Menu
2020-03-04T18:37:40-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
economia brasileira

PIB do Brasil cresce 1,1% em 2019, em linha com estimativas do mercado

O resultado é o pior da economia brasileira em três anos; no quarto trimestre, o avanço foi de 0,5%, segundo informações do IBGE divulgadas nesta quarta-feira

4 de março de 2020
9:14 - atualizado às 18:37
Calculadora com sinal de porcentagem representando juros
Imagem: Shutterstock

O Produto Interno Bruno (PIB) do Brasil cresceu 1,1% em 2019 — totalizando R$ 7,2 bilhões —, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (4). No quarto trimestre, o avanço foi de 0,5% em relação ao três meses anteriores.

Os resultados estão em linha com as mais recentes estimativas do mercado: a última publicação do Focus, do Banco Central, apontava um crescimento de 1,17% para 2019. No entanto, a mesma pesquisa chegou e indicar um avanço de 2,53% do PIB, em janeiro do ano passado.

O desempenho de 2019 também é o pior para a economia brasileira em três anos — em 2017 o PIB cresceu 1,0%. O indicador ainda não anulou a queda de 2015 e 2016.

Para o economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito, a primeira leitura dos dados veio pior que o esperado. "Trabalhávamos com a hipótese de que a formação bruta do capital fixo mantivesse o bom resultado, mas foram uma decepção os números apresentados", diz.

O indicador avançou 2,2% no ano, mas a trajetória foi de queda ao longo de 2019. No segundo e no terceiro trimestres, a formação bruta de capital fixo avançou 2,6% e 1,3%, respectivamente. Mas no último trimestre recuou 3,3%.

No ano passado, a maior contribuição para o crescimento do PIB foi o consumo das famílias, que cresceu 1,8%, segundo o IBGE. Pelo lado da oferta, o destaque foi o setor de serviços — que representa dois terços da economia.

Segundo a economista do IBGE, Rebeca Palis, a indústria teve um comportamento diferente em relação a 2018, puxada pelo crescimento na construção, após cinco anos de desempenho negativo. "Já a indústria de transformação, que havia crescido mais em 2018, ficou estagnada em 2019”.

Destaques do PIB em 2019

  • Agropecuária: 1,3%
  • Consumo das famílias: 1,8%
  • Consumo do governo: -0,4%
  • Construção civil: 1,6%
  • Exportação: -2,5%
  • Importação: 1,1%
  • Investimentos: 2,2%
  • Indústria: 0,5%
  • Serviços: 1,3%

4º trimestre

No quarto trimestre, ainda segundo o IBGE, os serviços e a indústria tiveram variação positiva de 0,6% e 0,2%, respectivamente, enquanto a agropecuária recuou 0,4%.

Quando comparado ao quarto trimestre de 2018, o PIB avançou 1,7%, no décimo segundo resultado positivo consecutivo, após onze trimestres de queda nesta base de comparação.

Em 2020, o crescimento da economia brasileira ainda é uma incógnita em meio ao temor sobre os efeitos do coronavírus. Ontem, o banco norte-americano Goldman Sachs reduziu a previsão de alta do PIB de 2,2% para 1,5%. A Capital Economics, que já esperava 1,5%, agora prevê só 1,3%.

Perfeito, da Necton, diz que, após os resultados de hoje, a casa vai revisar "fortemente" para baixo o PIB de 2020 e reafirmará a perspectiva de corte de juros mais agressivo este ano.

Investimento sobe e poupança cai em 2019

Segundo o IBGE, a taxa de investimento no ano de 2019 foi de 15,4% do PIB, ligeiramente acima do observado no ano anterior (15,2%). A taxa de poupança foi de 12,2% em 2019 (ante 12,4% em 2018).

Entre os componentes da demanda interna, houve avanço no consumo das famílias (1,8%), e na formação bruta de capital fixo, em 2,2%. O consumo do governo recuou 0,4%.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Enfim uma oportunidade

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, faz primeira aquisição desde a explosão do coronavírus

Empresa adquire ativos de gás de companhia de energia americana por US$ 4 bilhões, além de assumir parte da sua dívida; desde o colapso dos mercados em março, a Berkshire apenas vendeu ativos, e vinha montada em caixa, no aguardo de boas oportunidades de compra

Um dos bilionários mais velhos

Aos 99 anos, Aloysio de Andrade Faria, o ‘banqueiro invisível’ ainda dá as cartas

Criador do Banco Real, Aloysio de Andrade Faria continua à frente de um império que inclui o banco Alfa e mais uma dezena de empresas.

Entrevista

O agronegócio não precisa das terras da Amazônia para se expandir, diz ministra da Agricultura

Em entrevista ao Estadão, Tereza Cristina diz ser “defensora intransigente de zerar o desmatamento ilegal”; sob escrutínio internacional, agronegócio corre risco de perder investimentos por questões ambientais

Nas redes sociais

Renato Feder recusa convite para ser novo ministro da Educação

Segundo o Estadão, Bolsonaro foi pressionado pela ala ideológica do governo e por militares para não colocar Feder no comando do MEC

Novo candidato?

Rapper Kanye West diz que vai concorrer à presidência dos EUA – e já tem o apoio de Elon Musk

Conhecido apoiador do presidente Donald Trump, o rapper tuitou que concorreria à presidência, e Musk respondeu

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements