Menu
2020-11-04T19:16:36-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
agenda da bolsa

O que planeja a Méliuz, que estreia na bolsa nesta quinta com ação a R$ 10

Plataforma de cupons de desconto movimentou R$ 583,4 milhões no IPO; agora, fala em expandir operações no marketplace e em serviços financeiros

4 de novembro de 2020
19:16
meliuz
Imagem: Divulgação / Méliuz / Facebook

O que planeja a Méliuz? As ações da plataforma de cupons de desconto estreiam na próxima quinta-feira (5) na B3 com valor unitário de R$ 10 - mas a empresa já revelou parte dos planos.

Movimentando R$ 583,4 milhões no IPO (oferta inicial de ações), a companhia fez uma oferta primária e secundária - o que significa que parte do valor está destinado ao bolso dos acionistas vendedores.

A Méliuz terá cerca de R$ 265,5 milhões no caixa com a oferta, que deve ser usado para por em prática o plano de expansão da companhia. Metade do valor - R$ 132 milhões - tem destino futuras aquisições e a outra parte seria em ampliação de participação da empresa no mercado.

Criada em 2011, a Méliuz disponibiliza de forma gratuita cupons de desconto de lojas online - e devolve ao consumidor parte do valor gasto em compras direto na conta bancária.

A startup tem parceria com 800 empresas, que têm acesso a um canal de divulgação de marcas, produtos e serviços. A Méliuz oferece inteligência de dados e tecnologia para aquisição e retenção de usuários - o que geraria mais vendas para as companhias na plataforma da empresa.

A lista de parceiras inclui Americanas, Via Varejo (com Ponto Frio e Casas Bahia), Amazon, Aliexpress. Booking.com e Dell. A Méliuz ganha com venda de espaços publicitários na plataforma, ativação de serviços financeiros, vendas geradas e volume de pagamentos.

Marketplace e cartão de crédito

Com os recurso da oferta na bolsa, a Méliuz fala em expandir as operações no marketplace e em serviços financeiros. O plano envolveria investimento em tecnologia, novos produtos e funcionalidades.

Entre as novidades, a empresa estuda oferecer cashback por meio do escaneamento de notas fiscais e disponibilizar funcionalidades que permitam a intermediação de entrega de produtos e compartilhamento de transporte.

A plataforma propõe também ampliar o uso do cartão de crédito próprio, lançado no ano passado em uma parceria com o BancoPan. A instituição financeira é responsável pelo risco de crédito e pela operacionalização do meio de pagamento.

Aos números

A Méliuz registrou no primeiro semestre deste ano um lucro de R$ 12,6 milhões, em uma alta de 671% na comparação anual. Em todo 2019, a empresa havia lucrado R$ 15 milhões.

A receita bruta em prestação de serviços totalizou R$ 62,2 milhões no primeiro semestre, em uma alta de 60,2%.

O volume bruto consolidado de vendas gerado pelas empresas no marketplace da Méliuz foi de R$ 932 milhões no mesmo período - avanço anual de 52%.

A companhia informa ter cerca de 10 milhões de contas e 800 parceiros ativos.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Tem cupom pra isso?

Méliuz lança plataforma de empréstimos online

A companhia, que desde 2019 oferece um cartão de crédito sem anuidade e com cashback, vem ampliando a gama de serviços financeiros

MERCADOS HOJE

Ibovespa ignora tensão em Brasília e busca romper marca histórica; dólar recua

Exterior positivo traz fôlego aos negócios locais, mas problemas em Brasília persistem

Exile on Wall Street

Bolsa não precisa de motivos para subir e os ganhos acontecerão – mesmo no pior cenário

Do fim de fevereiro até este meio de abril, o Ibovespa retomou os 120 mil pontos rapidamente, e sem qualquer utopia. Isso nos traz uma importante lição enquanto investidores agnósticos: a Bolsa não precisa de motivos para subir. Repita o mantra: não precisa de motivos para subir, não precisa de motivos… assim como você não […]

Taxa zero pra todo o lado

Easynvest zera taxa de corretagem para maioria das operações com ações, BDRs e opções

A corretora digital já não cobrava por investimentos em renda fixa e agora quer expandir essa ideia para ações, BDRs e opções do aplicativo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies