Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CIO da Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-15T11:30:15-03:00
Exile on Wall Street

Compulsão à repetição do investidor: além do princípio do prazer

15 de junho de 2021
11:24 - atualizado às 11:30
Trader
Imagem: Shutterstock

Ana Clara teve um pai machista e opressor. Ressentia-se daquilo. A perda da liberdade na adolescência até o início da fase adulta a forçou a sair de casa cedo. Sentia-se angustiada, cuja etimologia vem de constrição, falta de ar, sufoco. Sonhava com a possibilidade de formar uma família mais arejada, liberal e afetuosa.

Era bonita e inteligente. Não teve dificuldades para encontrar namorados legais, divertidos e igualmente bonitos e inteligentes. Terminou com todos. Acabou casando com um bronco, depois de sucessivas depressões catalisadas pelos rompimentos e por incursões em aventuras homossexuais malsucedidas. A verdade é que ela, sem perceber, não tolerava a liberdade. Seu inconsciente a empurrava para a mesma situação da infância. Reproduzia o fenômeno da infância, como se pretendesse preencher, de maneira não deliberada, alguma lacuna dos primeiros anos de vida.

José nasceu em berço de ouro. Seu pai era um grande empresário, muito bem relacionado e com uma intuição apurada. A firma da família acabara se envolvendo num grave escândalo de corrupção. Parte dos diretores da companhia acabou presa. Por lealdade de Severo, o patriarca foi preservado do cárcere, embora tenha terminado enjaulado no próprio labirinto mental. Jamais se perdoaria pela destruição financeira e, simultaneamente, afetiva do seio familiar. 

Como primogênito, José foi quem mais vivenciou as mazelas decorrentes da falta de dinheiro. Percebia a deterioração patrimonial a partir da qualidade do guardanapo que repousava sobre a mesa ao lado dos talheres — o novo tipo de papel se desfazia no encontro com a boca.

Prometeu a si mesmo que reconstruiria o patrimônio familiar. Se o pai viera do zero e ficara rico, ele também poderia fazê-lo, sem, no entanto, incorrer no mesmo erro. Se conseguisse subir na vida, jamais se envolveria com empresas estatais e teria educação financeira suficiente para desviar de possíveis surpresas inerentes aos ciclos econômicos. Conseguiu a primeira parte da promessa autoproclamada. Perdeu seus R$ 10 milhões quando a crise da Covid obrigou o fechamento de sua rede de restaurantes self-service. É difícil vacinar-se contra si mesmo.

“What you fear the most could meet you half way”, nos lembra Eddie Vedder. Aquilo que mais tememos pode nos encontrar bem no meio da estrada. Mais do que isso, sem querer, nós mesmos acabamos caminhando em direção aos fantasmas do passado. 

A compulsão à repetição é originalmente postulada por Freud em 1914, em “Recordar, repetir e elaborar”, para depois ser mais bem desenvolvida em “Além do princípio de prazer”, de 1920. 

Ela aparece muito frequentemente quando se fala da toxicomania. O vício em drogas é, de fato, um problema grave. Mas a compulsão está presente em outros elementos do dia a dia, como se estivéssemos condenados a perseguir e repetir um desejo não realizado indefinidamente, num outro tipo de Dia da Marmota.

Estudos com essas plataformas de trading, tipo Nelogica, Tryd e outras parecidas, mostram que uma parte de traders mais ativos passa, em média, quatro horas por dia, depois de o mercado já ter fechado, simulando operações em backtesting. É absolutamente doentio.

Outros checam seus home brokers várias e várias vezes ao dia, mesmo autodenominando-se investidores de longo prazo e seguidores da disciplina de Warren Buffett — eu me pergunto o quanto uma empresa pode ter mudado da manhã para a tarde.

Esses são os casos mais clichês e estereotipados. Há nuances na tendência à repetição, em que mesmo investidores muito sofisticados acabam incorrendo. 

Alguns erros frequentemente repetidos e tipificados podem ser evitados — já que estamos no escopo da psicanálise, tento apelar para imagens do cotidiano e mitos, como forma de elaborarmos melhor a coisa e tentarmos fixá-las em nosso subconsciente:

  1. A corrida atrás do rabo: com o mercado muito temático, um dia sobe tech, no outro só sobe banco e commodity. Se o investidor tentar adivinhar qual vai ser o tema de amanhã, pode acabar andando em círculo e chegando para o Carnaval na Quarta-feira de Cinzas. Foque em uma estratégia diversificada e admita que haverá dias ruins e algumas ações perdedoras na sua carteira. Importa sempre o consolidado a longo prazo. Aprender a perder e a ter paciência.
  2. O gato por lebre: com muitas ações de commodities negociando a múltiplos bem depreciados, vem à minha cabeça situação semelhante à que vivemos cerca de dez anos atrás. O que parecia muito barato era, na verdade, um final de ciclo. As commodities subjacentes caíram de preços de maneira substancial e aqueles múltiplos baixos viraram altos rapidinho. Aqueles que não representavam o menor custo de produção e estavam razoavelmente alavancados tiveram sérios problemas.
  3. O voo de Ícaro: cuidado para não sair voando se a janela ao seu lado se abrir. Não é porque você está ganhando dinheiro que isso permite abaixar a guarda, perder a disciplina, se achar um herói, concentrar muito e se alavancar. Pode ser apenas um bull market, e mesmo os melhores gestores do mundo cometem erros. Você é tão bom quanto seu último trade.
  4. O fígado de Prometeu: se você vai dormir todos os dias sentindo uma bicada de um pássaro na sua região abdominal por conta do comportamento dos mercados, provavelmente está com posições maiores do que deveria em ativos de risco. Durma bem.
  5. Sísifo moderno: se você percebe a construção patrimonial como uma tarefa repetitiva e enfadonha, em que você empurra uma pedra até o alto da montanha, para ela cair de novo e você ser obrigado a repetir o ciclo, ótimo, você está no caminho certo.
  6. Árvores não crescem até o céu: não tome o anúncio de recorde histórico do Ibovespa como um prognóstico de que isso continuará subindo. Provavelmente, aliás, muita coisa já ficou cara e você deveria ser mais seletivo.
  7. Para encerrar, não poderia ser diferente: O complexo de Édipo. Não há espaço para gente mimada, egocêntrica e complexada na B3. Deixe a paixão pela mamãe em casa e haja como um adulto ao investir.
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Garantindo a oferta

Crescem ofertas de ações com reserva antecipada

As ancoragens normalmente conseguem atrair mais investidores, numa espécie de chancela prévia, com potencial impacto positivo no preço da ação.

alto escalão

Fleury: CFO Fernando Leão renuncia ao cargo e será substituído por José Filippo

O Fleury informou que os dois executivos trabalharão juntos em um processo de transição estruturado que se terminará em dia 31 de agosto.

brumadinho

Sindicato recorre e indenização da Vale pode chegar a R$ 3 mi a cada morto em MG

Em nota, a Vale reiterou que está comprometida em indenizar as famílias das vítimas da tragédia de Brumadinho de “forma rápida e responsável”

A bolsa como ela é

3 pegadinhas em balanços de empresas da bolsa que você deve ficar de olho

Não precisa ser um Sherlock Holmes para avaliar os resultados de empresas listadas – embora o trabalho de analista guarde muitas semelhanças com o de um detetive

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies