Menu
2020-05-13T18:56:51-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
efeitos da crise

Vendas do varejo recuam 2,5% em março, com queda limitada pelos serviços essenciais

Em meio à crise do coronavírus, supermercados e artigos médicos registram forte alta, diz IBGE; varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, tombou 13,7%

13 de maio de 2020
9:14 - atualizado às 18:56
mercado
Imagem: Shutterstock

No início da crise do novo coronavírus, as vendas no varejo recuaram 2,5% em março em relação a fevereiro, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, a queda só não foi mais intensa por causa de áreas consideradas essenciais durante o período de isolamento social —  como supermercados (avanço de 14,6%) e artigos médicos, de perfumaria e cosméticos (alta de 1,3%). Foram os dois únicos setores com avanços nas vendas frente a fevereiro.

O IBGE relevou no último dia 8 que os preços de alimentos e bebidas seguiram aumentando em abril por causa da crise. No geral, o país registrou uma queda generalizada dos preços, de 0,31%, por causa da baixa demanda.

Ainda segundo a pesquisa divulgada nesta quarta, na série sem ajuste sazonal, o comércio varejista recuou 1,2% em relação a março de 2019, contra aumento de 4,7% em fevereiro. Foi a primeira queda após 11 meses consecutivos de variações positivas nesta comparação. O varejo acumulou alta de 1,6% no ano e 2,1% nos últimos doze meses.

Seis de oito atividades recuaram

Segundo o IBGE, seis das oito atividades pesquisadas registraram queda no volume de vendas do comércio varejista, sobretudo aquelas que tiveram suas lojas físicas fechadas em algumas cidades do país, a partir da segunda quinzena do mês.

Apresentaram resultados negativos:

  • Tecidos, vestuário e calçados (-42,2%);
  • Livros, jornais, revistas e papelaria (-36,1%);
  • Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-27,4%);
  • Móveis e eletrodomésticos (-25,9%);
  • Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-14,2%);
  • Combustíveis e lubrificantes (-12,5%).

Veículos e materiais de construção

No varejo ampliado, que inclui as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, o volume de vendas recuou 13,7% em relação a fevereiro. Foi a queda mais intensa desde o início da série, em fevereiro de 2003.

Em relação a março de 2019, o comércio varejista ampliado recuou 6,3%, primeira queda após 11 meses consecutivos de variações positivas, com estabilidade (0,0%) no acumulado no ano.

De acordo com o IBGE, ao justificar a variação detectada em suas receitas de vendas em março, 43,7% das empresas citaram o coronavírus como principal causa.

Na comparação com março de 2019, a queda no volume de vendas das empresas que relataram impacto do Covid-19 em suas atividades foi de 23,0%, enquanto a retração das que não reportaram qualquer impacto da quarentena em suas receitas foi de 1,5%, na mesma comparação.

O comércio varejista recuou 1,2% em relação a março de 2019 e a influência das receitas das empresas que relataram algum impacto devido ao Covid-19 nesse indicador foi de (-2,6 p.p.) enquanto a influência das que não relataram qualquer impacto foi de 1,4 p.p.

No varejo ampliado, a queda no volume de vendas das empresas impactadas pelo Covid-19 foi de 26,8%, enquanto a das que não relataram impacto foi de 3,1%. A influência do subgrupo de empresas impactadas na variação do varejo ampliado em relação a março de 2019 (-6,3%) foi de -3,7 p.p, enquanto o subgrupo das demais influiu com -2,6 p.p.

Impactos da crise

A crise do coronavírus derrubou a oferta e a demanda a partir de meados de março, mas o país passou a conhecer o reflexo da pandemia sobre a economia nas últimas semanas.

A produção industrial caiu 9,1% em março, em comparação com o fevereiro, segundo o IBGE. O resultado é o pior para o mês desde 2002. A queda foi de 3,8% em relação ao mesmo período de 2019, ainda conforme o instituto. O setor industrial acumula baixa de 1,7% no ano e de 1% em 12 meses.

Também em março, o volume de serviços no Brasil caiu 6,9%. Foi o resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica, que começou em janeiro de 2011. O índice havia recuado 1,0% em fevereiro.

Em abril, a produção de veículos caiu 99,3%, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), na comparação é com o mesmo período do ano passado. As fábricas produziram 1,8 mil unidades no mês, o menor resultado para um mês desde o início da série histórica, em 1957.

O mercado já projeta um tombo de 4,11% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, segundo o boletim Focus, do Banco Central, desta segunda-feira (11). A perspectiva de recuo da economia fez a autoridade monetária reduzir a taxa básica de juros para 3% ao ano, no último dia 6.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

o pior já passou?

Depois do fundo do poço, venda de veículos novos sobe 11,6% em maio

Na comparação com maio do ano passado as vendas ainda despencam, com retração de 74,6%

em meio à pandemia

Governo busca destravar crédito a pequenas e médias empresas

Além de ampliar o escopo do financiamento de salários, cuja oferta de recursos ficou bem abaixo do esperado, avança na regulamentação da linha que terá garantia do fundo de aval do BNDES

EM MEIO À PANDEMIA

Bolsonaro paga recorde de emendas parlamentares

O montante efetivamente pago também foi o maior para um único mês ao longo dos últimos anos, R$ 4 bilhões.

EFEITO CORONAVÍRUS

Alta do dólar pressiona dívida e derruba lucro das empresas em 70% no trimestre

A disparada do dólar, que ganhou força a partir do fim do carnaval, foi suficiente para azedar o resultado das operações.

ENERGIA

Aneel autoriza postergação de entrega de obras de transmissão por 4 meses

O órgão regulador também suspendeu processos de autorização de obras não urgentes.

exile on wall strett

A festa junina que podemos ter

O que você observa do mercado hoje? Querendo ou não, gostando ou não, é um mercado leve, comprador, sem vendedor marginal, migrando para ativos de risco.

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Alívio intenso

Ibovespa sobe aos 90 mil pontos e dólar cai a R$ 5,23 com menor aversão ao risco

O Ibovespa continua recuperando o terreno perdido, impulsionado pelo clima de menor aversão ao risco no mundo. No câmbio, o dólar à vista cai forte e chega às mínimas desde 17 de abril

no twitter

Grupo divulga dados pessoais que seriam de Bolsonaro, família e aliados

Um perfil publicou imagens que alega retratarem a lista de bens declarados pelo presidente, com valor idêntico à declaração apresentada ao TSE

INVESTIGAÇÃO POLÍTICA

‘Presidente esqueceu de combinar comigo’, diz Aras sobre suposto arquivamento

Cabe a Aras decidir se denuncia ou não Bolsonaro, o que poderia resultar no afastamento do presidente do cargo.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements