Menu
2020-06-08T08:18:27-03:00
novos tempos

Digitalização reduz em 10 meses projeto da VW

Utilitário-esportivo da empresa foi desenvolvido no Brasil totalmente de forma digital, o que reduziu o tempo de criação

8 de junho de 2020
8:18
Volkswagen
Imagem: Shutterstock

As primeiras unidades do Nivus para comercialização começam a ser produzidas hoje na fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, que retomou operações na semana passada, após mais de dois meses de portas fechadas por causa da crise do coronavírus.

O utilitário-esportivo foi desenvolvido no Brasil totalmente de forma digital, o que reduziu o tempo de criação em dez meses. Normalmente o projeto de um novo carro leva de dois anos e meio a três anos.

Grande aposta da marca e único lançamento feito pela Volkswagen em todo o mundo durante a pandemia, o modelo é uma mistura de SUV, crossover, cupê, sedã e esportivo, conforme define o presidente da empresa na América do Sul, Pablo Di Si. Segundo ele, no projeto de criação não foi feito nenhum carro físico - os chamados clays, modelos em tamanho natural feitos de argila. "Foi tudo digital, inclusive o desenvolvimento das peças".

Em projetos anteriores eram feitos de oito a dez clays. A dispensa dessa etapa e todo o trabalho digital representou significativa redução de custos. "É uma revolução histórica", afirma Di Si. A apresentação do modelo feita de forma virtual em live no fim de maio teve 130 mil acessos de concessionários, fornecedores, jornalistas e consumidores do Brasil e de outros 56 países.

A produção do Nivus, assim como do Polo e do Virtus, também feitos no ABC, ocorrerá em um turno. Dependendo da demanda a empresa poderá retomar o segundo turno. Do contrário, terá de renegociar medidas de flexibilização com o Sindicato dos Metalúrgicos. No fim do mês 1,2 mil operários que estão em lay-off retornam à fábrica.

Produção na Europa

O SUV Nivus também é o primeiro carro desenvolvido no Brasil que será produzido na Espanha, em 2021, de onde será distribuído para vários países europeus.

Além do projeto do carro, a Volkswagen brasileira vai exportar o software da central de multimídia, outro produto de criação local que poderá ser configurado de acordo com as demandas locais. Hoje, há 60 técnicos da Espanha em visita à fábrica do ABC para conhecer o projeto.

Chamado de VW Play, o sistema é de multimídia é considerado por analistas o mais avançado do mercado. Tem tela de 10 polegadas e permite fazer download de aplicativos diretamente do aparelho, usa a internet do celular do usuário como base e tem apps como Waze e iFood. A central vai equipar todos os novos carros da marca no País.

O modelo cria uma nova categoria no segmento de SUVs, o de utilitário cupê compacto e, por isso, não tem concorrentes diretos. A concorrência será, então, por faixa de preço. O Nivus deve custar entre R$ 80 mil e R$ 100 mil. A empresa ainda não divulgou preços oficiais. A pré-venda digital começará na última semana do mês com promoções. A chegada às lojas será em julho.

Segmento em expansão

O segmento de utilitários-esportivos (SUVs) é o que tem mais modelos à venda no Brasil - são pelo menos 40 - e outros dez eram esperados para este ano, mas, com a crise da covid-19 metade deles ficou para 2021.

No ano passado foram vendidos 600,1 mil SUVs no mercado brasileiro, número que equivale a 22% de todos os automóveis e comerciais leves comercializados no País. A categoria só fica atrás da de modelos hatch que, nas 24 versões de entrada, pequenas e médias somaram vendas de 1,027 milhão de unidades, ou 38% de todo o mercado.

Estudos da consultoria Bright indicam que a participação dos SUVs deve chegar a 30% em 2023, enquanto a dos hatch deve cair para 34%. "Vai crescer em função do novo consumidor de alta renda que valoriza estilo, segurança, multiúso, conectividade e performance", diz Paulo Cardamone, presidente da Bright.

A escalada dos utilitários ocorre em todo o mundo e vem conquistando os brasileiros. Neste ano de queda drástica em razão da pandemia do coronavírus as vendas de SUV somaram, até maio, 148,3 mil unidades, queda de 32,7% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

O segmento de hatchs teve 243,9 mil modelos vendidos, 40% menos que em 2019.

Dos dez SUVs previstos para este ano, já foram lançados os Chevrolet Tracker e o Volkswagen Nivus, ambos produzidos no Brasil. Devem chegar até dezembro o Caoa/Chery Tiggo 8, que será produzido em Anápolis (GO) e os importados Ford Territory (China), e Volkswagen Tarek (Argentina).

Outras cinco novidades previstas devem ficar para 2021: Escape e Adventure, da Ford, Citroën C5 Aircross, o SUV da Fiat derivado do Argo e outro modelo da Jeep.

Mesmo com expectativas em relação ao Nivus, Pablo Di Si, presidente da Volkswagen, acredita que, em razão da crise e do desemprego, num primeiro momento muitos consumidores vão migrar para os modelos de entrada (mais baratos) e picapes de pequeno porte para serviços de entrega. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Novo nome no MEC

Bolsonaro anuncia pastor Milton Ribeiro como novo ministro da Educação

Decreto presidencial nomeou professor para o cargo nesta sexta-feira

Investimento para o cliente

Corretora Warren recebe aporte de R$ 120 milhões para investimento em plataformas digitais

Fintech visa multiplicar por cinco patrimônio sob gestão até o fim de 2021 e aumentar alcance da marca: ‘Nossa meta é seguir investindo em tecnologia’

Chegou lá

E o Ibovespa, quem diria, voltou aos 100 mil pontos. O que isso significa?

Depois de mais de quatro meses, o Ibovespa finalmente reconquistou o patamar dos três dígitos. Algumas boas notícias da economia doméstica ajudam a explicar o otimismo na semana, mas há mais fatores que influenciaram esse movimento

Crise se afastando?

Barômetros globais sinalizam retomada gradual da economia mundial, diz FGV

Melhoras ainda estão condicionadas a um ‘grau elevado’ de incerteza diante da pandemia, pondera pesquisador

desconfiança justa?

Amazon pede que funcionários excluam TikTok por questões de ‘segurança’

Segundo uma captura de tela obtida pelo The New York Times, a empresa de e-commerce enviou um e-mail solicitando a exclusão do app

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements