Menu
Exile on Wall Street
Enzo Pacheco
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-29T11:08:39-03:00
Exile on Wall Street

Mercado de cannabis: um setor com grande potencial — e já é possível ter em seu portfólio

29 de setembro de 2021
11:08
comércio maconha
No final de 2019, a Anvisa liberou a venda desses medicamentos em farmácias, mediante apresentação da receita médica / Imagem: Shutterstock

As pessoas do meu círculo de convivência mais próximo sabem quão empolgado sou de poder trabalhar na Empiricus.

Recordo-me de inúmeras vezes tentar convencer familiares e amigos a assinarem algum conteúdo nosso, entendendo que era algo que poderia ajudá-los (me considero time Empiricus desde que assinei minha primeira série, ao final de 2014). Continuo nessa jornada até hoje, com muito orgulho e afinco. 

Mas, sendo sincero, logo nos meus primeiros meses fui abordado pelo João com um pedido que me deixou preocupado.

“Vamos montar uma carteira para o setor de cannabis?”

Como falei em um Day One anterior, o desejo de me tornar analista sempre teve como linha principal a possibilidade de tentar entender as mais diversas empresas de setores completamente distintos.

Entretanto, daí a passar a analisar negócios ligados a maconha, sinceramente, me pareceu um pouco demais. Estaria eu fadado ao preconceito alheio? Eu me tornaria aquela pessoa que, no evento de família, expressa uma ideia e recebe como resposta aquele “silêncio ensurdecedor”?

Ainda bem que sou analista, senão talvez permaneceria com preconceitos e deixaria de aprender mais sobre essa que acredito ser uma das principais teses de investimento para os próximos anos.  

E entendo que esse nosso impulso foi importante, inclusive, para a discussão do tema na sociedade. Difícil entender como ainda hoje, com indivíduos e profissionais já demonstrando os ganhos de qualidade de vida com o uso de derivados da planta, ainda haja percalços para a obtenção desses produtos e medicamentos de maneira legalizada.

Já houve avanços, todavia: no final de 2019, a Anvisa liberou a venda desses medicamentos em farmácias, mediante apresentação da receita médica.

Como inserir em seu portfólio?

Ainda que o investidor brasileiro não consiga investir em algum negócio do segmento diretamente na B3, hoje já é possível ter uma “pontinha” do seu portfólio nesse setor.

Uma das formas é através do investimento direto nos EUA, com instituições financeiras facilitando o acesso do investidor brasileiro ao mercado americano.

Só que ainda mais simples e prático é poder investir diretamente aqui no Brasil em fundos que apostam nesse segmento.

Para você que não conhece, sugiro estudar um pouco mais sobre as opções que a Vitreo oferece ao investidor, seja o Vitreo Cannabis Ativo, fundo disponível para o público geral, ou o  Vitreo Canabidiol, para investidores qualificados — ambos baseados em nossas ideias do Green Rider, parte da série MoneyRider que trata das oportunidades de investimento no setor.

Entendo ser importante se expor ao segmento por conta do seu grande potencial de crescimento nos próximos anos.  

Projeções otimistas para o setor de cannabis

Segundo a New Frontier Data, em 2020 as vendas globais de cannabis legalizadas (tanto para uso medicinal como recreativo) alcançaram a marca de US$ 23,7 bilhões.

Para 2025, as projeções apontam receita de mais de US$ 51 bilhões, o que significaria um crescimento de 16,6% ao ano.

Isso sem contar que ainda estamos falando de um mercado em que a maior parte dos produtos ainda é adquirida de maneira ilegal: estimativas apontam que, no ano passado, o mercado ilícito de cannabis chegou perto dos US$ 400 bilhões.

Relevante notar que, mesmo sem um mercado legalizado em nível federal, os EUA representam cerca de 85% do mercado mundial de cannabis — por isso entendemos que uma exposição ao setor deve levar em conta uma parcela considerável em ativos na terra do Tio Sam. 

Além disso, outros gatilhos nos EUA podem auxiliar as ações do setor, como a permissão para instituições financeiras oferecerem produtos e serviços para a indústria (o que reduziria o custo de capital das empresas), a listagem dos ativos de companhias americanas nas Bolsas do país (aumentando assim o investimento de investidores institucionais nos papéis) e uma revisão das regras tributárias (em comparação com a “faca no pescoço” de hoje).

No ano, de fato, aqueles que investiram no segmento não estão tendo os melhores resultados: o índice NAMMAR, que representa as companhias norte-americanas de cannabis, cai 5,2% em dólar. Mas, pensando no longo prazo, entendo que este seja um bom ponto de entrada ou de reforço de posição (respeitando, obviamente, sua alocação patrimonial para esse tipo de ativo). 

Eu, inclusive, aproveitei para reforçar a minha. E estou entusiasmado com o futuro do setor. 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ATENÇÃO, ACIONISTA

Hapvida (HAPV3) vai recomprar até 100 milhões de ações; papéis acumulam queda de 17% no ano

A operadora de saúde anunciou hoje que dará início a um programa de recompra de papéis com duração de até 18 meses

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa fecha semana no azul, Nubank valendo bilhões a menos e primeiro ETF cripto dos EUA: veja as principais notícias desta sexta

Em uma limousine brilhante, o Ibovespa chegou atrasado para a festa das bolsas globais — mas chegou.  Os balanços das empresas europeias e americanas abriram as portas do salão de baile: com o bom resultado das companhias, dados mistos da economia e um desenho mais nítido da retirada de estímulos monetários, Wall Street brilhou.  O […]

CRIPTOMOEDAS

Quais as dificuldades na regulamentação do Bitcoin e demais criptomoedas?

Analista de criptomoedas, Valter Rebêlo, comenta sobre o processo de regulamentação das criptomoedas ao redor do mundo

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa tira uma lasquinha da festa das bolsas globais e sobe mais de 1% na semana; dólar recua após atuações do BC

Com uma bolsa descontada após as turbulências recentes, o Ibovespa tinha tudo para chegar cedo nessa festa, mas foi preciso que o Banco Central assumisse a condução para que a B3 tivesse uma chance.

ALGUNS BILHÕES A MENOS

Nubank prepara IPO com listagem na Nasdaq e na B3 até o fim deste ano, mas deve baixar a pedida no valuation

Meses atrás, a startup buscava ir a mercado avaliada em cerca de US$ 100 bilhões; veja o novo valor de mercado segundo o Broadcast

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies