Menu
2020-09-20T17:09:23-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
dinheiro estrangeiro

Sem reformas, fim da pandemia pode não trazer investimentos

Desde 2015, a participação de estrangeiros nos títulos de dívida pública caiu de 20,8% para 9%; quadro fiscal piorou com a pandemia

20 de setembro de 2020
17:03 - atualizado às 17:09
montagem dinheiro estrangeiro
Montagem mostra rostos estampados em cédulas de moeda estrangeira - Imagem: Shutterstock

A pandemia virou assunto predominante no mercado financeiro e a descoberta de uma vacina contra a covid-19 já está sendo precificada nas bolsas. No entanto, sem reformas o fim da doença não deve garantir a volta do investimento estrangeiro, segundo avaliação do Tesouro Nacional.

O coordenador-geral de operações da Dívida Pública do governo, Luis Felipe Vital, diz que pode até haver movimentos especulativos, mas a volta dos investidores institucionais depende da aprovação de mais reformas e de sinais de retomada da economia.

Já o economista Affonso Celso Pastore, ex-presidente do Banco Central, lembra que a economia com reforma da Previdência ficou menor que na proposta original.

O especialista também fala que a reforma administrativa não afeta os servidores atuais. “As propostas do governo não resolvem o problema", diz Pastore.

"A equipe econômica tenta gambiarras para resolver o fiscal um ano ou dois anos à frente. A dívida hoje não é sustentável, porque não há regime fiscal crível com garantia de que a dívida pode ser paga”, afirma o especialista.

Fortalecimento

O economista Carlos Kawall, diretor da Asa Investiments e ex-secretário do Tesouro, também defende que a crise seja oportunidade para o País se fortalecer, e não para gastar mais.

“Uma coisa é financiar a dívida em 2020. Outra é achar que vamos fazer isso para sempre”, diz. “Mas parece que o governo - não estou falando da equipe econômica - escolheu fazer piquenique na beira do vulcão.”

Kawall critica as sinalizações de parte do governo de Jair Bolsonaro e do Congresso de que alguns gastos emergenciais do período de pandemia poderão continuar no próximo ano.

Crises anteriores

Segundo ele, em crises anteriores o Brasil cometeu erros semelhantes. “Em 2007 e 2008, enfrentamos muito bem a crise internacional. Éramos grau de investimento e pudemos gastar”, lembra.

“No momento subsequente, deixamos de fazer as reformas e passamos a romper a institucionalidade fiscal”, diz Kawall.

O coordenador-geral de Planejamento Estratégico da Dívida Pública do Tesouro Nacional, Luiz Fernando Alves, diz que o Tesouro retornará à estratégia de alongamento dos prazos dos papéis em 2022 e 2023.

“Os efeitos da pandemia sobre o quadro fiscal tendem a ficar restritos em 2020, e a agenda de reformas favorecerá essa mudança de perfil”.

Desde 2015, a participação de estrangeiros nos títulos de dívida pública caiu de 20,8% para 9%.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Esperança

Mundo pode crescer em 2021 mais que 5,5% previstos em janeiro, diz FMI

Kristalina Georgieva também defendeu crédito para empresas e famílias, a partir das circunstâncias de cada país, até a crise de saúde ser superada.

Necessidade econômica

Reação do mercado de trabalho na pandemia depende de condição sanitária, diz IBGE

A população ocupada encolheu em 8,373 milhões de pessoas em um ano, enquanto o total de desempregados aumentou em 2,294 milhões.

Subindo

Insumo no atacado tem forte alta em 12 meses, diz FGV

Em 12 meses, registraram a maior alta da série iniciada em agosto de 1995.

Informalidade

País tem taxa de informalidade de 39,5% no trimestre até dezembro, mostra IBGE

Em apenas um trimestre, mais 2,391 milhões de pessoas passaram a atuar como trabalhadores informais

A combinação perfeita

Depois da cerveja e do hambúrguer, Lemann faz grande aposta em educação

Agora, um dos donos da cervejaria ABInBev está no caminho de ter em sua carteira de investimentos, na qual já figuram empresas como Lojas Americanas, Burger King e Kraft Heinz

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies