🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Panorama

Está na hora de reabrir os shoppings na sua carteira de ações apesar da segunda onda da covid?

Comprar as ações de administradoras pode ser uma forma de se antecipar à reabertura da economia, mas um eventual agravamento da pandemia pode pesar ainda mais sobre o setor

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
24 de março de 2021
6:01 - atualizado às 13:40
Shopping Iguatemi JK, em São Paulo
Shopping Iguatemi JK, em São Paulo - Imagem: Shutterstock

Com ampla circulação de pessoas e atividades que não são consideradas essenciais, os shopping centers entraram na lista de locais que foram fechados para conter o avanço da pandemia do coronavírus.

As medidas necessárias de isolamento cobraram seu preço nos resultados e nas ações do setor no ano passado. E o ensaio de recuperação observado no último trimestre de 2020 foi interrompido pela nova onda de casos da covid-19, que impôs uma nova leva de medidas de restrição à circulação em praticamente todo o país.

Tudo parece conspirar contra, mas na visão dos analistas, ainda que os shoppings estejam fechados, essa pode ser a hora de você reabrir a sua carteira para ações do setor.

Hoje menos de 5% dos shoppings brasileiros operam sem nenhum tipo de restrição. Isso significa que os resultados das administradoras devem seguir ruins no curto prazo, em particular nos números do primeiro trimestre deste ano.

A principal receita das administradoras vem dos aluguéis cobrados dos lojistas. Com o fechamento, as operadoras provavelmente só cobrarão o aluguel proporcional ao tempo de operação dos shoppings, conforme destacaram os analistas da XP Investimentos.

Esse temor com as empresas se reflete nas ações do setor, que apresentam um desempenho 15% abaixo do Ibovespa nos últimos seis meses, de acordo com os cálculos do Credit Suisse.

Mas se a trajetória dos papéis nas bolsas lá fora for um bom indício do que pode acontecer, talvez essa seja justamente a hora de comprar. Desde novembro, as ações de shoppings nos Estados Unidos e Europa superam os índices de referência em 75%.

Comprar as ações seria, portanto, uma forma de se antecipar à futura reabertura da economia, que deve acontecer à medida que a proporção da população vacinada aumentar.

O Credit Suisse tem recomendação de compra para as ações da Multiplan (MULT3) e Iguatemi (IGTA3) e neutra para brMalls (BRML3) e BR Properties (BRPR3).

É claro que existem riscos de que as ações caiam ainda mais em um cenário de agravamento da pandemia que obrigue a um fechamento dos shoppings por um período ainda maior.

Mas na visão do Credit Suisse, o pior “definitivamente ficou para trás” e os lucros devem voltar a crescer assim que o fluxo de consumidores voltar.

Os analistas do BTG Pactual têm visão semelhante. “Apesar de um curto prazo difícil, a normalização pode estar próxima (a vacinação é uma realidade) e as ações parecem muito atraentes”, escreveram, em relatório a clientes.

O BTG tem recomendação de compra para Aliansce Sonae (ALSO3), brMalls (BRML3), Iguatemi (IGTA3), Cyrela Commercial Properties (CCPR3) e JHSF (JHSF3) e neutra para Multiplan (MULT3).

O otimismo dos analistas, contudo, contrasta com um maior ceticismo do mercado. Uma amostra é a alta proporção de ações alugadas — uma forma de ganhar com a aposta na queda dos papéis — que se encontra no mesmo nível do início da pandemia, de acordo com o Credit.

Leia também:

Menos pandemia, mais fundamentos

Os preços descontados podem até justificar a compra das ações de shoppings, mas no fim do dia o que interessa é a qualidade dos ativos, e não a perspectiva da reabertura, me disse Rodrigo Heilberg, sócio-fundador da HIX Capital.

É justamente com essa visão que a gestora tem posição na Iguatemi. Mas em vez de investir diretamente na companhia, a HIX detém os papéis da Jereissati Participações (JPSA3), holding controladora da empresa de shoppings.

Basicamente, trata-se de uma forma de comprar Iguatemi por um valor ainda menor. O desconto da holding em relação aos papéis da empresa está hoje na casa de 32%, nos cálculos do gestor.

Mesmo antes da pandemia, parte do mercado se questionava sobre o futuro dos shoppings, principalmente diante do estrago com o “efeito Amazon” nos Estados Unidos, que derrubou o movimento nas lojas.

Com o avanço forçado do comércio eletrônico durante a quarentena, será que os shoppings brasileiros podem ter o mesmo destino e perder a relevância no consumo? A visão que predomina é que não.

Primeiro, porque os centros de compra aqui também têm uma característica importante de lazer. Quem não sente falta do velho programa de assistir a um bom filme no cinema e depois comer na praça de alimentação?

O bom resultado das vendas no quarto trimestre do ano passado, quando as lojas operaram praticamente sem limitações, é outro fator que justifica a visão de que os shoppings devem seguir como local importante de consumo depois da pandemia.

Quem quiser saber mais sobre o panorama para o setor de shopping centers poderá acompanhar a transmissão ao vivo da entrevista do Seu Dinheiro com o CEO da JHSF, Thiago Alonso. A live está marcada para esta quinta-feira, às 19h.

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa vai na contramão do exterior e fecha em queda, aos 129 mil pontos; dólar avança a R$ 4,99

23 de fevereiro de 2024 - 7:22

RESUMO DO DIA: O Ibovespa terminou a sessão desta sexta-feira (23) na contramão dos mercados globais, com um recuo de 0,63%, aos 129.418 pontos. Por sua vez, o dólar acelerou os ganhos e encerrou o dia em alta de 0,81%, negociado a R$ 4,9930 no mercado à vista. O principal índice da B3 até operou […]

APÓS CANETADA DO GOVERNO

Gestora do MXRF11 diz que fundos imobiliários de papel podem lucrar com as novas regras de CRIs

22 de fevereiro de 2024 - 14:10

Uma resolução do CMN lançada neste mês restringiu as regras para emissão dos títulos, o que tem criado oportunidades de ganho para FIIs, segundo a XP

MINERAÇÃO

Horas antes de balanço e possível definição sobre CEO, Vale (VALE3) anuncia compra de 15% de subsidiária da Anglo American no Brasil por R$ 776 milhões

22 de fevereiro de 2024 - 10:34

Vale divulgará os resultados do quarto trimestre de 2023 depois do fechamento do pregão desta quinta-feira

DÉBITO OU CRÉDITO

Minoritários querem que Bradesco e BB paguem (bem) mais para fechar o capital da Cielo (CIEL3)

22 de fevereiro de 2024 - 9:29

Gestoras que possuem 10% do capital da Cielo avaliam que Bradesco e Banco do Brasil deveriam pagar até 61% a mais pelas ações da empresa

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa fecha em leve alta, com pressão de Weg (WEGE3) e Petrobras (PETR4); dólar sobe a R$ 4,95

22 de fevereiro de 2024 - 7:33

RESUMO DO DIA: O otimismo dos mercados internacionais contagiou a bolsa brasileira nesta quinta-feira (21) — e tudo por conta do balanço da Nvidia. Com a ajuda da gigante dos chips de inteligência artificial, o Ibovespa pegou o embalo de Nova York e encerrou o dia em alta de 0,16%, aos 130.240 pontos. Enquanto isso, […]

VEJA QUAL

Adeus, Nubank: Itaú BBA tira fintech da carteira Top 5 e coloca ações de outro banco no lugar

21 de fevereiro de 2024 - 15:29

Os analistas ainda gostam da tese do banco digital, mas preferiram realizar lucro e buscar uma opção mais defensiva para o cenário atual

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa fecha em alta e atinge os 130 mil pontos após alívio em Wall Street; dólar sobe a R$ 4,93

21 de fevereiro de 2024 - 7:24

RESUMO DO DIA: Até poucos minutos antes do fechamento dos mercados, era quase certo que a sessão desta quarta-feira (21) terminaria tingida de vermelho. Mas nos 45 minutos do segundo tempo, a bolsa brasileira conseguiu inverter a trajetória e marcar um tímido avanço. O Ibovespa encerrou em leve alta de 0,09%, aos 130.031 pontos. Por […]

O CÉU É O LIMITE

Ouro a US$ 3 mil? Essa realidade está próxima, segundo um bancão de Wall Street — e o Brasil tem “culpa” nisso

20 de fevereiro de 2024 - 18:59

O Citi analisou o mercado global e aponta os gatilhos para que o metal precioso suba 50% em cerca de um ano e o petróleo volte para os três dígitos

QUE HORAS ELE VOLTA?

Fim da seca de IPOs na B3 é questão de tempo, diz Anbima. Mas o que adiou a retomada das aberturas de capital?

20 de fevereiro de 2024 - 17:25

Queda da Selic favorece a volta dos IPOs na bolsa, mas juro nos EUA retardou movimento, de acordo com a Anbima, associação das instituições do mercado de capitais

VOTO DE CONFIANÇA?

Bradesco (BBDC4): por que este banco estrangeiro deixou de recomendar a venda das ações

20 de fevereiro de 2024 - 10:38

Ações do Bradesco (BBDC4) acumulam queda de 18% desde a divulgação dos resultados do quarto trimestre, com números muito abaixo da expectativa do mercado

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies