Menu
2020-12-18T10:15:19-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
voltando com tudo

Aumento da demanda leva Usiminas a retomar atividade de alto-forno em Ipatinga (MG)

Retorno das operações deve ocorrer em junho do ano que vem, com previsão de investimento de R$ 67 milhões

18 de dezembro de 2020
10:15
Trabalhador operando um alto-forno da Usiminas
Trabalhador operando um alto-forno da Usiminas - Imagem: Shutterstock

Vendo um aumento da demanda por seus produtos, a Usiminas (USIM5) anunciou nesta sexta-feira (18) a retomada da operação do Alto-Forno 2, localizado na Usina de Ipatinga, em Minas Gerais.

A previsão é de que ele volte a operar em junho de 2021. Para garantir a retomada dos trabalhos, a companhia pretende realizar um aporte de R$ 67 milhões.

O Alto-Forno foi temporariamente desligado pela Usiminas no segundo trimestre, diante da necessidade de adequar sua produção à demanda do mercado, que se encontrava em queda por conta da pandemia de covid-19.

Com a retomada vista nos mercados consumidores de aços planos, ela religou o Alto-Forno 1 e voltou com as atividades na Aciaria, ambas localizadas em Ipatinga, em 26 de agosto. Ela também reiniciou as atividades de laminação na usina de Cubatão, em São Paulo.

“O retorno do Alto-Forno [dois] está em linha com o compromisso da Usiminas com a geração de resultados sustentáveis, bem como com os esforços perenes da companhia para atendimento da demanda de seus clientes locais”, diz trecho do comunicado divulgado hoje.

Venda da sede

Junto com a notícia da retomada das operações do Alto-Forno 2, a Usiminas informou que fechou um acordo para vender seu edifício sede, em Belo Horizonte, para a Fundação São Francisco Xavier, por R$ 130 milhões.

Instituída em 1969 pela própria empresa, a entidade filantrópica atua nas áreas de saúde e educação. O imóvel, segundo o comunicado, será utilizado para a ampliação de sua rede hospitalar.

De acordo com o site da Fundação, ela possui quase 6 mil colaboradores e é composta por sete unidades hospitalares presentes em cinco estados, que são: Hospital Márcio Cunha (HMC), Hospital Municipal Carlos Chagas (HMCC), Hospital de Cubatão (HC), Colégio São Francisco Xavier (CSFX), Usisaúde – operadora de planos de saúde, Centro de Odontologia Integrada (COI) e a VITA – Soluções em Saúde Ocupacional.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Os três mosqueteiros do varejo e outros destaques da noite

Na bolsa e no setor de varejo, a máxima do “um por todos e todos por um” não se aplica. Empresas competem umas com as outras e investidores buscam as melhores aplicações — o “cada um por si” tem bem mais adeptos. Mas, quem diria, três mosqueteiros juntaram suas espadas para comemorar os bons resultados […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sobe puxado pelo minério de ferro e encosta nos 123 mil; NY fecha o dia no vermelho

Com a economia chinesa aquecida, a demanda por commodities segue em alta e sustenta bons níveis para o Ibovespa.

Seleção Empiricus

🔴 AO VIVO: Quais são os investimentos para o segundo semestre? | Seleção Empiricus

Caminhando para o fim do primeiro semestre, nosso time do Seleção Empiricus de hoje discute o que podemos esperar da Bolsa para os próximos meses. A escalação do jogo de hoje conta com Max Bohm, Matheus Spiess, Cris Fensterseifer e Marcos Queiroz.

Segure seus bitcoins

Golpistas se passam por Elon Musk e roubam dinheiro de investidores de criptomoedas

Os criminosos usaram perfis falsos do CEO da Tesla para levar ao menos US$ 2 milhões de entusiastas do bitcoin e outras moedas digitais

Orçamento apertado

Segmentos mais impactados de comércio e serviços tiveram perdas de R$ 225,7 bi em 2020

Montante é maior que o total produzido por países como Sérvia e Tunísia. Varejo de roupas perdeu 10% do seu tamanho no ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies