Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-24T18:27:22-03:00
Caio Nascimento
Caio Nascimento
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP) e com passagens pelo Estadão e Jornal da USP.
Perseguição ao bitcoin?

Irã fecha ‘fazendas’ de mineração de bitcoin para conter apagões no país; entenda

Governo culpa centros de processamento de criptomoedas por blackouts devido à ‘sobrecarga energética’ da rede de mineração; ao mesmo tempo, Irã usa o bitcoin para amenizar sanções bancárias dos EUA

24 de janeiro de 2021
18:14 - atualizado às 18:27
A criptomoeda bitcoin
Imagem: Shutterstock

Ao longo das últimas semanas, os iranianos vêm lidando com a falta de energia elétrica, semáforos desligados e rodovias sem iluminação na capital Teerã e outras metrópoles do país. O que chama a atenção em meio ao caos, porém, é o posicionamento do governo iraniano, que achou um culpado inusitado para o problema: o bitcoin.

Segundo as autoridades públicas, os centros de processamento das moedas digitais – conhecidos como "fazendas" – exigem uma grande quantidade de eletricidade para alimentar os computadores responsáveis pela mineração, sobrecarregando o sistema energético nacional.

Assim, sob esse pretexto, o governo fechou 1,6 mil centros de mineração clandestinos, por meio de batidas policiais, e legalizados em todo o território, segundo informações obtidas pela Associated Press (AP).

Esses locais contam com máquinas potentes usadas para processar algoritmos altamente complexos, que verificam transações realizadas com a moeda.

Em entrevista à AP, o porta-voz do departamento de fornecimento de eletricidade do Irã, Rajabi Mashhadi, afirmou que as fazendas ilegais consomem cerca de 260 megawatts de eletricidade por dia, agravando ainda mais a crise energética do país.

"A prioridade é [voltar a prover energia para] residências, comércios, hospitais e lugares sensíveis", disse Mashhadi à agência de notícias.

Desconfianças da comunidade cripto

A atitude do governo em relação ao bitcoin levanta dúvidas na indústria de criptomoedas.

Apesar de o Irã estar entre os dez países com maior capacidade de mineração de criptomoedas no mundo, com 450 megawatts por dia, o ministério das telecomunicações calcula que a moeda consome menos de 2% da produção energética do país. 

Assim, mineradores e especialistas no tema avaliam que o mercado cripto possa estar sendo usado de bode expiatório pelo governo para desviar a atenção dos iranianos, mirando a culpa no alvo errado para maquiar problemas internos do país e esconder possíveis erros da gestão pública.

Em meio à polêmica, o bitcoin é 'querido' entre os iranianos

A perseguição às fazendas legalizadas e ilegais de mineração trouxe à tona contradições do governo iraniano em relação a esse mercado. Ao mesmo tempo que agora reprime, as autoridades usam essa classe de ativo como uma forma de amenizar os danos que os Estados Unidos causaram à economia do país.

Após o ex-presidente americano, Donald Trump, impor sanções ao Irã devido aos conflitos nucleares, o país passou a ver a moeda como uma forma de fugir do radar de Washington, por se tratar de um sistema financeiro paralelo sobre o qual nenhum governo consegue ter influência.

Assim, com a população impedida de acessar redes globais de pagamento, o governo legitimou as transações em bitcoin como uma forma de reduzir os prejuízos econômicos.


Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies