Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-03T20:43:20-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DA SEMANA

Não faltaram decepções: Ibovespa recua mais de 3% na semana, com economia vacilante e tensão antes do 7 de setembro

O Ibovespa teve uma semana e tanto. A variante delta começa a mostrar que pode ser um risco efetivo para a economia global, enquanto Brasília se prepara com receio para o feriado.

3 de setembro de 2021
19:17 - atualizado às 20:43
A variante delta, em forma de um meteoro, vai em direção à Brasília
A variante delta começa a se refletir nos dados econômicos e assusta o mercado financeiro. Enquanto isso, Brasília segue sendo a pedra no sapato do Ibovespa - Imagem: Shutterstock, com intervenções de Andrei Morais

Não tem como negar que a semana foi de decepções e de concretização de uma profecia que muito vinha perturbando o mercado financeiro nos últimos meses — os estragos que a variante delta pode fazer. 

Dados econômicos diversos da China, Europa e Estados Unidos mostram uma recuperação mais lenta do que o esperado e os primeiros sinais do que a variante delta pode causar. A lentidão na economia pesa nas commodities, já que a retomada da demanda fica cada vez mais incerta, mas a cereja do bolo veio hoje. 

O payroll, relatório com dados do mercado de trabalho americano, frustrou em muito a expectativa do mercado, com impacto direto da nova variante do coronavírus, confirmando os temores expressados por Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, em seu discurso feito na semana passada. 

Ao mesmo tempo que os números confirmam uma recuperação mais lenta, também indicam que o Fed pode demorar para retirar os estímulos. Os investidores locais até tentaram pegar carona em algum otimismo, mas por aqui os números da semana não foram melhores. 

O Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre recuou, a produção industrial caiu e o país segue com mais de 14 milhões de desempregados. Além disso, a saúde fiscal brasileira segue comprometida e as reformas parecem ainda distantes de serem aprovadas. 

Isso sem falar na mordida do Leão na distribuição de lucros e dividendos. Apoiado na alta do setor de commodities, o Ibovespa conseguiu fechar o dia em alta no último minuto, avançando 0,22%, aos 116.933 pontos, mas o acumulado da semana mostra uma queda de 3,10%. Para Marcio Lórega, gerente de research do Pagbank, o Ibovespa pode não ter chegado ao seu fundo ainda e só deve engatar um movimento de alta mais expressivo se engatar uma alta acima dos 121 mil pontos. 

O dólar à vista fechou a sexta-feira praticamente estável, em leve alta de 0,03%, a R$ 5,1845, com um leve recuo de 0,21% na semana, mas os últimos dias foram de grande volatilidade para a moeda americana, que exibiu um forte fluxo comprador nas últimas sessões. Hoje, o resultado foi influenciado pela redução de liquidez nos Estados Unidos, já que na segunda-feira (6) é feriado por lá. 

A curva de juros seguiu inclinando e já mostra novamente os vencimentos para janeiro de 2027 acima dos 10%. Os últimos dias foram complicados, mas eles podem ficar ainda mais. O feriado de 7 de setembro se aproxima e, com ele, o temor de que a crise institucional que reina em Brasília ganhe novos capítulos. 

Não é de hoje que o presidente Jair Bolsonaro faz ameaças e tenta insuflar seus apoiadores para as celebrações do dia da Independência. Hoje ele voltou a flertar com uma ruptura institucional indigesta ao mercado. 

Em uma tentativa de ganhar mais apoio para os atos do dia da Independência, o presidente disse que não irá sair das linhas da Constituição, mas que "duas pessoas precisam entender o seu lugar", sem citar diretamente os desafetos Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, ministros do Supremo Tribunal Federal.

A movimentação do chefe do Executivo, somada às dificuldades que o governo tem tido para a aprovação de reformas e privatizações, aumenta ainda mais a cautela do mercado com relação aos riscos político e fiscal. Veja como fecharam os principais vencimentos dos DIs:

  • Janeiro/22: de 6,85% para 6,84%
  • Janeiro/23: de 8,67% para 8,67%
  • Janeiro/25: de 9,77% para 9,83%
  • Janeiro/27: de 9,93% para 10,30%

Depois de uma semana de muita especulação e mal estar, o Banco do Brasil anunciou que não irá se retirar da Febraban. E mais uma vez celebridades são destaques no noticiário corporativo. Depois de Anitta no Nubank, agora é a vez de Luciano Huck desembarcar no conselho do Banco Pan. Já a Sinqia reforçou o caixa com uma nova oferta de ações que movimentou R$ 400 milhões.

Refazendo os cálculos 

O mercado de trabalho americano vacilante e os impactos ainda desconhecidos da variante delta mundo afora, além do discurso acomodatício feito por Jerome Powell na semana passada, alimentam mais uma vez as apostas em um adiamento da retirada dos estímulos monetários na maior economia do mundo.

Os investidores começam agora a questionar quando e se a redução do ritmo da recompra de ativos pelo banco central americano irá acontecer ainda em 2021. 

A divulgação do payroll na parte da manhã, bem abaixo do que estava sendo projetado pelo mercado, motivou duas leituras. Por um lado, o número de vagas de trabalho criadas foi o equivalente a apenas um terço da mediana das expectativas do mercado, e veio bem abaixo do piso das projeções. Por outro, a taxa de desemprego veio em linha com o esperado, caindo de 5,4% para 5,2% em agosto.

Números mistos, reações mistas. Wall Street seguiu sem fôlego ao longo de todo o dia e somente o Nasdaq, apoiado no avanço das techs, teve forças para renovar mais uma vez o seu recorde histórico de fechamento. 

  • Nasdaq: 0,21% - 15.363 pontos 🏆
  • S&P 500:  -0,03% - 4.535 pontos  
  • Dow Jones: -0,21% - 35.369 pontos

V ou U?

A decepção com a queda de 0,01% do PIB talvez tenha sido a mais impactante dos últimos dias. Principalmente quando lembramos que a taxa de desemprego melhorou, mas ainda é de 14,1%, atingindo 14,4 milhões de brasileiros, e que a produção industrial patinou e caiu 1,3%, mais do que o projetado pelo mercado. 

O ministro Paulo Guedes segue acreditando que a economia brasileira deve seguir o caminho da recuperação acelerada, mas os analistas e economistas se mostram um pouco céticos. Isso porque a queda do PIB traz sinais alarmantes para os próximos meses. 

A demanda ainda se encontra reprimida, as famílias tem consumido menos, e a indústria tem investido menos no seu crescimento — elementos que devem se deteriorar ainda mais nos próximos meses caso a inflação continue pressionando e os juros sejam elevados acima do seu patamar neutro.

Por isso, diz o gestor de investimentos da Warren, Igor Cavaca, o mercado financeiro deve continuar acompanhando com lupa as mudanças de projeções do Boletim Focus, divulgado toda segunda-feira pelo Banco Central.

“O PIB abaixo do esperado alinha-se com os resultados dos indicadores econômicos dos meses anteriores, confirmando que estamos com a atividade mais fraca, inflação crescente e políticas monetárias mais contracionistas.”

- Igor Cavaca, gestor de investimentos da Warren.

Bandeira mais do que vermelha — escassez hídrica

Uma das principais razões para o mercado alimentar pessimismo para os próximos meses é o impacto que a crise hídrica pode trazer para a economia brasileira. Além de pressionar os índices de inflação, a situação pesa negativamente sobre a produção industrial e também o agronegócio. 

O governo segue descartando a possibilidade de um racionamento de energia, e Cavaca acredita que as medidas de diversificação de matriz energética após a crise de 2001 devem dar conta do problema. Mas o mercado não está tão otimista e começa a trabalhar com a possibilidade de um “apagão”. 

Enquanto isso, é a conta de energia elétrica que fica mais cara. Nesta semana, a antiga bandeira tarifária vermelha 2 foi rebatizada e agora passa a se chamar "escassez hídrica". E essa não foi a única mudança. A partir de setembro a taxa extra da conta de luz também fica mais salgada, subindo mais de 50%.

Subindo no telhado

A aprovação surpresa da reforma do Imposto de Renda deixou um gosto amargo na boca dos investidores. Contrariando o que havia sido prometido pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, o texto foi aprovado às pressas e trouxe elementos que desagradaram o mercado. 

A alíquota de IR para empresas caiu menos do que o esperado, enquanto a taxação de dividendos - que inicialmente seria de 20% - ficou em 15%. No Senado, a tendência é que o texto encontre resistência, ainda mais depois de a Casa ter reprovado a flexibilização de regras trabalhistas propostas pelo governo.

Nesta semana, a Eletrobras deu mais um passo em direção ao seu processo de privatização, mas as derrotas recentes do governo voltam a minar a confiança do mercado de que a operação pode, de fato, sair do papel. 

Sobe e desce do Ibovespa

Segundo o economista Nicolas Borsoi, da Nova Futura Investimentos, a semana foi marcada pela busca por segurança, o que se refletiu não só no câmbio e na curva de juros, mas também nos setores prediletos dos investidores nos últimos dias.

Assim, o setor de materiais básicos e Utilities (concessionárias de serviços públicos, como empresas de energia elétrica e saneamento), ficaram com as melhores posições. Vale lembrar que a nova tarifa de energia e a deterioração do cenário hídrico pressionam as companhias de energia. 

Embalada pela perspectiva de venda de ativos por parte da Petrobras e da Novonor (ex-Odebrecht), a Braskem mais uma vez teve uma semana de desempenho positivo. Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
BRKM5Braskem PNAR$ 66,626,42%
CPLE6Copel PNR$ 6,996,23%
ASAI3Assaí ONR$ 18,214,66%
CMIG4Cemig PNR$ 13,622,87%
QUAL3Qualicorp ONR$ 22,242,49%

Com todo mundo querendo se proteger da chuva que pode chegar nos próximos dias, o setor de consumo e o imobiliário tiveram dias ruins. Borsoi explica que os investidores preferiram se desfazer de ações mais cíclicas para migrar para setores mais defensivos. Confira também as maiores quedas da semana:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
VIIA3Via ONR$ 9,69-10,86%
CYRE3Cyrela ONR$ 19,03-10,70%
BIDI11Banco Inter unitR$ 64,21-10,65%
CIEL3Cielo ONR$ 2,59-10,07%
COGN3Cogna ONR$ 3,05-10,03%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Parceria digital

Assaí (ASAI3) faz parceria com Cornershop, aplicativo de compras online

A plataforma foi criada para que consumidores comprem produtos de supermercados locais com entregas rápidas ou programadas

Exile on Wall Street

O que faz as empresas falharem? Conheça as cinco “assassinas silenciosas” que podem impactar nos seus investimentos

O verdadeiro início da derrocada de uma empresa não pode ser devidamente noticiado pelas finanças ou pelas operações, mas somente dentro do núcleo de cultura corporativa

CAPTAÇÕES BILIONÁRIAS

Localiza, Unidas e Movida vão a mercado em busca de R$ 5 bilhões com emissões de debêntures

Locadoras de veículos se recuperaram rapidamente da crise da covid-19 e buscam recompor o caixa em meio à escassez de componentes no setor automotivo

De olho no dragão

Ministério da Economia eleva expectativa para inflação em 2021; veja qual a nova projeção

A pasta também atualizou as estimativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor, utilizado para a correção do salário mínimo

MERCADOS HOJE

Com precatórios e queda do minério de ferro no radar, Ibovespa opera em queda de 1%; dólar avança

Em Brasília, os investidores acompanham de perto as discussões em torno do pagamento dos precatórios e repercutem mais uma queda expressiva do minério de ferro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies