Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-01-15T12:43:07-03:00
Estadão Conteúdo
Cobrindo calotes

União bancou R$ 8,353 bi em dívidas de estados e municípios em 2019, diz Tesouro

Maior parte corresponde a dívidas do Estado do Rio de Janeiro, que deixou de pagar R$ 4,042 bilhões em empréstimos no ano passado.

15 de janeiro de 2020
12:16 - atualizado às 12:43
Cédulas de real
Cédulas de real - Imagem: Shutterstock

A União precisou bancar R$ 8,353 bilhões em dívidas de governos estaduais e municipais em 2019, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira, 15, pelo Tesouro Nacional. As operações têm garantias do governo federal, que precisa cobrir os calotes dados pelos governos regionais.

O valor é bem superior aos R$ 4,805 bilhões honrados pelo Tesouro em todo o ano de 2018.

A maior parte corresponde a dívidas do Estado do Rio de Janeiro, que deixou de pagar R$ 4,042 bilhões em empréstimos no ano passado.

Em seguida, aparece Minas Gerais com débitos não quitados de R$ 3,307 bilhões.

O Tesouro ainda quitou R$ 770,15 milhões em dívidas de Goiás, R$ 139,41 milhões em débitos do Rio Grande do Norte e R$ 90,18 milhões do Amapá.

O Tesouro ainda teve que honrar R$ 3,43 milhões em dívidas municipais em 2019, sendo R$ 1,59 milhão de Belford Roxo (RJ) e R$ 1,83 milhão de Cachoeirinha (RS).

Embora o custo para a União com essas garantias seja crescente, o Tesouro está impedido de bloquear os repasses para cinco Estados.

No caso do Rio de Janeiro, porque o governo estadual aderiu ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) dos Estados ainda em 2017.

Nos casos de Minas Gerais, Goiás, Amapá e Rio Grande do Norte, porque os governos estaduais conseguiram decisões judiciais que impedem a execução das contragarantias pela União nessas operações.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Balanço do mês

Com alívio nos juros futuros, renda fixa atrelada à inflação é o melhor investimento de novembro; bitcoin, FII e ações ficam na lanterna

Passado o pânico com o drible do teto de gastos, queda nos juros futuros deu aos títulos com alguma parcela da remuneração prefixada espaço para se recuperar; mas ativos de bolsa continuaram sofrendo

Dia Agitado

Após receber aporte bilionário, Ânima (ANIM3) compra participação em plataforma para formação de profissionais de saúde

Através de sua controlada Inspirali, a mesma a receber o aporte mais cedo, a companhia fechou um acordo para a aquisição de 51% da IBCMED

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ômicron e Powell assustam mercados, mas criptomoedas escapam da queda; confira os destaques do dia

O fim de novembro chega carregado de expectativa para o início oficial da temporada das festas de final de ano. As tradições natalinas podem variar de família para família, mas algumas coisas são universais — como as retrospectivas pessoais e a presença do clássico “Então é Natal”, da cantora Simone, em quase 100% dos lares […]

Natal antecipado

Dividendos: Blau Farmacêutica (BLAU3) vai distribuir juros sobre o capital próprio (JCP); confira o valor por ação

A ‘data de corte’ para os proventos, que devem cair na conta dos acionistas em 15 de dezembro, é na próxima sexta-feira (3)

FECHAMENTO DOS MERCADOS

PEC dos precatórios caminha e limita queda do Ibovespa, mas índice fecha novembro no vermelho; dólar vai a R$ 5,63

A nova variante do coronavírus e o posicionamento do Fed diante das ameaças amargaram o humor dos investidores no exterior, mas o Ibovespa conseguiu se segurar nos 100 mil pontos com o noticiário político

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies