Menu
2020-01-31T16:35:48-03:00
Estadão Conteúdo
informalidade

País tem em 2019 menor nível desde 2013 de ocupados contribuindo com Previdência

“Se a gente compara o cenário de contribuição previdenciária de hoje com 2014, a proporção era muito maior (64,6% em 2014). Porque o contingente de pessoas com carteira assinada era maior”, disse Adriana Beringuy

31 de janeiro de 2020
16:35
Carteira de trabalho
Imagem: shutterstock

O elevado nível de informalidade no mercado de trabalho prejudica não apenas o avanço na renda dos trabalhadores, mas também a contribuição para a Previdência, segundo Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A proporção de trabalhadores ocupados contribuindo para a Previdência Social ficou em 62,9% na média de 2019, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). O resultado representa o menor patamar desde 2013, quando também estava em 62,9%. O auge da contribuição foi alcançado em 2016: 65,6%.

"Se a gente compara o cenário de contribuição previdenciária de hoje com 2014, a proporção era muito maior (64,6% em 2014). Porque o contingente de pessoas com carteira assinada era maior", disse Adriana.

Embora o País tenha atingido no ano passado um recorde de pessoas trabalhando, uma média de 93,390 milhões de brasileiros, o mercado de trabalho registrou também um ápice de 38,363 milhões de trabalhadores atuando na informalidade.

O levantamento, considerado uma proxy da informalidade, inclui os empregados do setor privado sem carteira assinada, os trabalhadores domésticos sem carteira assinada, os trabalhadores por conta própria sem CNPJ, os empregadores sem CNPJ e o trabalhador familiar auxiliar.

Carteira assinada no trimestre

Segundo a pesquisa divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE, o mercado de trabalho registrou abertura de 593 mil vagas com carteira assinada no setor privado no trimestre encerrado em dezembro, uma alta de 1,8% em relação ao trimestre terminado em setembro.

O avanço foi o mais acentuado para esse período do ano dentro da série histórica iniciada em 2012.

"Essa maior taxa de crescimento não está necessariamente atrelada ao maior contingente com carteira. Isso não faz com que eu atinja o maior número de trabalhadores com carteira. Essa população ainda está 3,1 milhões abaixo do pico alcançado no segundo trimestre de 2014 (quando totalizavam 36,716 milhões de pessoas)", apontou Adriana.

Na comparação com o trimestre encerrado em dezembro de 2018, foram criadas 726 mil vagas formais no setor privado, uma elevação de 2,2%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Esquenta dos Mercados

Relatório da inflação, leitura do PIB dos EUA e queda de ministro devem guiar a bolsa hoje

Assim como uma noite no deserto, o investidor deve ficar atento aos sinais para atravessar um momento de dificuldade

Volta ao original

Câmara rejeita emendas do Senado e retoma texto original de MP que eleva imposto para bancos

Deputados retomaram a alíquota de 25% na CSLL também para as agências de fomento e bancos de desenvolvimento estaduais

Para dar e vender

Defensivas e com potencial de crescimento: como as ações do setor de saúde ainda podem dar muitas alegrias na bolsa

A combinação de baixo endividamento, bons níveis de caixa e espaço para consolidação tornam as ações do segmento muito atrativas, segundo analistas

Fernando Cirne

A importância das fusões e aquisições para a Locaweb

Já avaliamos mais de 1.900 empresas e, desde o IPO, concluímos 10 importantes aquisições, que se somaram às outras seis concretizadas antes da abertura de capital

seu dinheiro na sua noite

IPO da Smart Fit: vai sair da jaula o monstro!

Eu nunca fui muito de academia, confesso. Já tive meus tempos de malhar regularmente, mas nunca consegui tomar gosto pela coisa. Exercícios repetitivos não me cativam, meu negócio sempre foi dançar, de preferência em turma, com professor e horário, se não eu falto. Como você deve imaginar, entre meus colegas jornalistas não é muito diferente. […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies