Menu
2020-10-03T10:57:17-03:00
Estadão Conteúdo
Acordo em xeque

Sucesso de leilão pode manter veto presidencial a novo marco do saneamento

Apesar das expectativas, clima entre os agentes do mercado é de pessimismo

3 de outubro de 2020
11:29 - atualizado às 10:57
Saneamento Básico
Imagem: Shutterstock

Representantes do setor privado de saneamento e integrantes do governo esperam que o resultado do leilão dos serviços na região metropolitana de Maceió (AL) nesta semana, considerado um sucesso, ajude a convencer o Congresso a manter o veto do presidente Jair Bolsonaro à renovação dos contratos das estatais. O clima no mercado, no entanto, é de pessimismo.

Na avaliação de fontes ouvidas reservadamente, se a análise de vetos tivesse ocorrido na última quarta-feira, como inicialmente previsto, a tendência era de os parlamentares derrubarem a decisão de Bolsonaro, permitindo que as empresas públicas de saneamento prorroguem por mais 30 anos os contratos fechados sem licitação. Com a sessão de vetos adiada, o governo ganhou mais tempo.

Apesar de parlamentares da base e integrantes do Executivo alegarem otimismo com a votação, líderes ouvidos reservadamente pela reportagem admitem que o assunto não será fácil para o governo, mesmo diante da relação com o Centrão. O que mais pesa contra o veto de Bolsonaro não é nem mesmo o mérito do assunto, mas a alegação de que o governo descumpriu um acordo junto ao Legislativo e governadores.

A possibilidade de renovação dos contratos das estatais foi importante para o projeto de lei vencer forte resistência de algumas bancadas no Congresso, principalmente a do Nordeste. O novo marco, sancionado em julho, obriga que os contratos de saneamento sejam precedidos de licitação, o que vai de encontro ao domínio das empresas públicas no setor, que até então firmavam negócios diretamente com as prefeituras. Com isso, governadores pressionaram para que o texto tivesse um "período de transição" mais confortável para as estatais.

O governo nega que tenha feito qualquer acordo com o Congresso para manter esse trecho na lei. Para integrantes do Ministério da Economia e do Desenvolvimento Regional, é crucial que essa sobrevida aos contratos das estatais fique de fora. Do contrário, a abertura dos serviços de saneamento para o setor privado e a atração esperada de investimentos bilionários serão atrasados, afirmam.

Desafio

Um dos encarregados de articular a manutenção do veto, o vice-líder do governo, deputado Evair de Melo (PP-ES), rejeitou a avaliação de que a votação será difícil para o Executivo. Ele também desafiou os parlamentares a mostrar quem, pelo Executivo, se comprometeu a sustentar o artigo no texto.

"Não teve nenhum acordo, em momento nenhum. É só mostrar quem fez o acordo. Inventaram um jabuti na sala, mas o dono no jabuti não aparece. Se teve acordo, tem que ter nome. Na Casa, por pior que seja, cumpre-se acordo, mas tem que aparecer quem o fez", disse Evair, que presidiu a comissão especial na Câmara onde o texto do novo marco foi desenvolvido.

"Estamos trabalhando para manter o veto. É uma insanidade para o País adiar por 30 anos a universalização do saneamento. Vamos manter o veto", disse o deputado, otimista. Alguns dos parlamentares que estiveram envolvidos diretamente na elaboração do texto inclusive afirmam que o acordo não envolveu o governo diretamente. Por outro lado, ressaltam reservadamente que Legislativo firmou um compromisso com os governadores e, portanto, votar contra o texto os colocaria numa posição ruim.

Líder do PV e coordenador da Frente Parlamentar pelo Saneamento, o deputado Enrico Misasi (SP) não enxerga um cenário fácil para o Executivo. Ele pontuou que, embora o Planalto trabalhe com uma nova base e tenha entrado "firme" para manter o veto, a ligação de parlamentares com as companhias de saneamento é um fator de forte influência na votação. "Vai ser algo bem contado, uma votação dividida, mesmo com o governo entrando firme na jogada, trazendo os partidos", disse Misasi, que também integrou a comissão especial do saneamento.

Agora, para conseguir o apoio necessário no Congresso, o governo também deve usar o resultado do leilão em Maceió como argumento. Realizado na quarta-feira, o certame foi o primeiro realizado após a aprovação do novo marco, e rendeu uma outorga de R$ 2,009 bilhões, sendo que o valor mínimo era de apenas R$ 15 milhões. A vencedora foi a BRK Ambiental. Um integrante do Executivo diretamente envolvido nas discussões ressaltou o "sucesso" do leilão e disse reservadamente esperar que o saldo sensibilize os congressistas.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

QUESTIONAMENTOS

Frente parlamentar aciona STF para suspender reforma administrativa

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a suspensão imediata da tramitação da reforma administrativa. No mandado de segurança, deputados e senadores argumentam que não é possível analisar a proposta por falta de informações técnicas. Segundo os parlamentares, a imposição de sigilo nos documentos que […]

BALANÇO

BC informa que 50 milhões de chaves já foram cadastradas no Pix

O Pix é um sistema que permitirá pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Esse tal de BDR

O mercado financeiro adora usar termos e siglas em inglês, talvez para tornar a coisa mais difícil do que realmente é. Nos últimos dias você já deve ter lido, inclusive aqui no Seu Dinheiro, sobre um tal de BDR. As três letras vêm de Brazilian Depositary Receipts. O quê? Calma, nós chegamos lá. O BDR é […]

As queridinhas

Tesla, Apple e Mercado Livre são os BDRs mais negociados no 1º dia de mercado aberto a todos os investidores

Empresas de tecnologia dominaram o primeiro dia de negociações liberadas a qualquer investidor, que teve volume superior à média

embalou

Ibovespa fica perto dos 102 mil pontos com disparada dos bancos e alta em NY; dólar cai abaixo do R$ 5,60

Papéis de Itaú, Banco do Brasil e Bradesco terminam sessão entre as cinco maiores altas do índice, que fechou perto da máxima; moeda americana recua 0,36% e juros sobem em dia de leilão do Tesouro e à espera de novidades fiscais. Lá fora, expectativa para estímulos alivia bolsas americanas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies