Menu
2020-04-13T18:15:10-03:00
de olho nas contas

Arrecadação de Estados e municípios começou a cair de 30% a 40%, diz Maia

Presidente da Câmara voltou a falar que, em algum momento, terá de se discutir a redução salarial do setor público, mas isso terá de ser feito em conjunto pelos Três Poderes

13 de abril de 2020
14:09 - atualizado às 18:15
Rodrigo Maia
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. - Imagem: Cesar Itiberê/PR

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou na manhã desta segunda-feira, 13, que Estados e municípios terão grande queda em arrecadação com a crise do novo coronavírus. Segundo ele, arrecadação de Estados e municípios começou a cair de 30% a 40%. E o governo incluiu (em projeto da Câmara) até securitização e previsão de arrecadação.

Participante de uma teleconferência promovida pela Abitrigo para falar do cenário político brasileiro frente à pandemia do novo coronavírus, com mediação do presidente-executivo da entidade, embaixador Rubens Barbosa, o presidente da Câmara voltou a falar que, em algum momento, terá de se discutir a redução salarial do setor público, mas isso terá de ser feito em conjunto pelos Três Poderes.

Na live, Maia voltou a falar que o espaço dos temas estruturantes é limitado porque tudo está no foco do emergencial. "Não tem como ter um País que vai crescer com a atual estrutura, hoje Estado só gera burocracia, tem saúde questionável e educação ruim." Por isso defendeu que se discuta as reformas num segundo momento para melhorar o gasto público.

Maia disse que hoje o governo tem duas formas de socorro: uma é a ação da Caixa e a outra do Banco Central, comprando crédito. "Se focar em operação que só dará lucro, ninguém empresta dinheiro para ninguém."

Indagado sobre quem pagará a conta da crise, o presidente da Câmara disse que o governo brasileiro e todos os cidadãos. "A saída da crise tem de ser muito bem pensada pelo governo para que, na segunda fase, da recuperação, a economia sinta os efeitos, cresça mais rápido e gere um custo menor para a sociedade."

Ao falar das medidas em discussão, Maia disse que a PEC da Guerra foi uma ideia muito boa, "porque limita as despesas no curto prazo."

Garantia de arrecadação

Maia também disse que a questão dos empréstimos a Estados e municípios gerou muita polêmica e que por isso a casa vai tirá-la do Plano de Socorro aos Estados. Como alternativa, o presidente da Câmara sugeriu a criação de um instrumento que venha a garantir, pelo menos, uma arrecadação nominal dos Estados e municípios.

"Teremos grande aumento da dívida. A sociedade terá que discutir a repactuação para pagar essa dívida", disse o deputado durante live organizada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

O deputado, mais uma vez se posicionou contra a elevação de tributos agora como justificativa para incrementar a arrecadação dos Estados e municípios. "Aumentar impostos agora seria retirar recursos para pagarem salários", disse. Para Maia, se o País sair bem da crise, o custo de aumentar a dívida será menor.

De acordo com o presidente da Febraban, Isaac Sidney, que também participou da live, "elevação de impostos para bancos e empresas não se recomenda em manuais de economia". "Não é possível que em meio a uma recessão se aumentem custos estruturais", disse.

Segundo Sidney, o que precisa agora é deixar a economia leve em seus custos para que o crédito não se retraia.

Na avaliação de Maia, seguro-garantia de arrecadação nominal é o mínimo que a União pode fazer pelos entes regionais.

Sistema financeiro

Na mesma transmissão ao vivo organizada pela Febraban, Maia afirmou que o sistema financeiro é muito demandado e ao mesmo tempo criticado em momentos de crise. Mas, de acordo com ele, muitas vezes o que a equipe econômica anuncia não chega na ponta do consumidor e das empresas.

"Esta é uma crise que afeta a atividade real, que pode afetar liquidez de bancos, empresas e famílias", disse Maia, acrescentando que o preocupa ver que algumas coisas estão caminhando e outras estão atrasadas.

De acordo com Maia, pessoas físicas e microempresas estão com muita dificuldade para tomar crédito. Neste sentido, o deputado cobrou maior participação do setor bancário. "O setor precisa de uma comunicação mais forte", afirmou.

Ainda de acordo com Maia, a PEC do Orçamento de Guerra autorizará o BC a atuar em eventuais deficiências do sistema financeiro. "Temos diversos problemas no sistema financeiro público e privado", disse.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O Leão está esperando

A contagem regressiva começou e você tem 30 dias até o prazo final

Se você é um dos muitos brasileiros que sempre deixam esta tarefa para os minutos finais, recomendo que mude os seus planos. O Seu Dinheiro pode te ajudar.

Concessão

Em tom de festa e com perguntas de aliados, governo renova Malha Paulista

Com um tom de comemoração, o governo anunciou na quinta-feira, 28, em evento online, a renovação da Malha Paulista com a Rumo

Parcela para prioritários

Receita paga o 1º lote do IR nesta sexta

Nessa primeira parcela, receberão o dinheiro quem se enquadra nas prioridades legais: idosos, pessoas com deficiência física ou intelectual ou moléstia grave

CRÍTICAS AO PRESIDENTE

Doria pede diálogo e afirma que Governo Federal ‘é ausente’

O tucano afirmou que o País passou a ouvir palavras de ódio.

Plano de voo mantido

Governo discute orçamento de 2021 e linha da austeridade continua, diz ministro

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, afirmou nesta sexta-feira, 29, que o Brasil já sinaliza para o mercado que seguirá com a linha planejada de austeridade fiscal e solvência. Ele pontuou que o orçamento do próximo ano já está em discussão e que esse perfil permanecerá

Em meio à pandemia

Com queda de 1,5% do PIB, Brasil fica em 15º em ranking de crescimento mundial

As perdas provocadas pela pandemia da covid-19 na economia global melhoraram a posição do Brasil no ranking mundial

Mentirinha branca

Kylie Jenner não é mais uma bilionária de acordo com a Forbes – e talvez nunca tenha sido

De acordo com a revista, a polêmica família do entretenimento pode ter inflacionado os resultados da empresa da caçula, que apesar de rica, nunca foi ultrarrica.

MEDIDA ANTICRISE

UE propõe programa de apoio financeiro a empresas

O programa será temporário e deverá estar operando ainda este ano, com expectativa de término em 2021.

perspectivas para a crise

CNI: com regras atuais, 22% das fábricas só conseguem se manter por mais 1 mês

Entre as empresas que tiveram queda de faturamento, 48% avaliam possuírem condições financeiras para manter a atividade entre um e três meses

de olho na crise

Juros negativos não são instrumento favorável para ser adotado nos EUA, diz Fed

Segundo Powell, o Fed “deverá começar em poucos dias” o programa Main Street, no qual poderá repassar linhas de crédito para empresas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements