Menu
2020-03-04T18:37:40-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
economia brasileira

PIB do Brasil cresce 1,1% em 2019, em linha com estimativas do mercado

O resultado é o pior da economia brasileira em três anos; no quarto trimestre, o avanço foi de 0,5%, segundo informações do IBGE divulgadas nesta quarta-feira

4 de março de 2020
9:14 - atualizado às 18:37
Calculadora com sinal de porcentagem representando juros
Imagem: Shutterstock

O Produto Interno Bruno (PIB) do Brasil cresceu 1,1% em 2019 — totalizando R$ 7,2 bilhões —, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (4). No quarto trimestre, o avanço foi de 0,5% em relação ao três meses anteriores.

Os resultados estão em linha com as mais recentes estimativas do mercado: a última publicação do Focus, do Banco Central, apontava um crescimento de 1,17% para 2019. No entanto, a mesma pesquisa chegou e indicar um avanço de 2,53% do PIB, em janeiro do ano passado.

O desempenho de 2019 também é o pior para a economia brasileira em três anos — em 2017 o PIB cresceu 1,0%. O indicador ainda não anulou a queda de 2015 e 2016.

Para o economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito, a primeira leitura dos dados veio pior que o esperado. "Trabalhávamos com a hipótese de que a formação bruta do capital fixo mantivesse o bom resultado, mas foram uma decepção os números apresentados", diz.

O indicador avançou 2,2% no ano, mas a trajetória foi de queda ao longo de 2019. No segundo e no terceiro trimestres, a formação bruta de capital fixo avançou 2,6% e 1,3%, respectivamente. Mas no último trimestre recuou 3,3%.

No ano passado, a maior contribuição para o crescimento do PIB foi o consumo das famílias, que cresceu 1,8%, segundo o IBGE. Pelo lado da oferta, o destaque foi o setor de serviços — que representa dois terços da economia.

Segundo a economista do IBGE, Rebeca Palis, a indústria teve um comportamento diferente em relação a 2018, puxada pelo crescimento na construção, após cinco anos de desempenho negativo. "Já a indústria de transformação, que havia crescido mais em 2018, ficou estagnada em 2019”.

Destaques do PIB em 2019

  • Agropecuária: 1,3%
  • Consumo das famílias: 1,8%
  • Consumo do governo: -0,4%
  • Construção civil: 1,6%
  • Exportação: -2,5%
  • Importação: 1,1%
  • Investimentos: 2,2%
  • Indústria: 0,5%
  • Serviços: 1,3%

4º trimestre

No quarto trimestre, ainda segundo o IBGE, os serviços e a indústria tiveram variação positiva de 0,6% e 0,2%, respectivamente, enquanto a agropecuária recuou 0,4%.

Quando comparado ao quarto trimestre de 2018, o PIB avançou 1,7%, no décimo segundo resultado positivo consecutivo, após onze trimestres de queda nesta base de comparação.

Em 2020, o crescimento da economia brasileira ainda é uma incógnita em meio ao temor sobre os efeitos do coronavírus. Ontem, o banco norte-americano Goldman Sachs reduziu a previsão de alta do PIB de 2,2% para 1,5%. A Capital Economics, que já esperava 1,5%, agora prevê só 1,3%.

Perfeito, da Necton, diz que, após os resultados de hoje, a casa vai revisar "fortemente" para baixo o PIB de 2020 e reafirmará a perspectiva de corte de juros mais agressivo este ano.

Investimento sobe e poupança cai em 2019

Segundo o IBGE, a taxa de investimento no ano de 2019 foi de 15,4% do PIB, ligeiramente acima do observado no ano anterior (15,2%). A taxa de poupança foi de 12,2% em 2019 (ante 12,4% em 2018).

Entre os componentes da demanda interna, houve avanço no consumo das famílias (1,8%), e na formação bruta de capital fixo, em 2,2%. O consumo do governo recuou 0,4%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Pronto para votar

Há acordo para concluir PEC do orçamento de guerra, diz Maia

Maia afirmou, ao chegar à Casa, que acredita ser possível concluir a votação dos dois turnos nesta sexta-feira

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: passado o furacão, é hora de conhecer os estragos

O podcast desta semana fala da primeira leva de dados econômicos a englobar os impactos do coronavírus, além do balanço dos investimentos em março

Pior ainda

‘Estamos em recessão, bem pior do que a crise financeira de 2008’, diz diretora do FMI

Diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva afirmou que a recessão global decorrente do coronavírus já é uma realidade e que será “bem pior” que a crise financeira de 2008/2009

Carta aos cotistas

Gestora Legacy está comprada em ouro e vem aumentando posição em ações americanas

Em carta, gestora diz que acredita que economia americana é a mais apta a se recuperar da crise com rapidez; ouro é alternativa em meio a deterioração fiscal e monetária das moedas

Datafolha

Aprovação de Bolsonaro cai a 33% e do Ministério da Saúde dispara a 76%, diz Datafolha

Pesquisa do Datafolha divulgada nesta sexta-feira, 3, mostra que a aprovação dos brasileiros ao Ministério da Saúde, liderado por Luiz Henrique Mandetta, subiu 21 pontos percentuais (p.p), de 55% na pesquisa anterior

bolso afetado

Para 50%, coronavírus causou impacto na situação financeira pessoal, diz pesquisa

Proporção de pessoas que considera que suas dívidas vão aumentar ou aumentar muito disparou de 25% para 45%

fatia maior para o motorista

Senado eleva rendimento de motorista de aplicativo até outubro

Alteração obriga empresas como Uber, Cabify e 99 a reduzirem em ao menos 15% o valor retido nas corridas

em busca de soluções

Magazine Luiza, GPA e outras empresas promovem movimento #NãoDemita

Grandes bancos, fabricantes de alimentos, empresas de tecnologia, saúde e investimentos estão endossando uma campanha para evitar a demissão

perspectivas

Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista-chefe do Bradesco

Para Fernando Honorato Barbosa, o setor de serviços será o último a se recuperar

Reprovação aumenta

Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril, diz pesquisa

É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements