Menu
2020-06-09T11:45:25-03:00
Estadão Conteúdo
ESTIMATIVA DO IMPACTO

Ipea revisa projeção de queda do PIB de 2020 de 1,8% para 6,0%

“Espera-se que a taxa de crescimento do PIB convirja gradualmente de volta para a trajetória projetada antes da crise da Covid-19”, diz o artigo do Ipea.

9 de junho de 2020
11:45
pib 2020
Imagem: Shutterstock

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revisou sua projeção para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 para uma retração de 6,0%, ante a estimativa anterior de queda de 1,8%, feita no fim de março, segundo artigo publicado na "Carta de Conjuntura" do segundo trimestre, publicada nesta terça-feira, 9, no site do órgão.

A retração será concentrada no segundo trimestre, com tombos de 10,5% ante o PIB do primeiro trimestre e de 11,0% sobre o segundo trimestre de 2019, mas haverá retomada no segundo semestre, contribuindo para um crescimento de 3,6% em 2021.

A projeção anterior considerava o pior cenário dos efeitos da pandemia de covid-19 sobre a atividade, mas os pesquisadores do Ipea destacam no artigo que, "desde então, a natureza e a magnitude dos choques causados pela pandemia vêm sendo reavaliadas continuamente, e têm apontado na direção de uma queda ainda mais substancial do PIB em 2020". No fim de março, quando o pior cenário do Ipea apontava para retração de 1,8%, a média das projeções de mercado estava numa queda de 0,5%, destaca o artigo.

Mesmo agora, "é importante destacar que essas projeções estão sujeitas a grande incerteza, tanto no que se refere à estimativa do impacto da pandemia sobre a atividade econômica corrente, como no que tange às hipóteses subjacentes ao ritmo esperado de recuperação no restante do ano", escreveram os pesquisadores do Ipea.

A projeção de tombo de 10,5% no PIB do segundo trimestre ante os três primeiros meses do ano leva em conta um conjunto de indicadores coincidentes da atividade econômica de abril, considerado, no cenário do Ipea, o "fundo do poço". "O conjunto de medidas de preservação de renda, empregos e produção implementado como resposta à crise, aliado ao início da flexibilização das medidas de isolamento, permite esperar uma melhora no desempenho da atividade econômica nos próximos meses", diz o artigo.

Os pesquisadores do Ipea citam indicadores de confiança empresarial, nível de utilização da capacidade instalada (Nuci) e o consumo de eletricidade na indústria para sustentar que já há "sinais de reação" da economia em maio. A produção e venda de veículos e a confiança do comércio, em maio, também sinalizam no mesmo sentido, assim como o auxílio emergencial pago pelo governo às famílias mais vulneráveis "deve ter produzido um efeito importante sobre a demanda, especialmente de produtos de primeira necessidade".

Assim, no cenário do Ipea, o fato de a queda da atividade econômica ter sido profunda em abril, mas seguida de algum crescimento em maio e junho, "garante um carry-over importante para o terceiro trimestre". A recuperação da atividade no segundo semestre, esperada pelos pesquisadores do Ipea, ajudará a impulsionar um crescimento de 3,6% em 2021. "A queda projetada para o ano é de 6%, mas a trajetória de recuperação no segundo semestre deixará um carry-over de quase 2% para 2021, cujo crescimento projetado é de 3,6%", diz o artigo.

O cenário de retomada em 2021 considera que haverá o controle da pandemia de covid-19 nos próximos meses, sem a imposição de novas restrições às atividades. Também considera o "relaxamento gradual" das "medidas excepcionais de política voltadas para a preservação de empregos, renda e produção", o que permitiria à política econômica voltar à estratégia anterior à pandemia, "calcada em medidas voltadas para a recuperação e a consolidação do equilíbrio fiscal e para o aumento da produtividade".

"Essa estratégia vinha contribuindo para a recuperação da confiança na estabilidade macroeconômica, lançando as bases para a atração de investimentos e a aceleração do crescimento. Espera-se, assim, que a taxa de crescimento do PIB convirja gradualmente de volta para a trajetória projetada antes da crise da Covid-19", diz o artigo do Ipea.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

pandemia

Itamaraty confirma que Índia atrasará entrega de vacinas

Chanceler indiano atribuiu o atraso na liberação a “problemas logísticos” decorrentes das dificuldades de conciliar o início da campanha de vacinação no país de mais de 1,3 bilhão de habitantes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies