2021-09-17T09:12:48-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo
PAPO CRIPTO #002

Por que o bitcoin (BTC) é uma coisa e as criptomoedas agora são outra, segundo o CFO da Ripio

VÍDEO: em entrevista ao Papo Cripto, o diretor financeiro da Ripio fala sobre o que ele espera das criptomoedas e os principais eventos que movimentaram o mercado esta semana

17 de setembro de 2021
7:52 - atualizado às 9:12
Bitcoin ou solana? Em qual investir, consideradas as grandes diferenças entre as duas criptos? -

O bitcoin (BTC) foi a primeira criptomoeda do mundo e disparou vertiginosamente nos últimos anos. Entretanto, a principal moeda digital do mercado ganhou vida própria e não pode mais ser analisada como seus pares, afirma Bernardo Teixeira, diretor financeiro (CFO) da Ripio

A corretora (exchange) de criptomoedas surgiu na Argentina, mas tem ganhado espaço no mercado brasileiro, onde o apetite dos investidores por esse tipo de ativo só aumenta.

“O bitcoin acabou crescendo, ganhando formato e soluções de second layer [segunda camada] diferentes de outras criptomoedas. É difícil comparar com ethereum, cardano e solana, por exemplo”, me disse Teixeira, na segunda edição do "Papo Cripto", novo programa do Seu Dinheiro no YouTube. Você pode assistir ao vídeo com a íntegra da nossa conversa no fim desta matéria.

Teixeira usa o exemplo da quantidade de nós (nodes) que existem e compara as blockchains da solana (SOL), que disparou nos últimos dias, e do bitcoin (BTC). Enquanto a primeira cripto possui apenas 100 nós, ou seja, 100 pontos de transmissão de informações dentro da rede, a principal criptomoeda do mercado tem 9.680.

Isso significa que a solana consegue processar pagamentos em milissegundos, o mesmo tempo de empresas como a Visa, enquanto o processamento do bitcoin pode demorar alguns minutos.

Por outro lado, o bitcoin é um projeto muito sólido e dificilmente teria que ser desligado para a reparação de defeitos na blockchain, como aconteceu com a solana na semana passada. Então a pergunta que fica é: investir em solana ou em bitcoin?

Além disso, na nossa conversa, falamos sobre as recentes declarações do bilionário investidor Ray Dalio e de Cathie Wood, gestora que previu a alta nas ações da Tesla lá em 2018. Enquanto Dalio demonstrou preocupação quanto às criptomoedas, Wood vê o bitcoin a US$ 500 mil no futuro.

Bernardo Teixeira, CFO da Ripio, participou do Papo Cripto #002 no canal do YouTube do Seu Dinheiro. Confira:

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

EMISSÃO DE AÇÕES

Marisa (AMAR3) vai aumentar o capital social — o que isso significa para os acionistas?

A varejista de moda emitirá até 81 milhões ações a R$ 3,08 cada, um desconto de cerca de 17,5% em relação ao fechamento dos papéis ontem.

TURISMO DO FUTURO

Embraer (EMBR3) fecha mais uma parceria e vai levar seu ‘carro voador’ para a Grande Barreira de Corais, na Austrália

Em conjunto com a Nautilus Aviation, a empresa irá operar em algumas das atrações turísticas mais icônicas de do estado de Queensland

DOR NO BOLSO

IPVA 2022 encarecerá 30%, em média, em São Paulo; descubra quanto você vai pagar de imposto

E a notícia doí ainda mais no bolso porque a data de pagamento do IPVA está bem próxima: quem quiser desconto tem de quitar a soma já no próximo mês

Bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin e ethereum despencam hoje, e principal criptomoeda do mundo se afunda ainda mais no ‘bear market’

Após uma semana que terminou com ganhos, as duas maiores moedas digitais do mercado sofreram na virada de sexta-feira para sábado

Trabalhadores em falta

Como a falta de bebês na China pode provocar uma crise financeira global

A população da China vem recuando desde 2010, e, com as taxas de natalidade nos menores níveis em 80 anos, o cenário ameaça todo o planeta