Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-12T21:04:38-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
PAPO CRIPTO #005

O homem que previu a crise do subprime de 2008 pode estar certo mais uma vez sobre a “bolha” das stablecoins?

A legislação americana em cima das moedas com lastro e um “grande inverno” pela frente podem acabar com a farra das altcoins

13 de novembro de 2021
6:30 - atualizado às 21:04
Renan Sousa e Marcelo Miranda lado a lado de braços cruzados
As moedas com lastro estão na mira dos órgãos reguladores dos EUA - Imagem: Montagem Andrei Morais / Envato

Antes da pior fase da crise de 2008, que culminou com a quebra do banco Lehman Brothers, o médico Michael Burry fez um diagnóstico que ia na contramão do consenso. Ele apostou em uma quebra do mercado imobiliário americano — enredo que é contado no filme A Grande Aposta (The Big Short, em inglês).

Meses depois, a bolha estourou e Burry entrou para a história com alguns milhões no bolso. 

Mais recentemente, o mesmo Burry começou a criticar mais intensamente o mercado de criptomoedas, alegando que existe uma alavancagem muito alta com as stablecoins, as moedas com lastro em uma divisa real, como o dólar.

Em outras palavras, as pessoas tomam dinheiro emprestado para investir em criptomoedas, o que, na visão dele, pode levar a uma implosão do mercado durante um ciclo de baixa.

Será que Burry vai acertar novamente? E quais os efeitos do estouro dessa possível "bolha" para o mundo cripto?

“Se o mercado entrar em um bear market momentâneo, a gente pode ver esse efeito dominó grave, mas eu ainda não vejo nenhum sinal de que isso está prestes a acontecer”, afirma Marcelo Miranda, fundador da holding Finchain e com mais de 20 anos de experiência no mercado financeiro tradicional.

Em entrevista ao Papo Cripto, ele destaca o otimismo do mercado de criptomoedas para o final do ano, mas ressalta que um momento de baixa nas cotações pode ser mais duro do que o “grande inverno” de 2018 e 2019. 

Os perigos de uma regra dura

Os Estados Unidos estão em um momento de discussão sobre a regulamentação de stablecoins. Na visão das autoridades, essas moedas são muito parecidas com os bancos, portanto deveriam ser enquadradas nas mesmas regras de instituições financeiras

Mas as leis que regulam os bancos nos Estados Unidos são consideradas muito rígidas, o que pode fazer com que algumas empresas busquem outros países para desenvolver seus projetos em stablecoins — e essa movimentação pode afetar diretamente o preço de criptomoedas como o bitcoin (BTC) e o ethereum (ETH). 

No Papo Cripto #006, o fundador da holding Finchain e eu comentamos os principais assuntos que movimentaram o mercado de criptomoedas. Na entrevista, Miranda também comenta o motivo pelo qual prefere o ethereum (ETH) ao bitcoin (BTC). 

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies