Menu
2020-11-03T00:22:45-03:00
Estadão Conteúdo
AINDA RUIM

Taxa de desemprego atinge 14,4% no trimestre até agosto, a maior desde 2012

País registrou 13,794 milhões de desempregados no período, aumento de 8,5%

30 de outubro de 2020
12:13 - atualizado às 0:22
desemprego coronavírus
Imagem: Shutterstock

A forte queda da atividade econômica provocada pela pandemia da covid-19 continua causando um forte estrago nos empregos.

A taxa de desemprego no trimestre encerrado em agosto subiu para 14,4%, o maior nível já registrado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que teve início em 2012. No trimestre encerrado em julho, a taxa estava em 13,8%.

A população desocupada cresceu a 1,083 milhão em apenas um trimestre, aumento de 8,5%, totalizando 13,794 milhões de desempregados. Em relação a um ano antes, há 1,229 milhão de desocupados a mais, alta de 9,8%.

De acordo com a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, o aumento na taxa de desemprego é um reflexo da flexibilização das medidas de isolamento social para controle da pandemia.

"Esse aumento da taxa está relacionado ao crescimento do número de pessoas que estavam procurando trabalho. No meio do ano, havia um isolamento maior, com maiores restrições no comércio, e muitas pessoas tinham parado de procurar trabalho por causa desse contexto. Agora, a gente percebe um maior movimento no mercado de trabalho em relação ao trimestre móvel encerrado em maio", diz.

Segundo a Pnad Contínua, o País registrou uma perda de 4,270 milhões de pessoas ocupadas no mercado de trabalho em apenas um trimestre. A população ocupada desceu ao menor patamar da série histórica iniciada em 2012, com 81,666 milhões de pessoas. Em um ano, foram extintos 11,965 milhões de empregos, uma queda de 12,8% no total de pessoas trabalhando.

A taxa de desemprego só não subiu ainda mais porque houve um aumento de 5,6% no número de pessoas na inatividade em relação ao trimestre imediatamente anterior.

A população inativa alcançou o auge de 79,141 milhões no trimestre encerrado em agosto, 4,177 milhões a mais que no trimestre terminado em maio. Em um ano, 14,213 milhões de brasileiros migraram para a inatividade, um salto de 21,9% no total de pessoas fora da força de trabalho.

O nível da ocupação - porcentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar - caiu de 49,5% no trimestre encerrado em maio para 46,8% no trimestre até agosto de 2020, o menor da série histórica. No trimestre terminado em agosto de 2019, o nível da ocupação era de 54,7%.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

em meio à crise

Em reunião com empresários, Bolsonaro defende vacinação e diz não ter preocupação com CPI da Covid

Presidente e ministros participaram de uma videoconferência com o grupo que reúne os 50 maiores grupos privados do País

seu dinheiro na sua noite

Ação da Moura Dubeux caiu 50% desde o IPO. Ficou barata?

O ano de 2020 começou promissor para a economia brasileira e com boas perspectivas para a chegada de novas empresas à bolsa. A temporada de IPOs se iniciou nos primeiros dias de fevereiro, com a estreia da construtora Mitre, seguida da empresa de tecnologia Locaweb. Mais para meados do mês, vimos a abertura de capital […]

ampliação de sortimentos

Lojas Americanas compra Imaginarium e prevê aumentar marcas próprias

Companhia anunciou aquisição do Grupo Uni.co, mas não revelou valores; com negócio, Americanas avança sobre varejo especializado em franquias

FECHAMENTO

Mercado olha desconfiado para Orçamento e Ibovespa acompanha queda do exterior; dólar fica estável

Com a agenda de indicadores esvaziada e a véspera de feriado, os investidores acabaram optando pela cautela

Prioridade na Casa

Câmara aprova requerimento de urgência sobre projeto de privatização dos Correios

A medida permite que a proposta “fure” a fila de votação de projetos e pode agilizar o processo de desestatização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies