Menu
2020-02-03T14:56:45-03:00
DE OLHO NO MÍNIMO

Mesmo com salário mínimo maior, pagamento é insuficiente

Para o Dieese, a remuneração ideal para sustentar uma família de dois adultos e duas crianças é de mais de R$ 4 mil

3 de fevereiro de 2020
14:56
Dinheiro; notas e moedas de real
Imagem: Shutterstock

Mesmo com o reajuste este mês, o novo salário mínimo está longe de atender às necessidades de uma família. Segundo cálculos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), os R$ 1.045 são suficientes para comprar apenas duas cestas básicas e 1 quilo de carne.

Idealizado para suprir os gastos com vestuário, higiene, alimentação, transporte e moradia, o mínimo é gasto, sobretudo, com os últimos três itens. Para o Dieese, a remuneração ideal para sustentar uma família de dois adultos e duas crianças é de mais de R$ 4 mil.

Inicialmente, o mínimo de 2020 seria de R$ 1.039, um aumento de 4,1% em relação ao piso de R$ 998 do ano passado. Mas, como o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) - referência para reajustes - ficou em 4,48% em 2019, o trabalhador veria seu poder de compra perder para a inflação.

Quando o presidente Jair Bolsonaro anunciou que reajustaria, então, o rendimento em mais R$ 6, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que precisaria "achar os recursos" para isso. Os cálculos do governo apontam que cada R$ 1 de aumento implica em uma despesa extra de aproximadamente R$ 355,5 milhões para os cofres públicos. O impacto total do ajuste seria de R$ 2,3 bilhões.

Para o presidente do Conselho de Emprego e Relações do Trabalho da FecomercioSP e professor da USP, José Pastore, a indexação de outros itens ao salário "acaba inviabilizando a economia como um todo".

Já o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) e colunista do jornal O Estado de S. Paulo, Fábio Gallo, pontua que a reforma administrativa para os três Poderes é uma saída para equilibrar as contas públicas. "O salário mínimo é justo? Não. Mas o que foi feito na economia nos últimos anos nos levou a essa situação em que estamos. Se não for feito um sacrifício para arrumar a casa, não vai ter solução." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

10 notícias para começar o dia bem informado

O Banco Central derrubou ontem o juro brasileiro para uma nova mínima histórica, de 2% ao ano. Pelo recado do BC, o corte deve ser o último, mas a taxa deve permanecer baixa por um bom tempo. Não tem mais jeito: para ganhar dinheiro de verdade, o investidor precisará encarar a bolsa ou outros ativos […]

efeito coronavírus

Brasil tem nova queda recorde de ocupados e desemprego sobe para 13,3%

A taxa de desemprego no Brasil subiu para 13,3% no trimestre encerrado em junho, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta quinta-feira (6). A alta é de 1,1 ponto percentual (p.p.) frente ao trimestre finalizado em março. O número de pessoas ocupadas no país teve redução recorde de 9,6% – […]

Resultados que mexem o mercado

Braskem, AES Tietê, SulAmérica, Totvs e BB: os balanços que movimentam o mercado nesta quinta

Resultados financeiros do segundo trimestre afetam mercado em meio à pandemia

Recorde à vista

Avaliada em US$ 1,88 trilhão, Apple supera o PIB do Brasil

O último balanço, que reflete o desempenho durante a pior fase da pandemia do novo coronavírus, surpreendeu investidores e fez as ações se valorizarem 14% desde então – o papel fechou ontem a US$ 440

Acordo pelo fim do desmatamento

Greenpeace acusa JBS de não cumprir acordo

De acordo com a ONG, a JBS e outros frigoríficos se comprometeram em 2009 a zerar o desmatamento de sua cadeia de suprimentos em até dois anos, o que incluía não ter nenhum fornecedor que trabalhasse em áreas desmatadas da Amazônia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements