Menu
2020-08-06T08:48:05-03:00
Estadão Conteúdo
Acordo pelo fim do desmatamento

Greenpeace acusa JBS de não cumprir acordo

De acordo com a ONG, a JBS e outros frigoríficos se comprometeram em 2009 a zerar o desmatamento de sua cadeia de suprimentos em até dois anos, o que incluía não ter nenhum fornecedor que trabalhasse em áreas desmatadas da Amazônia

6 de agosto de 2020
8:48
Logo da JBS na parte externa de um prédio
Logo da JBS na parte externa de um prédio - Imagem: Divulgação

A organização não governamental Greenpeace Internacional divulgou ontem relatório que aponta impactos da indústria de carne no meio ambiente e critica a brasileira JBS por quebra de compromisso com a exclusão de desmatadores em sua cadeia de produção.

A publicação faz parte de campanha do Greenpeace Reino Unido contra a rede de supermercados Tesco, exigindo que a empresa pare de comercializar produtos de companhias acusadas de envolvimento na destruição da Amazônia e do cerrado. O relatório diz que a JBS, maior empresa de proteína animal do mundo, possui um “atraso inaceitável” em honrar a promessa de não contribuir mais para o desmatamento.

De acordo com a ONG, a JBS e outros frigoríficos se comprometeram em 2009 a zerar o desmatamento de sua cadeia de suprimentos em até dois anos, o que incluía não ter nenhum fornecedor, direto ou indireto, que trabalhasse em áreas desmatadas da Amazônia. As empresas também prometeram não contribuir com invasões de terras indígenas e áreas protegidas.

Em nota, a JBS reafirmou seu compromisso com o fim do desmatamento em toda a sua cadeia de suprimentos. A empresa diz que tem “ liderado o setor em medidas para aprimorar a rastreabilidade da cadeia de suprimentos” e trabalhado “em colaboração com órgãos governamentais nacionais e regionais para desenvolver soluções envolvendo as melhores práticas”.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Combinação promete

Aura Minerals (AURA33): ouro e dividendos no mesmo investimento

Max Bohm, sócio e analista de Empiricus, enxerga um potencial enorme de crescimento na combinação oferecida pela mineradora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies