Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-01T08:12:48-03:00
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: inflação dos EUA deve movimentar bolsa hoje, enquanto Roberto Campos Neto fica no radar

Além disso, a desaceleração econômica segue chamando a atenção dos investidores, e as perspectivas não são das melhores para outubro, com dados pesados no dia de hoje

1 de outubro de 2021
8:00 - atualizado às 8:12
A inflação dos EUA, medida pelo PCE, é um dos destaques do dia; saiba o que movimenta bolsa hoje
Imagem: Shutterstock

Setembro chegou ao fim e a entrada de outubro não deve ser com o pé direito para a bolsa brasileira. No pregão da última quinta-feira (30), o Ibovespa fechou o dia em queda de 0,11%, aos 110.979 pontos, enquanto o dólar avançou 0,29%, a R$ 5,4462.

E as perspectivas não são das melhores para esta sexta-feira (1º), com os principais índices mundiais pressionados pela retomada econômica de importantes economias como China e Estados Unidos. A ameaça de “apagão” de parte das atividades dos EUA ainda é uma ameaça, mesmo com a nova medida de Joe Biden

Por falar em Estados Unidos, o grande dado do dia é a inflação norte-americana (PCE, em inglês), que deve registrar alta por mais um mês. Esse dado é utilizado pelo Federal Reserve para decidir sobre a política de compra de ativos, e pode influenciar diretamente nos primeiros passos do tapering, a retirada desses estímulos. 

No cenário local, as falas do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, devem trazer maiores detalhes sobre os próximos passos da instituição financeira contra a inflação, tendo em vista que a meta de avanço dos preços para este ano ficou para trás há muito tempo.

Dança das cadeiras do Orçamento

Existe uma sobra de R$ 9,5 bilhões do Bolsa Família que deve ser usada para pagar outras despesas primárias do governo. De acordo com o Broadcast, essa folga no Orçamento se deve à migração de beneficiários do programa, que fica dentro do teto de gastos, para o auxílio emergencial, gasto fora do teto.

Essa “triangulação” das de gastos e créditos é alvo do Tribunal de Contas da União (TCU). Para a corte, esses recursos devem ser empregados em outros programas de caráter social e não para o pagamento de despesas correntes do governo.

O “queijo” da estatal

As ameaças de interferência na Petrobras não param desde semana passada. Desta vez, o presidente da República Jair Bolsonaro sugeriu usar dividendos da empresa para segurar preços dos combustíveis.

A alta nos preços ocorre devido a uma valorização do barril de petróleo Brent, usado como referência pela Petrobras, e uma alta do dólar. Entretanto, Bolsonaro segue com a popularidade em baixa e deve tentar aprovar um “pacote de bondades”, como foi o caso do vale gás nos últimos dias. 

Mas essas medidas são criticadas pelos especialistas, que veem um gasto acima do esperado em um Orçamento já apertado para o ano que vem. O aumento do IOF, por exemplo, foi uma medida que pegou todos de surpresa, em mais uma investida para tentar o pagamento do Auxílio Brasil dentro do teto.

Pautas como a PEC dos precatórios e a reforma do Imposto de Renda devem dar o espaço necessário no Orçamento para o Auxílio Brasil de R$ 300 em média. As medidas precisam ser aprovadas até dezembro deste ano para passarem a valer em 2022, mas os textos seguem travados no Congresso.

Destaques do dia: atividade industrial e Roberto Campos Neto

O investidor nacional deve seguir de olho nos desdobramentos das medidas que ameaçam o teto de gastos, enquanto fica de olho na atividade industrial brasileira, medida pelo PMI. Acima dos 50 pontos, o indicador registra expansão das atividades e, abaixo, retração.

A expectativa é de que o PMI industrial brasileiro recue para 53,6, uma queda de 3,1 pontos em relação à medição anterior. As atenções do investidor também devem ficar nas falas do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em evento do Morgan Stanley.

A instituição financeira já afirmou que a meta da inflação para este ano não será cumprida. No Relatório Trimestral da Inflação, divulgado ontem (30), o BC afirma que deve aumentar ainda mais a Selic para cumprir a nova meta. 

Teto da dívida dos EUA

O presidente americano Joe Biden assinou na noite de ontem (30) um documento que previne o “apagão” nas contas do governo. Enquanto isso, a briga pelo limite do teto da dívida norte-americana continua no Congresso.

Um dos senadores chave para aprovar o tema na Casa, Chuck Schumer afirmou que há um acordo para que o limite da dívida seja aumentado e o texto deve sair na próxima semana. A ameaça de shutdown do governo impediria o pagamento de servidores públicos, bem como cessaria a restituição de impostos.

Fique de olho: inflação, atividade econômica e sentimento do consumidor

No pregão de hoje, o investidor internacional deve ficar atento aos números de inflação ao consumidor (PCE, em inglês). De acordo com projeções de especialistas do Broadcast, o indicador deve avançar 0,4% em julho, enquanto o Núcleo do PCE deve subir 0,2% na comparação mensal. 

Além disso, a atividade econômica, medida pelo índice do gerente de compras (PMI, em inglês) deve registrar expansão da atividade industrial dos EUA. As projeções apontam que o PMI deva cair de 60,5 para 61,1, uma redução em relação ao mês anterior mas ainda assim acima dos 50 pontos. 

No radar, o sentimento do consumidor em setembro também deve indicar as próximas tendências para outubro. 

Bolsas pelo mundo

As bolsas da China e de Hong Kong não abriram nesta sexta-feira em virtude do feriado local, mas os demais índices asiáticos encerraram a sessão em baixa, puxados principalmente por Wall Street.

Na Europa, as bolsas recuam após dados locais pressionarem os negócios. A inflação ao consumidor (CPI, em inglês) veio pouco acima do esperado (3,4% contra 3,3% nas projeções), o que deve pressionar as ações por lá. 

Por fim, os futuros de Nova York apontam para uma abertura em baixa hoje, após uma costura de acordos para impedir o apagão nas contas do governo. 

Agenda do dia

  • FGV: IPC-S de setembro (8h)
  • Estados Unidos: Índice de preços de gastos com consumo, medidos pelo PCE e Núcleo do PCE (9h30)
  • Brasil: PMI industrial de setembro (10h)
  • Estados Unidos: PMI industrial final de setembro (10h45)
  • Banco Central: Presidente do BC, Roberto Campos Neto, profere palestra sobre cenário macroeconômico brasileiro em webinar promovido pelo Morgan Stanley (11h)
  • Estados Unidos: Índice de sentimento do consumidor em setembro (11h)
  • Economia: Balança comercial de setembro (15h)
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ATENÇÃO, ACIONISTA

Hapvida (HAPV3) vai recomprar até 100 milhões de ações; papéis acumulam queda de 17% no ano

A operadora de saúde anunciou hoje que dará início a um programa de recompra de papéis com duração de até 18 meses

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa fecha semana no azul, Nubank valendo bilhões a menos e primeiro ETF cripto dos EUA: veja as principais notícias desta sexta

Em uma limousine brilhante, o Ibovespa chegou atrasado para a festa das bolsas globais — mas chegou.  Os balanços das empresas europeias e americanas abriram as portas do salão de baile: com o bom resultado das companhias, dados mistos da economia e um desenho mais nítido da retirada de estímulos monetários, Wall Street brilhou.  O […]

CRIPTOMOEDAS

Quais as dificuldades na regulamentação do Bitcoin e demais criptomoedas?

Analista de criptomoedas, Valter Rebêlo, comenta sobre o processo de regulamentação das criptomoedas ao redor do mundo

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa tira uma lasquinha da festa das bolsas globais e sobe mais de 1% na semana; dólar recua após atuações do BC

Com uma bolsa descontada após as turbulências recentes, o Ibovespa tinha tudo para chegar cedo nessa festa, mas foi preciso que o Banco Central assumisse a condução para que a B3 tivesse uma chance.

ALGUNS BILHÕES A MENOS

Nubank prepara IPO com listagem na Nasdaq e na B3 até o fim deste ano, mas deve baixar a pedida no valuation

Meses atrás, a startup buscava ir a mercado avaliada em cerca de US$ 100 bilhões; veja o novo valor de mercado segundo o Broadcast

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies