Menu
2020-09-17T09:12:17-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
privatização

Magazine Luiza e Amazon têm interesse nos Correios — é o que diz o ministro do governo Bolsonaro

Segundo a Fábio Faria, a privatização dos Correios está na “ordem do dia” e ocorrerá na gestão de Jair Bolsonaro

17 de setembro de 2020
9:10 - atualizado às 9:12
50016943652_fe80551a30_c
(Brasília - DF, 17/06/2020) Ministro de Estado das Comunicações, Fábio Faria. Foto: Alan Santos/PR -

O Magazine Luiza, a Amazon, a DHL e o Fedex manifestaram interesse nas operações dos Correios, segundo o ministro das Comunicações, Fábio Faria. As empresas não confirmaram ao mercado qualquer movimentação nesse sentido.

Segundo a Faria, a privatização dos Correios está na "ordem do dia" e ocorrerá na gestão de Jair Bolsonaro. "Isso aí [empresas interessadas] é importante. Nós não teremos um processo de privatização vazio", disse em entrevista ao canal Café com Ferri, no YouTube.

Empresas como Magazine Luiza e Amazon são sensações do mercado financeiro, no Brasil e nos Estados Unidos - especialmente desde o início da pandemia, que pôs à prova a qualidade dos serviços dessas empresas.

O ministro do governo federal lembrou que quem vai estabelecer as diretrizes e parâmetros da privatização da empresa é o Congresso Nacional, com base nos estudos de consultoria contratada pelo BNDES.

A privatização é uma das pautas caras ao governo Bolsonaro e à equipe do ministro, Paulo Guedes. Desde o início da gestão, no entanto, o Executivo não fez as grandes privatizações prometidas.

Mas o governo realizou uma série de desinvestimentos - em especial com as participações da Petrobras e do BNDES em outras empresas.

Privatização em estudo

Em agosto, o BNDES homologou o consórcio Postar como vencedor do processo de seleção para promover os estudos de privatização dos Correios.

O grupo formado pela Accenture e pelo escritório de advocacia Machado Meyer indicará alternativas de parceria com a iniciativa privada para gestão do serviço postal no Brasil, segundo comunicado do BNDES.

Após contratado, o consórcio selecionado realizará os estudos que indicarão as alternativas de desestatização para o setor postal e embasarão a decisão do governo. O trabalho precisa considerar a necessidade de atendimento universal do serviço no território nacional brasileiro.

Nove consórcios participaram da seleção, que teve início em maio. Os três grupos mais bem colocados foram convocados para apresentação de nova proposta comercial. Nesta etapa, o Postar apresentou o menor preço (R$ 7,89 milhões), ainda de acordo com o BNDES.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Judiciário

Celso de Mello antecipa saída e acelera sucessão no STF

Com saída, abre-se a primeira vaga para indicação do presidente Jair Bolsonaro.

Mais lidas

MAIS LIDAS: De bolso cheio para brigar contra todos

Na semana em que o Seu Dinheiro completou dois anos no ar, refleti sobre quanta água rolou em tão pouco tempo. Foram muitos acontecimentos relevantes para os mercados, como eleição presidencial, guerra comercial de China e Estados Unidos, aprovação da Reforma da Previdência e a chegada do coronavírus. A Julia Wiltgen levantou o ranking de […]

Aviação regional

Governo quer licitar cinco blocos de aeroportos na Amazônia Legal

Pontapé inicial será no Amazonas, onde o governo espera transferir para uma empresa a operação de oito aeroportos regionais em 2022

Reforma Tributária

Cresce resistência a “nova CPMF”

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre, avisou a interlocutores que a criação do imposto dificilmente passará no Congresso

Reforma Tributária

Dúvida é adotar desoneração da folha horizontal ou vertical

Há consenso sobre desonerar as empresas de tributos sobre os salários de quem ganha até um salário mínimo, mas forma ainda está em discussão no Executivo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements