Menu
2020-05-18T15:32:51-03:00
Retração da economia

Queda de 5,3% no PIB em março ante fevereiro é a maior da série, diz FGV

No primeiro trimestre, o PIB encolheu 1,2% em relação ao quarto trimestre de 2019. Na comparação com o primeiro trimestre de 2019, a atividade econômica teve ligeira alta de 0,1% no primeiro trimestre deste ano

18 de maio de 2020
11:57 - atualizado às 15:32
pib 2020
Imagem: Shutterstock

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro recuou 5,3% em março ante fevereiro, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com março de 2019, a economia teve redução de 1,1% em março de 2020.

No primeiro trimestre, o PIB encolheu 1,0% em relação ao quarto trimestre de 2019. Na comparação com o primeiro trimestre de 2019, a atividade econômica teve ligeira alta de 0,3% no primeiro trimestre deste ano.

"A retração da economia de 1,0% no primeiro trimestre do ano expõe os enormes desafios que serão enfrentados no âmbito econômico no decorrer de 2020. As medidas de isolamento social só vigoraram por cerca de 1/6 desse trimestre (quinze dias de março) e já foram suficientes para que a economia apresentasse essa significativa queda. A queda de 5,3% registrada em março, em comparação a fevereiro, é a maior observada na série histórica do Monitor do PIB iniciada em 2000 e, ao que tudo indica, esse recorde de queda, muito provavelmente atingirá patamares mais negativos nos próximos meses", avaliou Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, em nota oficial.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

"É inegável que o ano de 2020 será marcado pela forte desaceleração econômica em decorrência da pandemia de covid-19; passamos do lento ritmo de crescimento observado nos três últimos anos, à acelerada retração, que está apenas no início", completou Considera.

A queda recorde de 5,3% no PIB de março ante o mês anterior ocorreu após modestos avanços em janeiro (+0,5%) e fevereiro (+0,2%), que "já eram bem decepcionantes", segundo o relatório da FGV.

No primeiro trimestre, sob a ótica da demanda, o consumo das famílias cresceu 0,2% em comparação ao mesmo trimestre do ano anterior.

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) caiu 0,2% no período, apesar da alta no componente construção. A exportação de bens e serviços teve queda de 3,8% no primeiro trimestre, enquanto as importações avançaram 5,3%.

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 1,858 trilhão no primeiro trimestre de 2020 em valores correntes. A taxa de investimento no primeiro trimestre de 2020 foi de 14,2%, a mais baixa da série histórica iniciada em 2000.

A FGV calcula que o hiato do produto - diferença entre o produto efetivo (PIB) e o produto potencial - ficou em 4,7% no primeiro trimestre deste ano.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements