Menu
André Franco
Crypto News
André Franco
É engenheiro e especialista em criptomoedas da Empiricus
2021-05-05T18:45:11-03:00
CRYPTO NEWS

O mercado está cheio de bitcoin, mas as prateleiras estão vazias

O fluxo de saída da criptomoeda mais famosa das exchanges é algo inédito deste ciclo e pode representar a falta do ativo nas exchanges de cripto

5 de maio de 2021
18:45
Bitcoin
Imagem: Shutterstock

Não é de hoje que falamos que vai faltar bitcoin no momento em que os investidores institucionais retardatários não apenas quiserem, mas tiverem que comprá-lo.

De maneira bem objetiva, o fluxo de saída dos bitcoins das exchanges é algo inédito deste ciclo e pode representar a falta do ativo nas exchanges de cripto.

Saldo de bitcoin nas principais exchanges do mundo (linha laranja) — média móvel de 90 dias. Fonte: Glassnode

Não houve outro momento na história do bitcoin em que a força do investidor de longo prazo (que guarda o ativo fora das exchanges) fosse maior que a do especulador (que deixa a moeda na corretora).

Como exemplo de corretora de investidores institucionais (de longo prazo), temos a Coinbase, que reconhecidamente tem sido a que melhor representa esse movimento de saída do ativo.

Saldo de bitcoin na Coinbase (linha laranja) — média móvel de 90 dias
Fonte: Glassnode

Na outra ponta temos a Binance, que é sabidamente uma corretora que foca no investidor de varejo e é responsável pelo movimento de entrada.

Saldo de bitcoin na Binance (linha laranja)— média móvel de 90 dias
Fonte: Glassnode

Essas duas forças sempre estiveram em embate, mas desde 2020, felizmente, o ciclo mostra que os investidores institucionais são os que têm o maior volume de investimento e estão ditando o movimento deste ciclo.

E a queda do mercado no fim de abril nos deu um gostinho de como isso pode funcionar daqui em diante.

Jeff Dorman, CIO da Arca, fundo de investimento em criptoativos, comentou em uma de suas últimas postagens que os “ativos digitais estavam à venda, mas as prateleiras estavam vazias”. 

Segundo Dorman, os preços caíram, mas quando eles tentaram fazer algumas operações de compra, não havia quantidade suficiente do ativo para adquiri-lo sem causar um grande movimento da cotação para cima.

Esse provavelmente é o primeiro sintoma de falta de liquidez do bitcoin, que, caso encontre uma alta demanda, pode ter seu preço positivamente afetado.

Ao que tudo indica, essa nova forte alta pode acontecer no atual semestre. Isso porque, segundo a imagem abaixo, os investidores de longo prazo voltaram a acumular o ativo.

Posição em mãos de investidores de longo prazo
Fonte: Glassnode

Além disso, o histórico do bitcoin, tanto o mais recente quanto o do ciclo passado, nos mostra que esse movimento foi um prenúncio de novas altas.

Parece que o desenho que está se formando agora pode levar o ativo para um novo patamar de preço, atingindo até a marca dos US$ 70 mil ainda neste semestre, ou dos US$ 100 mil.

Fico na expectativa de que você já tenha se exposto a essa tese. Caso contrário, fica o convite para entrar no Empiricus Crypto Legacy.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies