Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-12-12T16:35:18-03:00
Estadão Conteúdo
de olho em 2021

S&P reafirma rating do Brasil em ‘BB-/B’ e mantém perspectiva estável

Pelas estimativas da agência, o PIB brasileiro registrará contração de 4,7% em 2020, mas avanço de 3,1% esperado para o ano que vem, “embora a retirada do estímulo fiscal crie incertezas”

10 de dezembro de 2020
20:18 - atualizado às 16:35
38. Touros e Ursos CAPA Lupa Brasil Mapa
Imagem: Shutterstock

A S&P Global Ratings reafirmou as notas de créditos do Brasil de longo e curto prazo em moeda estrangeira e local em "BB-/B" e manteve perspectiva estável. A agência também preservou o rating em escala nacional em "BrAAA" e a avaliação de convertibilidade e transferência em "BB+".

Em comunicado, a instituição justifica a decisão com a expectativa de que a implementação de um ajuste fiscal e a "modesta recuperação econômica" do País serão suficientes para assegurar a confiança dos mercados e condições adequadas de financiamento para o governo, apesar do crescente endividamento.

Mas faz alertas: "Brasil pode ter avaliações mais baixas se compromisso da classe política com fiscal diminuir", destaca a nota. "Entrando em 2021, enquanto a atividade se recupera gradualmente, o Brasil enfrenta o desafio significativo de redução das medidas de estímulo fiscal implementadas este ano".

Pelas estimativas da agência, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro registrará contração de 4,7% em 2020, mas avanço de 3,1% é esperado para o ano que vem, "embora a retirada do estímulo fiscal crie incertezas".

"Esperamos uma recuperação sustentada, embora moderada, do investimento privado nos próximos trimestres por conta da política monetária expansionista, a Selic em nível mínimo recorde de 2% e um forte aumento na capacidade utilização de acordo com pesquisas recentes", explica.

A S&P Global Ratings entende que a aprovação de reformas macroeconômicas em diversos setores e um amplo programa de concessões são positivos para investimentos. De acordo com a agência, o Brasil enfrenta perspectivas de crescimento mais fracas do que países em estágio semelhante de desenvolvimento.

"Esperamos PIB per capita de US$ 6.513 para 2020. Elevar o crescimento do PIB de longo prazo do País depende de reformas para aumentar a produtividade e o investimento privado, como uma simplificação das pesadas regras fiscais do Brasil", destaca a agência, dizendo que esse tema está em "estágio avançado" no Congresso.

A análise ressalta que o governo do presidente Jair Bolsonaro demonstrou compromisso com a agenda reformista, mas que a falta de uma coalizão no Legislativo e o resultado das eleições municipais representam desafios nesse sentido.

Também projeta que a dívida líquida deve avançar a 16% do PIB em 2020, antes de ceder para 8% em 2021. "O déficit fiscal vai aumentar a carga da dívida líquida do governo para cerca de 76% do PIB em final de 2021, chegando a quase 80% do PIB em 2023", prevê.

Em relação à posição externa, a S&P vê o País em situação resiliente, com o real sendo ativamente negociado no mercado internacional. "O País tem estado em uma estreita posição externa desde 2016, como resultado de um limitado endividamento externo público e privado, combinado com um grande estoque de reservas internacionais", pontua.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Coluna do jojo

Mercados hoje: Em terra de Copom, quem sobe os juros é rei

Para hoje, além da continuidade da temporada de resultados com pesos pesados – por aqui, esperamos nomes como Gerdau, Banco do Brasil e Petrobras –, mais pesquisas de opinião sobre o sentimento empresarial estão por vir

O melhor do seu dinheiro

O que mexe com seu dinheiro: bolão do Copom na bolsa, novo fundo da Inter, IPO da Raízen e mais

Bem, amigos do Seu Dinheiro. Hoje é dia de decisão! Com o desfalque do diretor Bruno Serra, que testou positivo para a covid-19, o Banco Central entra em campo nesta quarta-feira para definir a taxa básica de juros (Selic). Haja coração! As reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) são para a imprensa econômica o […]

Cliente difícil

Barrada na alfândega: Carne de unidade da BRF não é mais bem vinda na China

País asiático suspende compra de produtos suínos e de aves processados na unidade de Lucas do Rio Verde (MT), alegando problemas no transporte

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: cautela antes da decisão do Copom e risco fiscal devem dividir atenção com balanços do dia

Em meio ao exterior positivo, bolsa brasileira deve lidar com cenário interno de incertezas quanto ao teto de gastos

Preparar para decolagem

Renovação total: Gol faz acordo para adquirir aviões novos; veja os detahes

Presidente da companhia aérea afirma que movimento é uma antecipação à esperada retomada da demanda por viagens após a pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies