Menu
Exile on Wall Street
Bruno Marchesano
É editor da Empiricus e especialista em fundos de investimento
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-25T10:41:01-03:00
Exile on Wall Street

Análise de fundos e delírio do retorno absoluto

25 de junho de 2021
10:40 - atualizado às 10:41
Análise
Imagem: Shutterstock

No seu livro “O Efeito Halo”, Phil Rosenzweig trata de diversos vieses aos quais estamos expostos na hora de avaliar algo. O mais conhecido é o próprio efeito halo, a tendência de extrapolarmos o desempenho quantitativo do objeto de análise para outras características dele. Por exemplo, uma empresa que apresenta bons resultados, normalmente acaba tendo boas avaliações em quesitos como satisfação dos funcionários, transmissão de cultura e planejamento. Mas a mesma empresa no ano seguinte pode ter péssimos desempenhos, e as justificativas adotadas acabam sendo as mesmas usadas no ano anterior.

Além do efeito halo, o livro cita outros oito “delírios empresariais” que influenciam nossa tomada de decisão. Daria para traçar paralelos com cada um desses delírios, mas há um que merece mais atenção e que acredito que tem sido ignorado pelo investidor de fundos: o delírio do desempenho absoluto. Este trata do costume de se avaliar apenas o resultado absoluto, e não o relativo, do que é analisado, conceito muito bem resumido na citação abaixo:

“O desempenho de uma empresa é relativo, não absoluto. Uma empresa pode melhorar e retroceder mais ao mesmo tempo.”

Talvez você já tenha adivinhado qual o paralelo que vou traçar nos próximos parágrafos, mas siga comigo, veremos se você acertou enquanto descrevo nosso processo de análise e como abordamos o delírio do desempenho absoluto.

Esse processo começa com a análise qualitativa. O primeiro contato com o gestor e sua equipe é sempre cheio de novidades e surpresas. Alguns papos mostram, já de cara, que existem pontos de atenção que impediriam uma recomendação. Em outros, a avaliação é menos óbvia e requer um aprofundamento no case.

Nesses casos, avançamos para uma segunda etapa. Nela, identificamos quais fundos e gestoras teriam estratégias similares — incluindo aquelas que não nos impressionaram — e fazemos uma análise comparativa entre esses pares e o fundo analisado quanto a diversos quesitos, como estrutura, gestão de risco, equipe, processos, etc.

Esse passo é importante, pois nos mostra com quais fundos e classes podemos comparar aquela estratégia. Por exemplo, você acharia correto comparar o IP Participação IPG com um fundo long biased como o Dahlia Total Return? Ambos são classificados como fundos de ações, é verdade, e os dois podem comprar ações no Brasil e nos EUA, mas as similaridades acabam aí. O Dahlia fica comprado nesses ativos, mas também fica vendido, além de operar ativamente juros, câmbio e até mesmo crédito, enquanto o IP não faz nada disso. Por isso não são estratégias comparáveis.

Uma vez que o fundo passe na nossa análise qualitativa e sejam identificados seus pares na indústria, partimos para a próxima etapa, a análise quantitativa.

Caso você não saiba, somos um pouco nerds e não é incomum citarmos artigos científicos e estudos acadêmicos em nossas publicações e newsletters. Por isso, nosso processo de análise quantitativa está em constante evolução e olhamos uma diversidade de métricas, mas as mais relevantes hoje são: performance total, performance em janelas móveis longas, métricas que usam drawdown (histórico de quedas acumuladas) como risco, correlação e análises de risco-retorno. Todas sob um olhar de desempenho absoluto e relativo com relação não só ao benchmark, mas aos seus diversos pares na indústria.

Para ser aprovado na análise quantitativa, o fundo normalmente tem um dos três perfis a seguir: i) gera muito alfa (excesso de retorno sobre seu benchmark), mesmo que com muita volatilidade e grandes quedas no meio do caminho; ii) consistência de alfa, mesmo que pequena, mas que, juntamente com quedas menores e em menor quantidade, resulte, ao longo do tempo, em uma composição de capital interessante; e iii) gera alfa de forma descorrelacionada da indústria, se provando um bom diversificador para a carteira ao ganhar quando os outros perdem.

É engraçado como geralmente já temos uma boa ideia de onde o fundo vai se encaixar antes de fazer a análise quantitativa. Apesar disso, ela é extremamente necessária, pois reforça nosso entendimento sobre a estratégia e os números, que revelam muito mais do que apenas a performance passada.

Eles nos ajudam a encontrar padrões que podem divergir do que o nosso entendimento da estratégia nos leva a crer que deveria acontecer, assim levantando questionamentos importantes com relação ao fundo. Um bom exemplo é quando um gestor passa a impressão de que faz suas alocações sempre usando muita proteção, mas, ao analisar suas quedas, elas não se destacam por serem menos intensas ou com menor duração que as de seus pares.

Os números também nos ajudam a identificar em quais ciclo de mercado um fundo normalmente consegue gerar mais alfa e performar melhor que os pares. Inclusive, é nesse ponto que a segunda parte da frase de Phil pode ganhar destaque: quando um fundo “pode melhorar e retroceder mais ao mesmo tempo”.

Talvez fique mais claro com este exemplo: você investiu em um fundo dez anos atrás e o mantém em sua carteira até hoje. Nos primeiros três anos do investimento, ele retornou 10% ao ano sobre o benchmark. Você notou que, ao longo de janelas móveis de três anos, esse alfa anualizado tem crescido de forma consistente, chegando a 15% na última janela. Contudo, ao aplicar a análise relativa e compará-lo com os pares, você percebe que no início do seu investimento esse fundo estava no primeiro quartil de performance (em uma amostra de 100 fundos, os 25 melhores estão no primeiro quartil), mas hoje está no terceiro quartil.

O fundo teve um retorno absoluto maior nos últimos dez anos, mas piorou na comparação relativa com os pares. As hipóteses são várias. O gestor perdeu sua habilidade de gerar alfa? Ou será que o cenário recente é prejudicial à sua estratégia? E se, no pior dos casos, houve uma mudança de estilo de gestão?

Na série  Os Melhores Fundos de Investimento somos obstinados em responder diariamente, e sem qualquer delírio, a essas e muitas outras perguntas envolvendo o mercado de fundos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

RAIO-X NA CRIPTO

Solana (SOL): De queridinha do mercado à queda de quase 50%; o que está por trás do ‘apagão’ da blockchain da criptomoeda?

A rede vem sofrendo diversos ataques hackers, o que fez as transações ficarem tão lentas a ponto dos investidores acharem que a blockchain estava fora do ar

ACORDO BILIONÁRIO

Embraer (EMBR3) recebe encomenda de aeronaves de mais de R$ 21 bilhões da norte-americana Azorra

Com a entrega dos modelos em 2023, o portfólio da Azorra passará a ter 41 aeronaves da Embraer

PREPARE O BOLSO

O IPTU 2022 ficou mais caro em SP — veja até quando é possível pagar com desconto os boletos que chegam a partir de hoje

O prazo máximo para quitar o imposto varia de acordo com a data limite de recebimento dos boletos, que chegarão entre hoje e 18/02

Novo flerte?

Acionista da Aliansce vai ao “shopping” da bolsa e compra 5,76% da BR Malls após empresa rejeitar fusão

Fundo canadense CPPIB, que integra o bloco de controle da Aliansce Sonae, agora também é acionista relevante da brMalls

BLINK!

Vender Nubank (NUB33)? O que esperar do IPO da Creditas? Eleições 2022? Bitcoin (BTC) ou Microcoins? Saiba sobre esses assuntos e muito mais no BLINK!

Felipe Miranda, estrategista-chefe e CIO da Empiricus, responde às perguntas dos seus seguidores, acompanhe

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies