Menu
2020-05-13T18:56:51-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
efeitos da crise

Vendas do varejo recuam 2,5% em março, com queda limitada pelos serviços essenciais

Em meio à crise do coronavírus, supermercados e artigos médicos registram forte alta, diz IBGE; varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, tombou 13,7%

13 de maio de 2020
9:14 - atualizado às 18:56
mercado
Imagem: Shutterstock

No início da crise do novo coronavírus, as vendas no varejo recuaram 2,5% em março em relação a fevereiro, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o IBGE, a queda só não foi mais intensa por causa de áreas consideradas essenciais durante o período de isolamento social —  como supermercados (avanço de 14,6%) e artigos médicos, de perfumaria e cosméticos (alta de 1,3%). Foram os dois únicos setores com avanços nas vendas frente a fevereiro.

O IBGE relevou no último dia 8 que os preços de alimentos e bebidas seguiram aumentando em abril por causa da crise. No geral, o país registrou uma queda generalizada dos preços, de 0,31%, por causa da baixa demanda.

Ainda segundo a pesquisa divulgada nesta quarta, na série sem ajuste sazonal, o comércio varejista recuou 1,2% em relação a março de 2019, contra aumento de 4,7% em fevereiro. Foi a primeira queda após 11 meses consecutivos de variações positivas nesta comparação. O varejo acumulou alta de 1,6% no ano e 2,1% nos últimos doze meses.

Seis de oito atividades recuaram

Segundo o IBGE, seis das oito atividades pesquisadas registraram queda no volume de vendas do comércio varejista, sobretudo aquelas que tiveram suas lojas físicas fechadas em algumas cidades do país, a partir da segunda quinzena do mês.

Apresentaram resultados negativos:

  • Tecidos, vestuário e calçados (-42,2%);
  • Livros, jornais, revistas e papelaria (-36,1%);
  • Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-27,4%);
  • Móveis e eletrodomésticos (-25,9%);
  • Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-14,2%);
  • Combustíveis e lubrificantes (-12,5%).

Veículos e materiais de construção

No varejo ampliado, que inclui as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, o volume de vendas recuou 13,7% em relação a fevereiro. Foi a queda mais intensa desde o início da série, em fevereiro de 2003.

Em relação a março de 2019, o comércio varejista ampliado recuou 6,3%, primeira queda após 11 meses consecutivos de variações positivas, com estabilidade (0,0%) no acumulado no ano.

De acordo com o IBGE, ao justificar a variação detectada em suas receitas de vendas em março, 43,7% das empresas citaram o coronavírus como principal causa.

Na comparação com março de 2019, a queda no volume de vendas das empresas que relataram impacto do Covid-19 em suas atividades foi de 23,0%, enquanto a retração das que não reportaram qualquer impacto da quarentena em suas receitas foi de 1,5%, na mesma comparação.

O comércio varejista recuou 1,2% em relação a março de 2019 e a influência das receitas das empresas que relataram algum impacto devido ao Covid-19 nesse indicador foi de (-2,6 p.p.) enquanto a influência das que não relataram qualquer impacto foi de 1,4 p.p.

No varejo ampliado, a queda no volume de vendas das empresas impactadas pelo Covid-19 foi de 26,8%, enquanto a das que não relataram impacto foi de 3,1%. A influência do subgrupo de empresas impactadas na variação do varejo ampliado em relação a março de 2019 (-6,3%) foi de -3,7 p.p, enquanto o subgrupo das demais influiu com -2,6 p.p.

Impactos da crise

A crise do coronavírus derrubou a oferta e a demanda a partir de meados de março, mas o país passou a conhecer o reflexo da pandemia sobre a economia nas últimas semanas.

A produção industrial caiu 9,1% em março, em comparação com o fevereiro, segundo o IBGE. O resultado é o pior para o mês desde 2002. A queda foi de 3,8% em relação ao mesmo período de 2019, ainda conforme o instituto. O setor industrial acumula baixa de 1,7% no ano e de 1% em 12 meses.

Também em março, o volume de serviços no Brasil caiu 6,9%. Foi o resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica, que começou em janeiro de 2011. O índice havia recuado 1,0% em fevereiro.

Em abril, a produção de veículos caiu 99,3%, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), na comparação é com o mesmo período do ano passado. As fábricas produziram 1,8 mil unidades no mês, o menor resultado para um mês desde o início da série histórica, em 1957.

O mercado já projeta um tombo de 4,11% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, segundo o boletim Focus, do Banco Central, desta segunda-feira (11). A perspectiva de recuo da economia fez a autoridade monetária reduzir a taxa básica de juros para 3% ao ano, no último dia 6.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

NÚMEROS OFICIAIS

Brasil tem mais 263 mortes e 15.726 novos casos de covid-19

Desde o início da pandemia, o País acumula 5.409.854 casos confirmados de covid-19

em Minas Gerais

Notre Dame Intermédica compra Grupo Serpram por R$ 170 milhões

Aquisição marca avanço da empresa em Minas Gerais; mais cedo, companhia anunciou compra de outra empresa, no Sul do País

forte expansão

Unidas reporta lucro líquido de R$ 124 milhões, alta de 44,4% e melhor da história

Empresa registrou uma forte retomada no segmento de Terceirização de Frotas, que apresentou recordes de contratação

desinvestimentos

Compass apresenta proposta para adquirir participação da Petrobras na Gaspetro

Empresa, que chegou a desistir de abrir capital, não revelou valor pela fatia; processo é mais um desinvestimento da Petrobras, que desembarca de vez da companhia

Dinheiro na conta

Santander pagará R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O valor líquido por ação será de R$ 0,10859906709 por ON, com retenção de IR na fonte.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies