2020-03-17T14:46:40-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
CRESCIMENTO GLOBAL

Para Morgan Stanley, recessão global em 2020 agora é cenário-base

No documento, os analistas Chetan Ahya, Derrick Y Kam, Nora Wassermann e Frank Zhao disseram que a expansão do PIB do mundo neste ano deve ser de 0,9% e que essa seria a pior expansão desde a crise financeira global, quando o crescimento econômico global foi negativo em 0,5% em 2009

17 de março de 2020
14:46
Aqueda no exterior puxa o índice brasileiro para baixo, em cenário interno nada favorável - Imagem: Shutterstock

Depois de ver o número de casos de coronavírus piorar bastante e prever que o impacto na economia mundial será grande, o banco Morgan Stanley divulgou hoje (17) em relatório que agora o cenário-base da instituição é de recessão global em 2020.

No documento, os analistas Chetan Ahya, Derrick Y Kam, Nora Wassermann e Frank Zhao disseram que a expansão do PIB do mundo neste ano deve ser de 0,9% e que essa seria a pior expansão desde a crise financeira global, quando o crescimento econômico global foi negativo em 0,5% em 2009.

Segundo eles, a expectativa para este ano é que o Produto Interno Bruto (PIB) contraia 0,3% no primeiro trimestre deste ano e recue 0,6% no trimestre seguinte. Já no terceiro e no quarto trimestres, a estimativa dos analistas é que o indicador tenha expansão de 1,8% e de 2,5%, respectivamente.

Eles destacaram ainda que o impacto do coronavírus na economia mundial vai acontecer por meio de três canais: na atividade comercial e nos efeitos que ele pode ter nas cadeias de suprimentos; na destruição da demanda, particularmente em termos de consumo e serviços e o impacto nas condições financeiras, já que elas estão cada vez mais "apertadas" e os deslocamentos dos mercados financeiros, particularmente o mercado de crédito.

Para eles, embora as políticas dos governos ajudem a limitar a queda, o impacto do coronavírus juntamente com o pouco espaço para melhorar as condições financeiras no mundo podem ajudar a produzir "grandes ondas de impacto na economia global".

E por isso fizeram um alerta: se o coronavírus continuar a se espalhar mundo afora até o terceiro trimestre de 2020, a expectativa é que haja uma recessão ainda mais profunda e que o crescimento médio global fique negativo em 0,6% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Ao falar sobre o crescimento específico dos países, os analistas destacaram que o crescimento chinês deve contrair em 5% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. Nos Estados Unidos, a expectativa do time é que os americanos vejam um recuo de 4% do PIB no segundo trimestre e uma recuperação mais lenta no terceiro trimestre de 2020.

A Europa, por sua vez, deverá ter o pior desempenho com uma queda de 5% no crescimento em 2020, na comparação com o percentual registrado um ano antes.

Além de um crescimento mais lento, a expectativa dos analistas é que os países do G4 juntamente com a China aumentem o seu déficit fiscal em cerca de 200 pontos-base em 2020.

Revivendo a economia global

Porém, para eles, a combinação de uma boa política monetária com afrouxamento fiscal poderão ajudar a reviver a economia global no terceiro trimestre de 2020, enquanto a contração na comparação ano a ano no primeiro semestre de 2020 deve ser "inevitável".

Dessa forma, a atitude dos Bancos Centrais se faz cada vez mais necessária para conter o pânico nos mercados e nas economias. Para os especialistas, o anúncio do banco central americano (FED) no último domingo (15) deve fazer com que todos os bancos centrais do chamado G4 estejam na mesma página e sigam a linha de afrouxamento monetário.

"Acreditamos que ainda há um longo espaço para irmos com cerca de 25 bancos centrais aumentando o afrouxamento monetário que começou no meio de janeiro e que deve ir até o terceiro trimestre deste ano", apontaram os especialistas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

MUDANDO A RECOMENDAÇÃO

Itaú BBA vê Gerdau (GGBR4) como ação defensiva, mas a siderúrgica que pode subir mais de 50% é outra; confira as apostas do banco

A queda de mais de 39% das ações da Usiminas abriram um bom ponto de entrada, segundo os analistas do Itaú BBA

Análise SD

Jogou a toalha? Azul (AZUL4) critica plano de recuperação da LATAM e dá a entender que não vai aumentar a proposta

A Latam pretende injetar mais de US$ 8 bi com as medidas de seu plano de recuperação judicial, cifra superior à proposta pela Azul (AZUL4)

bitcoin (BTC) hoje

Alívio com variante da covid-19 chega primeiro ao mercado de criptomoedas e bitcoin (BTC) volta aos US$ 57 mil

O mercado de criptomoedas, que não para nunca, sentiu o alívio ainda no final do sábado (27) e segue em alta hoje

Radiocash

“Esses 4 milhões de pessoas na Bolsa vieram para ficar”, diz Gustavo Cerbasi

Com 16 livros publicados e 1,5 milhão de seguidores no Instagram, o ex-professor universitário encara com cautela a fama, e rejeita alguns rótulos

Ao acionista com carinho

Ação da Petrobras (PETR4) pode render 100% só em dividendos nos próximos cinco anos

Relação ‘risco-recompensa’ é como comparar um formigueiro ao Everest, avalia o UBS