como o aumento da contribuição previdenciária dos servidores, reforma da máquina pública e revisão de regras de ajuste automático dos salários

Estadão Conteúdo
11 de novembro de 2018
9:45 - atualizado às 14:41
Martin Raiser
Líder do Banco Mundial, Martin Raise - Imagem: Banco Mundial/Divulgação

À frente do Banco Mundial no Brasil, o alemão Martin Raiser tem uma relação muito próxima com os governadores. Ele defende que os Estados adotem medidas como o aumento da contribuição previdenciária dos servidores, reforma da máquina pública e revisão de regras de ajuste automático dos salários. “Essa discussão, de uma forma ou de outra, chegará a Brasília, porque os Estados vão quebrar”, diz.

• O Brasil passou por uma eleição difícil. Como o sr. vê o cenário daqui para a frente?

Algumas das propostas da equipe econômica do presidente eleito têm confirmado a necessidade de se fazer uma reforma da Previdência e a vontade de desburocratizar e reduzir a intervenção do Estado. O diagnóstico do que o Brasil precisa fazer é bem compartilhado entre os economistas: reforma fiscal, reforma do Estado e aumento de produtividade. O desafio é como fazer.

• Em relatório, o Banco Mundial manifestou preocupação com a crise fiscal. Qual o cenário depois da eleição?

Temos o diagnóstico. O prognóstico vai depender da vontade do Congresso de ajudar o novo governo a fazer o ajuste fiscal. Esse foi o desafio da presidente Dilma, do Temer e vai ser o desafio do governo Bolsonaro. Ele terá de convencer o Congresso a adotar medidas que talvez não sejam populares. E o argumento tem de ser: ‘se não fizermos, a inflação vai voltar e teremos uma crise aguda’. Do lado do Banco, temos apoiado a proposta de reforma (da Previdência) de Temer, que poderia ser aprovada rapidamente. A alternativa é uma proposta mais ampla, mas o governo enfrentaria mais resistência.

• Quais os outros problemas a serem resolvidos?

Com reforma da Previdência e comprometimento com o teto de gastos, se avança bastante no ajuste fiscal. Mas tem uma questão que ainda não foi tratada na discussão pública: a aguda situação fiscal dos Estados. Ela requer a reforma do sistema próprio das aposentadorias dos servidores estaduais e uma proposta que vai ter de ser bem mais radical do que aquela que está agora no Congresso em relação ao regime dos servidores da União. Os governos estaduais terão de fazer um esforço maior, incluindo uma reforma da máquina pública, revendo regras de ajuste automático dos salários. Essa discussão, de uma forma ou de outra, chegará a Brasília, porque os Estados vão quebrar.

• A maioria dos Estados não tem rating (nota de crédito) para acessar as linhas do banco. O que é possível fazer?

Para aqueles que têm rating, continuamos oferecendo financiamento. O volume é menor. Não só nosso, mas de todos os bancos internacionais, porque o volume de garantias concedidas pela União é menor. Para aqueles Estados que não têm nota estamos em discussão com alguns deles para ver se, através de uma assistência técnica de financiamento, podemos aliviar o peso da situação fiscal, fazendo um tipo de programa para financiar o ajuste fiscal dos Estados. Está em discussão. Precisaria de garantia da União e os Estados se comprometeriam com algumas medidas.

• Quais?

Adiar ajustes dos servidores, por exemplo, aumentar a alíquota dos servidores para a contribuição à Previdência, diminuir a taxa de reposição de cargos de servidores que se aposentaram. São medidas nada fáceis. Mas não tem jeito. É preciso saber se os novos governadores vão se comprometer com essa agenda.

• Os governadores não se mobilizaram para aprovar a reforma porque queriam se reeleger?

Com certeza. Mas agora a eleição é passada. Temos novos governadores e os reeleitos. E vamos ter novo Congresso. Agora é o momento de fazer. Uma vez que se tenha essa construção, não vai faltar vontade do Banco Mundial e outros organismos internacionais de ajudar nesse processo.

• Os novos governadores já estão procurando o banco?

Sim. Alguns já vieram a Brasília e outros se manifestaram. Eles têm uma leitura muito realista da situação. Têm pé no chão. Eles reconhecem a necessidade de uma política fiscal disciplinada e de reformas estruturais e de construir a parceria entre a União e Estados para agilizar esse processo. Com certeza, é com parceria que vai ser resolvido esse desafio.

Compartilhe

perspectivas

Banco Mundial prevê PIB global em alta de 5,6% e emergentes em dificuldade; Brasil deve crescer 4,5%

8 de junho de 2021 - 12:04

Em seu relatório Perspectivas Econômicas Globais de junho, contudo, a entidade nota que o avanço é puxado por algumas poucas das principais economias

em recuperação

Banco mundial prevê avanço de 4% no PIB global e de 3% no Brasil em 2021

6 de janeiro de 2021 - 7:25

Para este ano, organismo estima queda de 4,5% da economia brasileira, menos que a contração de 8% projetada anteriormente

Crise vindo aí?

FMI e Banco Mundial adiam reuniões anuais para 2022 por conta da Covid-19

5 de novembro de 2020 - 14:08

As reuniões do FMI e do Banco Mundial normalmente são realizadas por dois anos consecutivos em suas sedes, em Washington (EUA), e no terceiro ano em algum outro país-membro.

ex-ministro

Funcionários do Banco Mundial sobre indicação de Weintraub: ‘Risco de reputação’

25 de junho de 2020 - 18:38

A associação de funcionários subiu o tom. O grupo que representa os trabalhadores do banco afirma que o código de conduta interno prevê recomendações sobre problemas de conduta mesmo em situações prévias ao futuro emprego

ex-ministro da educação

Banco Mundial recebe indicação de Weintraub, mas diz que mandato dura três meses

19 de junho de 2020 - 20:38

O tempo de seu mandato, no entanto, não passaria de três meses. “Se eleito pelo seu constituency, ele cumprirá o restante do atual mandato que termina em 31 de outubro de 2020”

ministro demissionário

Governo oficializa indicação de Weintraub para diretor-executivo no Banco Mundial

18 de junho de 2020 - 20:45

Em nota, a pasta comunicou que o ministro da Educação demissionário foi indicado para a cadeira na diretoria liderada pelo Brasil que representa Colômbia, Equador, Trinidad e Tobago, Filipinas, Suriname, Haiti, República Dominicana e Panamá

crise coronavírus

Banco Mundial projeta queda de 8% do PIB do Brasil em 2020

8 de junho de 2020 - 13:28

Queda dessa magnitude no PIB brasileiro seria a maior em 120 anos, período para o qual o IBGE dispõe de estatísticas

DADO ALARMANTE

Taxa de pobreza deve avançar pela primeira vez desde 1998, diz Banco Mundial

28 de maio de 2020 - 13:14

Em evento virtual organizado pela Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente do Grupo Banco Mundial estimou que a pandemia deve empurrar 60 milhões de pessoas à pobreza.

As consequências da crise

‘Crise pode levar Estado a ter papel maior na economia’, diz economista-chefe do Banco Mundial na AL

17 de abril de 2020 - 13:10

Economista-chefe do Banco Mundial para América Latina e Caribe, Martin Rama, diz que a maior preocupação não deve ser o número recorde de queda do PIB brasileiro, mas sim as consequências para empresas e para a população

Análise

Banco Mundial: países com mais dívida têm menos espaço para agir contra covid-19

13 de abril de 2020 - 7:42

O Banco Mundial destacou a necessidade de ampliar programas sociais para abarcar o maior número possível de trabalhadores que perderão sua fonte de renda devido à paralisação das atividades decorrente do isolamento social recomendado por autoridades de saúde.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies