Menu
2020-09-17T09:12:17-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
privatização

Magazine Luiza e Amazon têm interesse nos Correios — é o que diz o ministro do governo Bolsonaro

Segundo a Fábio Faria, a privatização dos Correios está na “ordem do dia” e ocorrerá na gestão de Jair Bolsonaro

17 de setembro de 2020
9:10 - atualizado às 9:12
50016943652_fe80551a30_c
(Brasília - DF, 17/06/2020) Ministro de Estado das Comunicações, Fábio Faria. Foto: Alan Santos/PR -

O Magazine Luiza, a Amazon, a DHL e o Fedex manifestaram interesse nas operações dos Correios, segundo o ministro das Comunicações, Fábio Faria. As empresas não confirmaram ao mercado qualquer movimentação nesse sentido.

Segundo a Faria, a privatização dos Correios está na "ordem do dia" e ocorrerá na gestão de Jair Bolsonaro. "Isso aí [empresas interessadas] é importante. Nós não teremos um processo de privatização vazio", disse em entrevista ao canal Café com Ferri, no YouTube.

Empresas como Magazine Luiza e Amazon são sensações do mercado financeiro, no Brasil e nos Estados Unidos - especialmente desde o início da pandemia, que pôs à prova a qualidade dos serviços dessas empresas.

O ministro do governo federal lembrou que quem vai estabelecer as diretrizes e parâmetros da privatização da empresa é o Congresso Nacional, com base nos estudos de consultoria contratada pelo BNDES.

A privatização é uma das pautas caras ao governo Bolsonaro e à equipe do ministro, Paulo Guedes. Desde o início da gestão, no entanto, o Executivo não fez as grandes privatizações prometidas.

Mas o governo realizou uma série de desinvestimentos - em especial com as participações da Petrobras e do BNDES em outras empresas.

Privatização em estudo

Em agosto, o BNDES homologou o consórcio Postar como vencedor do processo de seleção para promover os estudos de privatização dos Correios.

O grupo formado pela Accenture e pelo escritório de advocacia Machado Meyer indicará alternativas de parceria com a iniciativa privada para gestão do serviço postal no Brasil, segundo comunicado do BNDES.

Após contratado, o consórcio selecionado realizará os estudos que indicarão as alternativas de desestatização para o setor postal e embasarão a decisão do governo. O trabalho precisa considerar a necessidade de atendimento universal do serviço no território nacional brasileiro.

Nove consórcios participaram da seleção, que teve início em maio. Os três grupos mais bem colocados foram convocados para apresentação de nova proposta comercial. Nesta etapa, o Postar apresentou o menor preço (R$ 7,89 milhões), ainda de acordo com o BNDES.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

pandemia

Itamaraty confirma que Índia atrasará entrega de vacinas

Chanceler indiano atribuiu o atraso na liberação a “problemas logísticos” decorrentes das dificuldades de conciliar o início da campanha de vacinação no país de mais de 1,3 bilhão de habitantes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies