Menu
2020-11-27T10:05:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
ainda ruim

Taxa de desemprego bate novo recorde no 3º trimestre

Desocupação sobe para 14,6% no trimestre encerrado em setembro, mas fica abaixo da mediana de estimativas

27 de novembro de 2020
10:05
desemprego
Imagem: Shutterstock

A taxa de desocupação alcançou 14,6% no trimestre encerrado em setembro, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), divulgada nesta sexta-feira (27) pelo IBGE.

Trata-se da maior taxa de desemprego da história da pesquisa, iniciada em 2012. Ela representa um crescimento de 1,3 ponto percentual (p.p.) em relação ao trimestre de abril e a junho e de 2,8 p.p. ante o mesmo trimestre de 2019.

Apesar de recorde, o resultado veio abaixo da mediana das expectativas dos analistas consultados pelo Projeções Broadcast, de 14,8%, vindo dentro do intervalo de previsões, que ia de 14,3% a 16,1%.

O resultado mostra que ainda há muito a melhorar, ainda que o mercado de trabalho esteja dando sinais de recuperação. Na quinta-feira (26), o Ministério da Economia divulgou que o outubro registrou a abertura de 394.989 vagas, um recorde histórico.

Desocupados e desalentados

Segundo o IBGE, a quantidade de pessoas desocupadas subiu 10,2% na comparação trimestral, para 14,1 milhões, enquanto a população ocupada caiu 1,1%, para 82,5 milhões, o patamar mais baixo da série histórica.

O nível de ocupação, que atingiu 47,1%, foi o mais baixo da série, caindo 0,8 p.p. frente ao trimestre anterior, enquanto a taxa composta de subutilização bateu recorde, subindo 1,2 p.p., para 30,3%.

Outro recorde que foi registrado foi de população desalentada, grupo de pessoas que desistiu de procurar emprego porque não tem esperanças de que irá encontrar. O número de pessoas nesta categoria cresceu 3,2%, para 5,9 milhões.

Renda

A Pnad apurou ainda que o rendimento médio real habitual no trimestre terminado em setembro somou R$ 2.554, estatisticamente estável frente ao trimestre anterior (R$ 2.519) e subiu 8,3% contra o mesmo trimestre de 2019 (R$ 2.359).

A massa de rendimento real habitual (R$ 205,3 bilhões) também ficou estável frente ao trimestre anterior e caiu 4,9% (menos R$ 10,6 bilhões) em relação ao mesmo trimestre de 2019. 

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Rapidinhas da semana

BLINK: Magalu ou ViaVarejo? Quem mandou melhor no 1º trimestre?

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Magalu, ViaVarejo e muito mais no Blink

Virando a chavinha

Agibank traça estratégia para abandonar imagem de ‘financeira’

Banco gaúcho quer alcançar marca de 35 milhões de clientes em 6 anos

O melhor do Seu Dinheiro

O dragão à solta, Elon Musk, bitcoin e outras notícias que mexeram com seus investimentos

O temor com o retorno da inflação nos EUA, as falas de Elon Musk sobre o bitcoin, as ações de empresas em recuperação judicial e outros destaques da semana

Como vai ser?

Decisão sobre ICMS vai destravar ações, dizem especialistas

Cobrança continuará até que Receita seja autorizada a alterar sistema

Efeitos da reestruturação

CEO da Cogna afirma que ajustes feitos em 2020 já mostram primeiros resultados

Rodrigo Galindo cita margem Ebitda recorrente e prazo médio de recebimento de alunos pagantes como efeitos positivos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies